Comportamento Mediúnico: Nós os Médiuns, eles os Guias

Mediante a alguns questionamentos levantamos um assunto de curiosidade e estudo em comum, qual nossa relação com nossos guias? Como eles chegaram até nós (ou nós chegamos até eles)? Diversas outras questões que ainda buscamos resposta. Encontramos nesse texto alguns esclarecimentos e muita coisa para refletir.

Será que estamos olhando para eles e enxergando o propósito real deles estarem conosco?Ou estamos apenas os usando como um meio para saciar nossos desejos e vontades, ou porque somos médiuns  e nos achamos tão importantes por tê-los conosco, com uma dose de vaidade e arrogância.

Muitas vezes o médium vai para um terreiro, no começo é aquela empolgação, e com o tempo para alguns vira algo mecânico, sempre os mesmos ritos, sempre as mesmas posturas, como se não tivesse nada além da rotina. É como se perdessem o up de estar ali, virou uma obrigação não uma devoção, uma fé a ser praticada.

Será que é assim mesmo? ou se está se esquecendo de enxergar o que é invisível aos olhos, desaprendendo a sentir.

Já ouvi inúmeras vezes pessoas dizendo assim:

“… quer lotar terreiro, faz um trabalho de exú, com comes e bebes,…”,  “… trabalho de preto velho, é muito cansativo, demora demais, e quase ninguém aparece…”, será que uma pessoa que fala algo nesse sentido ou semelhante a isso, realmente entende a religião que pratica, conhece as entidades com profundidade, eu honestamente acredito que não. Alguns valores estão se perdendo, e as pessoas pouco se importando com que tipo de energias estão se canalizando.

Cada gira tem sua importância, seus fundamentos, missões e propósitos.

Mas o que há por detrás de cada espírito, que se apresenta como uma entidade de Umbanda? será que está se tendo o cuidado necessário, ou se está se limitando a observar apenas a roupagem. Será que a credulidade não está se tornando uma fraqueza, principalmente quando o médium obedece cegamente sem avaliar as mensagens recebidas.

Nossos médiuns estão tendo critérios de avaliar o que é certo do que é errado? no ponto onde estão se  colocando num papel participativo, de consentir, ao ponto de se envolverem em determinados trabalhos, será que estão tendo ciência e mensurando as leis de causa e efeito com propriedade e seriedade. Ou será que estão tendo a ilusão que não terão sua parcela de envolvimento. Tipo… meu guia tá fazendo tal coisa e eu não tenho culpa. Será?

Muitos médiuns levam verdadeiros tapas de luva de pelica em suas vidas, onde recebem a repercussão de seus atos como médiuns, a lição é dada e caso não se aprenda há de se repetir. Simples assim.

Será mesmo que todo guia que se apresenta como a entidade X, será mesmo que  é tal entidade? Muito cuidado com isso, já foi ditologoumbanda3 por ns. vezes que mistificadores, e quiumbas adoram médiuns vaidosos, gananciosos e adoram brincar com seus egos inflados.

A algumas posturas que jamais entidades idôneas iriam expor seus médiuns. Já vi preto velho ameaçando de morte filhos de santo, entidades fazendo médiuns beijarem seus pés e sentando em cima deles como verdadeiros serviçais, Exús e Pombogiras machucando médiuns, detalhe são posturas para alguns aparentemente normais, aplaudidos de pé. Mas que não são.

A impressão que se passa que as pessoas não querem enxergar o óbvio, simplesmente por comodismo e mesmo conveniência. Ou pelo menos quando não for com eles. Sabe o detalhe, pimenta no olho do outro é refresco, quase isso.

Será que  nossos médiuns estão sabendo reconhecer seus próprios guias, suas importâncias em suas vidas, será que estão conseguindo observar suas mensagens, seus conselhos, ou se está entrando pelo um ouvido e saindo pelo outro. Ou o ego só está deixando passar elogios? Pensem.

Porque será que uma entidade X escolhe um determinado médium? Já pararam para pensar qual a ligação de suas entidades com vocês? Porque meu caboclo me escolheu, ou meu preto velho ou será que é por sorteio, aleatório? claro que não. Muitos guias já nos acompanham de várias reencarnações.

Quando você for para seu trabalho de preto velho por exemplo ou qualquer outra linha, pense sobre isso porque eu tenho tal guia comigo, porque ele me escolheu ou foi eu quem o escolhi?

Ás vezes é importante não só pedir a caridade deles para conosco, mas se colocar a disposição deles com a nossa caridade, as vezes é bom fazer essa sintonização com eles, o que eles esperam de nós? A gente sempre espera muito deles e acabamos por nos esquecer de nossa responsabilidade para com eles.

O que muitos médiuns precisam entender que muitos guias, mentores, entidades tiveram e participaram conosco de processos de reencarnação, muitos viveram conosco em outras vidas, muitos foram nossos mentores e instrutores no pós morte, muitos podem estar conosco para nos ensinar sobre questões de resgates, redenções, troca.

Já pararam para pensar que pode haver entre eles, alguns que foram  inimigos de outras vidas que através da lei do perdão e redenção hoje vem em missões espirituais conosco.

Da mesma forma que um inimigo pode vir como um filho nessa vida para haver a troca de amor, e aprenderem a se amar, porque não uma entidade para preencher o tempo perdido. Interessante, quando analisamos com profundidade certas questões.

Uma preta velha pode ter tido uma experiência com sua médium onde ela em outra vida foi sua Sinhá, e hoje trabalham juntas para que uma ajude a outra em seus processos de evolução, perdão e redenção.preto_velho

Um outro ponto interessante, nossos guias também aprendem conosco, eles levam muito de nós e deixam muito deles.

Um Exu ou uma Pombogira pode ter resgates cármicos com seus médiuns, podem ter passado por experiências juntos em outras vidas.

Muitos de nós tem herança indígena, quem nos garante que um de nossos caboclos não foi um pai ou mesmo uma mãe nossa em outra vida.

Alguns médiuns já ouviram de seus guias que os mesmos já o acompanham de outras vidas.

Precisamos olhar para nossas entidades com mais amor, carinho, atenção e devoção.

Muitas vezes nos esquecemos que para chegarem onde estão tiveram muito trabalho, muita lapidação, redenção e sofrimento, eles não chegaram onde estão de mão beijada, tiveram muito trabalho, e olha que interessante  escolheram nós para seus pupilos (que bacana, não é?) e o que a gente faz muitas vezes? a gente passa dos limites, pisa na bola, com nossas vaidades, fantasias arrogâncias e egos desmedidos,  e se esquecemos que isso é um privilégio, e devemos ser gratos por eles acreditarem em nós, por eles terem fé em nossa capacidade. Devemos nos lembrar de honrá-los e não decepcioná-los.

É muito comum ouvir de um médium, “…nossa quando trabalho com meu caboclo eu me sinto tão bem…”, outros até dizem, “… nossa sinto uma saudade quando o Pai ou a Mãe no Santo não chama uma determinada linha, parece que fica um vazio dentro de mim…”, esse vazio é pela falta inconsciente que alguns médiuns tem, é como uma mãe que mora longe, e você fica muito tempo sem estar com ela. As vezes sentimos falta do que deixamos em outros planos. Saudade pura e simples de estar com eles.

O médium ele precisa olhar para seu guia com mais profundidade, observando além das aparências, tem guias que são mais rigorosos, disciplinadores, doutrinadores, e a gente fala nossa tal guia meu é bravo, é chato, porque será que justo aquele guia é aquele que pega no pé? pois é, com certeza é porque a missão dele é justamente essa para conosco, a disciplina, te trazer princípios doutrinários.

Por isso não se queixe, cada pupilo tem o mestre que merece. 

Os médiuns mais antigos de tradições mais antigas de Umbanda, não se preocupavam com status de suas entidades, se tinham sido reis, rainhas, princesas etc…, eles se colocavam na postura de simples aparelhos de seus guias, eram passivos no sentido de não interferirem, e nesse tempo muitas entidades excelentes se manifestavam, faziam suas curas, e ninguém fazia diferenças, devido a seus nomes se eram conhecidos ou não, se tinham sido pessoas da alta sociedade, na realidade nem havia isso entre as próprias entidades, os próprios caciques, não se auto davam títulos. E mesmo quando uma entidade se auto denominava assim, no lugar do médium ficar com aquele ar metido a besta (risos), eles tinha medo, isso mesmo… medo de errar com eles.

Infelizmente não é mais assim hoje em dia, hoje me parece que se o guia não se apresentar com um nome famoso ou título parece que não tem valor, talvez seja pelo excesso anímico, fantasias de muitos médiuns hoje em dia, tanto o é, que muitas entidades viraram artigo raro de ser ver nos terreiros, talvez porque os médiuns de hoje em dia não os conheça, nem sabem seus nomes. Percebam como é sério isso, e cabe ao dirigente observar com muito cuidado esse desvio de seus médiuns,  o qual tem se tornado  um grave problema. Lembremos que muitos de nossos guias e entidades tiveram vidas bem comuns.

Onde foram parar as antigas entidades, os antigos guias e mentores, será que se aposentaram, cumpriram suas missões? ou será simplesmente que está se faltando mais médiuns sérios e sensatos.

Quando você médium olhar para um gira de preto velho por exemplo, procure enxergar além da roupagem física aparente, observe com cautela a personalidade de cada guia ali trabalhando e prestando a caridade, as vezes em pequenos gestos observamos muita coisa de um determinado espírito atuando. E saibam que trabalho de preto velho é uma verdadeira aula de sabedoria.

Nas rodas de caboclo, olhem e observem o formato de suas danças, como em cada gesto, vão simbolizando o culto e louvor a natureza, a lembrança a seus ancestrais, se deixem envolver na roda de fogo de Oxóssi, na roda de cura, no poder de suas ervas, simplesmente deixe se elevar.

Na Linha do Povo D.água, nos cantos e mantras de mãe d.água, deixe fluir, penetrar, se eleve, se deixe levar no silêncio das profundezas das águas dos rios e mares, se deixe purificar.

Sinta a cultura que envolve cada linha, cada falangeiro e caboclo, observe seus ensinamentos, eles viveram como eu e você, a única coisa que nos separa é uma linha tênue, e os planos sutis de suas existências espirituais.

Vejam como somos abençoados por tê-los em nossa trajetória e como tudo seria mais difícil sem eles por perto. Gratidão! Gratidão! a Benção hoje e sempre. Axé.

Hoje os médiuns tem que se policiarem, se auto questionarem, se darem valor, evitarem de se envolver em verdadeiros antros, não fazerem de seus oris uma bola de boliche, um joguete nas mãos daqueles que se dizem terreiros de Umbanda, mas que desconhecem o que seja, SE DEEM AO RESPEITO. Não joguem o nome de seus guias e os vossos no lixo. Simples assim.

Um médium sério procura uma casa idônea para trabalhar e não um lugar para ostentar suas vaidades e fantasias, encher a cara, se sentindo os próprios donos do cabaré. Alguns médiuns parecem não mensurar o quão lamentável é isso. Entidade idônea não faz de seu médium copo vivo. 

Nada contra a boas festas desde que não usem de espíritos para camuflarem suas vaidades enrustidas e usem de nomes de entidades idôneas para saciar suas fantasias. Terreiro de Umbanda não é escola de samba, não é picadeiro e muito menos teatro.

Entendam bem nenhuma entidade que passou por sofrimentos, por resgates cármicos pesados, que levou anos para alcançar sua redenção e doutrinação, vai querer que seu médium passe pelo mesmo, para isso o médium é seu pupilo, porque deve se entender por guia um espírito que tenha um grau evolutivo acima. Fora disso, opa lá, tem algo muito errado.  Lembremos disso.

O médium ele deve estar atento, muitas entidades quando palestram a seus médiuns e seus consulentes, com suas histórias sempre trazem algo a mais, sempre nos ensinam, sempre deixam tanto deles.

Como diz uma cantiga, “…No calar da Noite tem um Exu ele não dorme, ele vigia…”.

Para bom entender um pingo é letra.

Que nossos guias nos perdoem, e nos auxiliem a sermos cada dia melhores, na pratica do Amor e da Caridade, que nunca lhes falte sua benevolência e sagrada paciência para conosco.

Tudo passará, e quando chegar a nossa hora, que tenhamos mais honra do que vergonha.

Texto por: Cristina Alves

Templo de Umbanda Ogum 7 Ondas e Cabocla Jupira.

Fonte: https://orixaessenciadivina.wordpress.com/2016/09/03/nos-os-mediuns-eles-os-guias/

 

Anúncios

ENERGIAS VICIADAS

Esta energia é a mais vivenciada, praticada e compartilhada no mundo.

Quando nossos defeitos vêm aflora, quando nos perdemos e no impulso sem consciência nossos atos dão um ato sombrio a nossa personalidade.

Todo ser humano vive a energia viciada e vicia as demais energias que interagem com seu organismo. Como o próprio nome diz, trata de todos os vícios que alimentamos, sejam psicológicos ou físicos.

Vamos primeiramente abordar o tema vícios, depois vamos falar da energia viciada em si por Saraceni.

Tem muita gente viciada que não se deu conta, isso mesmo, acha que controla suas ações, porém todos os dias praticando os mesmos atos, se torna vicio. Quando falamos de energia viciada, basta cometer os mesmos atos por 7 dias, pronto, o cérebro registra. Mas para reverter esta programação, e tornar essa energia viciada em virtuosa o mínimo de repetição são 21 dias.

Tratamos por vício, o uso contínuo de eletrônicos e seus meios de informação (celulares, televisores, computadores, tablets, etc.), alimentação e bebidas (fast-food, álcool, etc.), Jogos (cartas, caça níquel, futebol, videogames, etc.), pornografia (de todas as formas), o fanatismo (religioso e político) e os próprios entorpecentes.. Todos estes vícios utilizam o meio de fuga mental e caem na malha energética sutil e grudenta chamada triplo x. A fuga sempre parte da própria pessoa, com o passar do tempo, o vício se instala na sua programação mental e a partir daí inicia o processo de obsessão complexa junto ao programa obsessivo chamado fascinação, que inverte os valores de forma sutil, sem que o individuo perceba que está confinado no vício.

Saraceni descreve esta energia da seguinte forma:

 Energias viciadas são opostas às energias virtuosas.

Resultado de imagem para virtudePortanto, se falamos nas energias luminosas, não podemos deixar de abordar suas opostas, ou sem cor. Uma energia viciada nada mais é que a vivência de um princípio viciado. Eles são sete na origem, e milhares no meio. Eis alguns: Ódio, Inveja, Soberba, Ambição, Paixão, etc.

Pois bem, quando despertamos tais princípios (sentidos) em nosso todo espiritual, o oitavo canal, aquele da corrente contínua de energia cósmica, nos energiza até a máxima capacidade de absorção que tivermos. Se não dermos vazão a esse acúmulo, somente conseguiremos neutralizá-lo com o aumento de absorção de energias virtuosas. Como a vasão se processa de forma negativa (dor, tristeza, lamentos, mágoas, etc.), recomendamos sua neutralização, pois assim os desejos se transformarão em vontades.

screenshot_9

As vontades são as alavancas que impulsionam o homem para a frente, e para cima. Um ser humano, quando desperta em seu emocional as vibrações de um princípio viciado, coloca-se em desarmonia total, e passa a acumular mais e mais energias negativas, que o lançarão no desequilíbrio extremo. Um ser que desequilibra seu racional devido à insistência em vivenciar os tais princípios viciados, e não quer voltar à razão (energia virtuosa), irá descer no padrão vibratório, até chegar a um ponto onde vibrará em seu todo espiritual somente a dor, a energia negativa que nos chega através do canal de absorção de energia cósmica, mais baixa e difícil de ser suportada.

screenshot_8

Notem que, o canal de absorção dessa energia entra no topo da cabeça, e sai pelo ponto de força localizado nos órgãos sexuais. Logo, se um princípio viciado não for ativado, ela não se acumulará no emocional, que capta apenas as energias do princípio que estiver vibrando. Essas energias entrarão, nos energizarão, e sairão sem causar dano algum. Mas, caso somente um princípio viciado esteja vibrando no emocionai, a energia que preenche o seu padrão irá inundar e viciar por inteiro o indivíduo, ativando as energias humanas e físicas, até um ponto em que elas se esgotem por completo na vivência do princípio alimentado pelas energias viciadas.

Observem com atenção este detalhe de suma importância: o ser humano incorpora ao seu todo espiritual, energia humana (carnal) e energia física (elemental), Caso um princípio viciado se instale em seu emocional durante sua passagem pela carne, ele irá vibrá-lo até que se esgote, até que toda energia humana e toda energia física sejam neutralizadas pelas energias virtuosas. Somente assim ele deixará de pulsar, tanto na carne quanto em espírito, aquele padrão energético viciado.

Pois bem, é isto! As energias viciadas não existem, assim como não subsistem, por si só. Para que isso aconteça, o emocional deve estar vibrando um, ou vários princípios viciados. Se isso não ocorrer, elas sairão tão silenciosamente quanto entraram em nosso todo físico e espiritual.

Apenas com estas explicações, poderíamos colocar por terra todas as absurdas teorias criadas a respeito de Deus (Luz) e do Diabo (Trevas): se Deus é a Virtude (energias virtuosas), e o Diabo é o Vício (energias viciadas), fica claro que ambos se instalam em nós apenas se vivenciarmos, ou princípios virtuosos, ou princípios viciados. Assim, teríamos apenas dois fios (canais) a nos energizar, sem maiores danos: o prateado (energia universal) e o escuro (energia cósmica), que chegam ao topo de nossas cabeças, e dali irradiam-se pelos nossos corpos carnal e espiritual.

Mas, como não é possível libertar as coisas religiosas dos princípios viciados que em todas as religiões existem, dizemos o seguinte: É muito mais agradável aos olhos de Deus, o ser humano que não é religioso, mas é virtuoso, que o ser humano que é religioso, mas é viciado.

Referência Bibliográfica

Saraceni, Rubens. O livro das energias. 1 Ed. São Paulo. New Transcedentalis. 1993

ENERGIAS VIRTUOSAS

Falar de energias virtuosas, é falar de valores, de moral, de boas vibrações…Saraceni nos traz a seguinte informação:

Ao abordarmos este tipo de energia, saímos dos padrões estáveis e com dinâmica própria, para adentrarmos no magnífico padrão de E.V.M.L.C. (Energia, Vibratória, Magnética, Luminosa e Colorida) que existe no ser humano, enquanto criação divina.

A ele, é dado autonomia para a maior ou menor emissão desses padrões muito sutis de energias, que são: virtuosas, viciadas, masculina e feminina, espiritual, humana, carnal, mental, racional, emocional e sexual.

Primeiramente vamos às energias virtuosas, pois são elas que nos elevam a esferas luminosas mais sutis, quando as absorvemos por inteiro e fazemos do nosso todo espiritual um meio para sua exteriorização. Embora seja muito pessoal, pode ser transmitida, doada, passada e despertada em nossos semelhantes, desde que bem direcionadas. Podemos identificá-la:

  • Com as sete virtudes (Amor, Conhecimento, Fé, Razão, Lei, Sabedoria e Vida);
  • Com as sete cores do arco-íris divino, que são: branco cristalino, azul cintilante, rosado, verde, dourado cristalino, amarelo cristalino, prateado cintilante;
  • Com os sete símbolos sagrados;
  • Com as sete notas musicais;
  • Com os sete dons originais;
  • Com os sete graus de evolução do espírito no estágio humano;
  • Com as sete esferas ascendentes, ou luminosas.

As energias virtuosas são estados “de” e “do” espírito humano. Elas somente se manifestam, e podem ser sentidas, doadas ou despertadas, se assim o desejarmos, ou se formos induzidos a aceitar tal padrão vibratório. Sem isto, elas continuam à nossa volta sem serem por nós absorvidas. Temos então, um arco-íris invisível aos olhos carnais, mas que é sentido e percebido pelo nosso espírito imortal. Se nos harmonizamos com a energia divina, logo as energias virtuosas começam a inundar-nos com seu poder e sua força. Poder e força, em princípio, pertencem a Deus (energia divina), mas estão à nossa disposição, para que os usemos em benefício de nossos semelhantes, e da humanidade como um todo.

Quando falamos em força e poder das energias virtuosas, relacionamos aos seus opostos nas energias viciadas, que são dor e morte.

Observem bem as duas ordens, pois a força e o poder nos chegam pela energia universal, enquanto a dor e a morte nos chegam pela energia cósmica.

As virtudes somente são energias, quando incorporadas ao nosso todo espiritual. Caso contrário, sua ação construtiva, humanitária, mística e vivificante será imperceptível.

Um ser humano não místico, pode muito bem incorporar algumas cores (vibrações) das energias virtuosas ao seu todo espiritual, assim como um místico pode não incorporá-las ao seu arco-íris mental. Mas com toda certeza, somente um místico poderá incorporar (absorver) as sete faixas vibratórias das energias virtuosas.  Cada cor tem um padrão vibratório, e este revela um dom vivenciado, tanto na carne quanto em espírito, pelo ser humano. Talvez seja difícil compreendê-las descrevendo-as dessa forma, mas vamos tentar ser mais específicos e claros nas ilustrações que se seguem:

Screenshot_3.jpg

screenshot_4

O todo espiritual é composto por todas estas figuras, que são ativadas pela energia branca cintilante, através da qual a energia divina em nosso mental. Essa energia sustenta o mental, que é onde está localizada e protegida a nossa herança genética divina. Trazemos esta herança desde nossa origem, sendo que ela nos acompanhará até nosso fim, quando retornaremos à energia divina pela ação das energias virtuosas do sagrado arco-íris.

Bem, em nosso mental estão gravados os códigos genéticos que permitem nossa adaptação aos vários estágios da evolução humana, assim como os códigos dos estágios anteriores e posteriores.

Eis uma ideia aproximada de como as energias virtuosas entram em nosso todo
espiritual:

screenshot_5

screenshot_6

A ilustração mostra como ocorre a entrada das energias virtuosas em nosso todo espiritual, através dos sete canais descritos, mais um oitavo que nos inunda com a corrente contínua de energia negativa, e que desperta a vontade de ação em nosso emocional, ativando nosso racional e nossa consciência. São estas energias que têm tomado a humanidade agradável aos olhos de Deus, pois foi assim que Ele nos quis: seres humanos virtuosos, mas ativos, e não contempladores. Pois bem! Quando ativamos o Amor, o canal coletor deste padrão vibratório na energia divina passa a nos energizar cada vez mais, até alcançarmos o poder total de captação desse padrão. Mas, se esta energia não se multiplicar em nossos semelhantes, através das nossas ações, logo nos tornaremos estéreis nas coisas do Amor, uma vez que a energia acumulada passará a atormentar o emocional. Todo acúmulo sem vazão, seja ela positiva ou negativa, transforma-se num tormento insuportável. Se ativarmos o canal do Conhecimento, este nos inundará com a energia que dá sustentação ao crescimento intelectual. Mas se o conhecimento adquirido não for utilizado, a energia virtuosa irá se dispersar, e um imenso vazio se formará em nosso intelecto após alguns anos. O mesmo ocorre com relação às outras cinco energias virtuosas. Basta que você seja, ou se direcione nos seus sentidos virtuosos, para ser inundado. Elas nada mais são, como se isto já não fosse o bastante, que padrões vibratórios divinos, colocados à disposição do ser humano. Citamos várias vezes os números de 273 a 280 da escala divina,mas apenas sete números tinham correspondência. Revelamos agora, que o número 273 é o número do padrão vibratório da energia cósmica (negativa), que nos chega através do cordão negativo, ou o oitavo canal de irrigação energética do nosso todo espiritual. E ele, como não poderia deixar de ser, é neutralizado apenas pelos canais de energias virtuosas, caso contrário o todo espiritual ficaria tão negativamente energizado, que toda ação seria destrutiva.
Por tudo isso, recomendamos a todos que direcionem seus sentidos carnais e espirituais para estas energias. Somente assim poderemos neutralizar o acúmulo de energias negativas (cósmica) que, por ser uma corrente contínua, nunca cessa sua energização sobre o nosso todo espiritual. Caso não possamos neutralizá-las com ações virtuosas, a insatisfação (ausência de prazer) tomará conta do nosso ser imortal. Portanto, desperte estas energias em seu ser imortal’ Se o Criador dotou de desejo (negativo), foi para que, com a nossa consciência os transformássemos em vontades que nos enriqueçam e nos embelezem aos Seus olhos.

Referência Bibliográfica

Saraceni, Rubens. O livro das energias. 1 Ed. São Paulo. New Transcedentalis. 1993

ENERGIA VEGETAL

Resultado de imagem para energia vegetalÉ muito interessante quando descobrimos que as plantas interagem com os outros meios de vida. Mas não se trata da interação que descobrimos lá na infância nas aulas de ciência quando os professores ensinavam a fotossíntese e a importância das plantas para nosso ar.

E sim da energia que a planta emana a partir de sua existência, como um ser em evolução no universo. Cada uma com suas particularidades e propriedades. Mas num âmbito geral, compartilham sua riqueza, sua energia pura, seus valores existenciais.

Existe por traz de toda essa magia da energia vegetal, a energia elemental, são outros seres que com zelo ajudam os vegetais a se desenvolverem saudáveis e com boa qualidade, também auxiliam na criação de novas espécies físicas.

Saraceni nos traz mais esclarecimentos quanto a energia vegetal.

Esta energia é de primeira grandeza para o nosso todo planetário. É ela que se espalha no ar, porque é a mais leve das energias aqui existentes. Com isso, torna-o úmido, uma vez que ela é essencialmente aquática.

Resultado de imagem para energia vegetalQuando uma planta emite sua energia, ela cria no ar uma condição única, que lhe permite absorver moléculas de hidrogênio e oxigênio. Somente com a energia vegetal, as correntes aéreas conseguem absorver água em moléculas.

Esse é um mistério desconhecido da ciência humana. Julgam que é pela evaporação que o ar se torna úmido, mas não é verdade. Quando o ar não está irradiado por essa energia, ele é tão seco quanto o ar dos desertos.

É de suma importância para as ciências humanas, a compreensão de certos fenômenos de natureza física e química. A diferença existente entre a Amazônia, com sua flora exuberante, e o norte desértico da África, é gritante. Embora o calor seja quase o mesmo, na floresta a umidade é impressionante, ao passo que no deserto ela quase não existe. Isso se deve à presença dos vegetais na Amazônia, e sua ausência nos desertos.

A energia emitida pelos vegetais é de origem aquática, e muito mais leve que a energia terrestre. Ela flutua no ar, e não é absorvida pelo magnetismo do solo. Com isso, vai sendo levada pelas correntes aéreas cada vez mais para o alto, onde a reunião de bilhões de moléculas forma as pesadas nuvens, que desabam em aguaceiros constantes. Esse é um fenômeno que se repete quase que com hora marcada na Amazônia. Ali, a emissão de energia vegetal é tão grande, que o ar fica totalmente úmido em consequência dessa energização aquática. A energia vegetal, como resultado final do amálgama energético dos quatro elementos que formam o todo energético planetário, é 80% aquática, pois dos vegetais não sai o calor (energia ígnea), nem a matéria (energia terrena). Os 20% restantes, são energias aéreas, que por ser em tão pouca quantidade, não a arrasta por distâncias muito longas. Temos então, na composição da energia vegetal, 80% de origem aquática e 20% de origem aérea. Muitos poderão dizer: “Mas o calor libera as moléculas da água ao elevar a sua temperatura!”.

Sim, isso é uma lei física, e portanto, indiscutível. Mas aqui estamos falando de energia emitida por uma espécie viva, que são os vegetais. Essa energia possui em sua composição energética 80% / 20%, e é ela que torna o ar capaz de absorver as moléculas de água, pois ela é o meio que as moléculas usam ao serem liberadas pelos vegetais.

Também temos nos lagos: rios, mares e oceanos, uma forte liberação de água em moléculas, através da ação do calor do Sol, ou do interior do Planeta, mas isto diz respeito à energia ígnea que, ao ser absorvida pela água, ocupa (desaloja) as moléculas e as expulsa do todo aquático. O que, não quer dizer que a umidade relativa do ar à beira-mar seja superior à umidade na exuberante floresta amazônica, ou qualquer outra floresta tropical. Não! À beira-mar o que existe é uma energia aquática com fortíssima radiação salina, e só. Na energia vegetal, encontramos um tipo de umidade que não encontra similar, assim como as outras energias aqui abordadas também não o encontram.

Mas a energia vegetal não é apenas criadora de condições propícias ao umedecimento do ar, que é uma energia seca. Ela também propicia o resfriamento do calor absorvido pelas correntes aéreas.

Mesmo que o calor seja intenso, devido ao Sol, se ficarmos embaixo de uma árvore frondosa, ficaremos mais refrescados que sob outra cobertura não vegetal. Isso se deve à irradiação constante que a árvore emite, e que abrange todo o seu redor, tal como nos mostra a figura abaixo.

 screenshot_2A energia vegetal tem também qualidades terapêuticas. É do conhecimento de todos, as propriedades medicinais e balsâmicas dos chás das ervas aromáticas. Neste caso, a substância extraída pelo aquecimento (calor) é a energia vegetal derivada da absorção da energia terrena que está condensada nas folhas, raízes e sementes dos vegetais. Esse tipo de energia vegetal não é irradiado, pois a sua origem não lhe dá condição física. Por isso uma raiz, ainda que passe muito tempo, conserva quase todas as suas qualidades terapêuticas.

São estes detalhes que escapam aos estudiosos das energias vegetais. Neles, temos um tipo de energia que é irradiante, e outro que é perene. Isso nos remete à energia cósmica (corrente contínua) e à energia universal (perene).

Verificamos que, até nos vegetais, temos as duas energias a se condensarem: a energia de origem aquática, por ter um pouco de aérea na sua formação, assume a polaridade negativa (neutrônica, irradiante), e a energia de origem terrena é o polo positivo (perene, estável, duradouro). Chegamos então, à principal utilidade da energia vegetal para o ser humano: com a energia irradiante podemos arejar um ambiente, o nosso campo espiritual e o nosso campo vibratório. Com a energia perene podemos curar certas disfunções biológicas, emocionais, energéticas e magnéticas. Por isso, quando nos alimentamos com vegetais (folhas, sementes, raízes e caules), nosso magnetismo se torna muito mais leve, e nosso corpo espiritual mais ágil e menos irritadiço.

A própria sutilização do nosso todo espiritual e físico tem muito a ver com o consumo de vegetais, que são energias condensadas. Quanto menos cozidos (calor), maior será a quantidade de energias disponíveis para absorção no processo de alimentação. Caso fossemos abordar todas as qualidades positivas da energia vegetal, certamente milhares de folhas seriam escritas, mas como estamos dando apenas uma leve noção das energias que compõem o nosso todo energético-planetário, acreditamos que o que foi dito, é suficiente.

Referência Bibliográfica

Saraceni, Rubens. O livro das energias. 1 Ed. São Paulo. New Transcedentalis. 1993

 

ENERGIA DESTRUIDORA

Como seres humanos, temos escolhas, logo podemos decidir se usufruímos em parte da energia destruidora ou a cortamos, quebrando a corrente.

Temos exemplos desta energia em nossa vida de forma positiva e negativa. Vamos lá:

Quando os pais precisam dizer NÃO.

Muitos têm a ideia de que não é negativo, assim acham que se precisarem dizer não irão se indispor com outrem, que falharão perante suas expectativas e também as alheias, mas o que realmente importa pra você? Dizer não é simples, mas será que está sendo dito no momento certo. Ou você está apenas se inundando com energia destruidora?

O silencio deixa a mente fervilhando e faz com que seu mental crie seus próprios monstros, assim você chega sempre em um limite, mas qual é o seu limite? As regras não foram feitas para serem quebradas, mas sim para serem RESPEITADAS. Logo se você não souber o seu limite, deixará a sua linha invisível dele expandir, uma pequena expansão faz parte do crescimento da vida, tiramos lição, porém sua expansão intensa não faz de você maleável ou bonzinho. Faz de você um ser DESRESPEITADO. Não basta apenas se impor, tem que fazer valer suas próprias regras, suas normas e sua verdade. Mas não de forma ferrenha ou ditatória. Se você respira respeito, expelirá respeito, não tem como suas ações discordarem do que você realmente é. E se isso está acontecendo com você, é porque primeiro você não se respeita, segundo porque o que você diz ser não condiz com que você realmente é, então se encontre!

Essa linha tênue e sutil do limite faz com que o NÃO se torne algo construtivo, assim a energia destruidora ela entra cumpre seu papel de forma positiva e sai pelo nosso organismo diferenciada e não viciada. Não basta dizer não, é preciso explicar o porquê dele.

O “sim” confirma, concorda, aceita uma condição ou situação que alguém ou algo externo a nós nos propõe, enquanto que o “não” expressa nossa liberdade de não querer ou de não concordar.

Você usando somente o sim, está disposto a arcar com todas as suas consequências, mas quais seriam elas?  Está disposto a se indispor consigo mesmo para não magoar alguém ou desfazer a energia de um ambiente quando ele lhe fere?

Ah mas a energia destruidora como seu próprio nome já diz ela vai nos corroer, nos destruir por dentro. Aí é que tá! Ela destrói sim, se você desrespeitar seus limites e deixa-la o invadir, com SIM ou com NÃO, ela entrará em seu corpo, invadirá suas entranhas, porém a quantidade e tempo de permanência quem determina é você!

Não conseguir dizer não, acarretará acúmulo de energias diversas, e quanto mais energia destruidora mais “- -“ e isso tem consequências, principalmente físicas, psíquicas e posteriormente psicossomática. Importante não ser egoísta, porque o egoísmo é o excesso de energia destruidora.

Resultado de imagem para PALAVRA  DESTRUIDORAOutro exemplo, é quando você se vê no meio do ciclo de uma fofoca, como você se comporta dentro deste ciclo, o inunda de energia destruidora ou dissipa-a. O ato de interromper uma fofoca mostra coragem, coloca respeito e quebra o ciclo, fazendo com que a energia destruidora se liberte do acumulo viciado e volte para o universo.

E um terceiro exemplo, é alimentação. Em todos os sentidos. Primeiro, quando não respeitamos nosso templo corpóreo. Segundo é uma referência as indústrias alimentícias que sabotam nosso combustível vital. Quantos venenos, agrotóxicos, e alimentos modificados em laboratório possuímos em casa? O índice de câncer na sociedade aumentando, assim como os índices de diabéticos, obesidade desde a infância e o descontrole de toda uma população por simplesmente não pensar e se deixar levar pelo chamado da energia destruidora?

Indo um pouco mais afundo e mexendo nas feridas, quando falamos em não respeitar seu templo, não fixa somente a comida, os vícios entram com tudo nesse ranking. Os vícios mais variados pertencem a uma cadeia de energia destruidora extremamente viciada energeticamente, que passa pelas sociedades como um furacão, levando cada vez mais, jovens aos consumos sem controle. Mas nesse ranking falamos de quais vícios? Todos, tabaco, cevada, entorpecentes, álcool, futebol, religião e política. Sim! Esses três últimos, são atingidos pelo fanatismo, e o que era boa vontade e diversão se torna uma bomba relógio, e o combustível desta bomba é a energia destruidora que leva ao fascínio e acaba com seus valores sem percepção.

O psicoterapeuta Bruno Carrasco nos presenteia com a seguinte frase: “Aprender a usar o “não” de maneira que nos valorize e que não desrespeite o outro é um grande desafio para nosso desenvolvimento”.

Vejamos o capítulo de Energia Destruidora do Livro das Energias de Rubens Saraceni:

Eis aí um tipo de energia muito especial. Onde se formar uma condensação muito grande dessa energia, algo de ruim acontecerá. Vejam que “próton” é sinônimo de estabilidade, ou positivismo, e, “elétron”, de instabilidade, ou negativismo. Estes são os dois polos energéticos do homem, da natureza, do planeta e de todo o Universo. Mas quando, numa pessoa, a combinação “- +” (princípio ativo e fim estável) se altera para “- -” (princípio ativo e fim ativo), a ação será constante, e essa situação irá perdurar enquanto a combinação não se esgotar, uma vez que são combinações negativas e altamente destruidoras.

O fenômeno se repete na atmosfera, provocando tufões, ciclones, furacões, vendavais, etc. Eles surgem da combinação de fogo e ar (“- -“). O calor (fogo) aquece o ar, e libera a água contida nos seus átomos. Estes se tornam mais leves (negativos), pois os elétrons são ativos (circulantes) e precipitam-se a grandes velocidades, criando as correntes aéreas de ordem totalmente negativas (“- -“), que são as ventanias.

Esse fenômeno se repete no interior do planeta, e causa terremotos e outras atividades de ordem sísmica. O calor interno alcança um veio de água, ou uma infiltração de água alcança o centro do planeta. O calor ataca a água, e libera uma onda energética de ordem negativa que irá evaporar (liberar) o polo negativo da condensação positiva água. Nesse polo, estão os elétrons dos átomos da água, portanto negativos.

Com isso, temos o aumento da pressão interna, e o aumento da temperatura, oriundo do aumento do número de elétrons liberados dos átomos da água. Os elétrons do fogo, somados aos elétrons da água, resultarão numa combinação formada por duas cargas eletrônicas de ordem negativa e altamente ativas (- -). Isso irá provocar um desequilíbrio no magnetismo do planeta, e um abalo sísmico será sentido na crosta terrestre (terremoto), ou na crosta marinha (maremotos), dando também início a vendavais, provocados pelo aquecimento do ar através da liberação do calor interno da massa terrestre.

Se observarmos bem, veremos que todos os dias são sentidos abalos sísmicos de baixas intensidades em algumas regiões. Eles se devem ao fenômeno de infiltração de água até o magma, ou à elevação deste até a crosta, e a consequente liberação de pressão do interior do planeta (calor = elétrons). Temos assim, a energia chamada de destruidora, ou “- -” (princípio ativo e fim ativo). Portanto, cuidado com seu equilíbrio energético! Não deixem que ondas de energias negativas Invadam seu todo energético e criem a combinação “- -“, que irá transformá-los em seres destruidores. Seres destruidores liberam energias destruidoras, expressas pelas ondas negativas da: Paixão, Inveja, Ódio, Cobiça, Revolta, Remorso, Volúpia, Desejos, Etc. Portanto, cuidado com essas ondas, porque depois de formada uma combinação “- -“, o resto do processo energético é todo negativo.

Fonte auxiliar:

http://www.tautonomia.com/2015/10/importancia-do-nao.html
Referência Bibliográfica:

Saraceni, Rubens. O livro das energias. 1 Ed. São Paulo. New Transcedentalis. 1993

Energia Quente

Os princípios e composição da energia fria também podem ser aplicados à energia quente, ou onda de elétrons (eletrônica). Energia quente é sinônimo de movimento (elétrons = energia negativa ou movimento), que quer dizer atrito, ou choque com outras ondas energéticas.

114

Quando um atleta corre, desloca seu corpo e capta maiores quantidades de energias negativas, pois acelera sua própria vibração energética, tomando-se mais receptivo a elas. Com isso, queremos dizer que, quando aumentamos nossa aceleração vibratória, diminuímos o comprimento das ondas negativas. Assim, estaremos nos capacitando a captar bilhões de elétrons que circulam pela atmosfera (ar = energia negativa = elétrons) livremente, à espera de que um núcleo (condensação energética = ser humano, ou matéria) o atraia, desde que entrem em sintonia vibratória.

seja-um-atleta

O atrito com os raios solares, mais os elétrons do ar, aumenta nosso calor, fazendo com que fiquemos impossibilitados de respirar compassadamente, uma vez que toda a estrutura sanguínea (aquática) foi alterada pela absorção de calor em excesso. Por isso precisamos absorver ar em maior quantidade, para que possamos sustentar esse novo padrão vibratório (mais quente) em nosso interior.

ducharse-agua-fria

Este padrão somente abaixará de imediato, se tomarmos uma ducha fria. O choque térmico de energia positiva (água) versus energia negativa (fogo), irá anular o calor (combustão do ar pelo fogo). Porém, se o choque for muito intenso, poderá abalar o equilíbrio energético-vibratório, e provocar o surgimento de alguma doença.

O mesmo ocorre na agricultura: se um fruto precisa de calor, e vem uma geada, o fruto não vingará, e o seu pé poderá até morrer. Tudo isso é energia quente! Os elétrons são partículas de origem cósmica, e portanto negativos.

geada_brunojoses

O fogo e o ar são desdobramentos do padrão vibratório da energia cósmica, também negativos. Uma geada é uma carga muito forte de elétrons (energia negativa e ativa). Dizemos então, que tal plantação foi “queimada” por uma geada. Se usamos o termo “queimada” para o frio da geada, é porque toda energia negativa (elétrons) queima. O atrito gera calor, porque os elétrons são ativados ao extremo. O fósforo é uma típica condensação energética negativa (nêutrons negativos e elétrons), que se incendeia ao menor atrito com algo mais duro, e se dissolve ao contato com algo mais mole. De fato, a geada queima pois, com a sobrecarga de elétrons (energia negativa) somada à de nêutrons (energia fria), a planta tem, num certo período da noite, todo o seu magnetismo (seiva = vida = magnetismo) alterado e desagregado. Sua seiva se condensa e destrói os canículos que a conduzem, matando suas células (energia positiva = água). Quando o Sol aquecer a planta com suas ondas curtíssimas de energia quente, essas não encontrarão a energia positiva (água) suficiente para resistir à sua invasão, e tudo irá secar. A planta foi ou não foi queimada pela geada, que destruiu sua estrutura energética de ordem positiva (estável)?

Bem, já deu para notar que alguém sobrecarregado de energia quente (elétrons) é um ser negativo que, se atritado (ativado) de forma contínua, irá incendiar-se como um fósforo, mas que, se lançado num meio mais mole, irá desagregar-se (dissolver seu calor).

Isto explica porque um líder carismático (magnetismo forte), guiado pelo polo positivo de sua origem energética negativa, que se desdobra pelo bem estar dos seus liderados, somente se sente bem (estável) quando todos estiverem bem também. Não se esqueçam que, ser de origem ou ordem negativa não significa ser ruim, pois tudo deriva da energia divina. Em função disso, a energia negativa, aqui abordada como energia quente, é apenas mais um dos desdobramentos da energia cósmica, ou o polo negativo de Deus, enquanto energia. Mas também não se esqueçam que, quando abordamos a energia ígnea, comentamos que ela partia em duas direções simultaneamente, podendo ter um princípio ativo e fim estável (- +), assim como um princípio ativo e fim ativo (- -), sendo que este último é destruidor.

Estudo do Livro das Energias de Rubens Saraceni

ENERGIA FRIA

No livro das Energias de Rubens Saraceni ele nos ensina sobre a energia fria, vamos conhece-la:

A energia fria é caracterizada por ondas muito lentas e hiper carregadas de átomos neutros. Logo, nós a relacionamos com os nêutrons. Não é por acaso, que um átomo tem em sua composição prótons, elétrons e nêutrons. O magnetismo é frio, estável e poderoso, a ponto de paralisar um magnetismo mais fraco que caia sob sua atração energética. Um ser dotado de forte magnetismo assume a liderança de um grupo, e se impõe com extrema facilidade. Um corpo celeste faz o mesmo, assim como um núcleo atômico, que captura elétrons em função do seu magnetismo.

Tudo o que cair sob sua órbita (magnetismo), perde a liberdade, e passa a ser prisioneiro do seu poder (energia magnética). Um átomo somente é poderoso, se seus nêutrons forem de ordem positiva! Os nêutrons possuem dupla polaridade. Num átomo negativo, seus nêutrons são positivos, porque somente assim haverá uma agregação perfeita no núcleo. Ocorre o inverso num átomo positivo. Falta muito para que os cientistas cheguem a conhecer em profundidade a estrutura molecular atômica.  Por enquanto, são conhecidos apenas seus princípios mais rústicos, sendo que seus princípios mais sutis, permanecem incógnitos.

Mas o tempo a tudo soluciona, e chegará o dia em que até esses princípios serão descobertos. Aí poderão construir as tão sonhadas naves interestelares compostas de ligas ultra resistentes (somente positivas) e movidas a energias ultra econômicas (somente negativas).  Poderão decompor totalmente uma condensação energética em qualquer parte do Universo (matéria), e fabricar oxigênio ou água, tão necessários à sobrevivência da espécie humana. Mas isso é algo que somente o tempo poderá solucionar. Enquanto isso não ocorre, vamos conhecer um pouco mais sobre a energia fria.

Como dissemos no princípio, a energia fria é composta de ondas de comprimento muito grande, onde uma infinidade de nêutrons são arrastados por todo o Universo. No vácuo, na corrente contínua de energia cósmica, elas predominam, e por isso ele é tão frio.  O frio do vácuo é insuportável para qualquer habitante da Terra, e mesmo de outra formação planetária, pois ali as ondas não se medem em ciclos, mas em mega ciclos. No vácuo, tudo é imenso, e uma curva de onda fria tem muitos metros de comprimento. Comparando o comprimento de uma onda fria com uma onda de rádio, nós chegamos a isto:

As ondas de energia fria não são captadas pelos aparelhos mecânicos humanos por dois motivos:

  • 1° – Possuímos apenas aparelhos que captam ondas positivas ou negativas, e não as ondas neutras (neutrônicas);
  • 2° – O princípio neutrônico como energia magnética é totalmente ignorado pela ciência humana.  Como vemos, muito ainda é desconhecido pelo homem em seu próprio planeta. O que dizer então, da estruturação do Universo, enquanto energias?

O polo neutro de uma corrente de energia elétrica tem correspondência com a energia fria que estamos descrevendo: se a corrente positiva tem uma onda maior que a negativa, a corrente neutra tem o comprimento da soma das duas, elevada à décima potência.

Logo:

C.O.E.F. = (C.O.P. + C.O.N.),  Onde: C.O.E.F. = Comprimento de Ondas de Energia Fria

C.O.P. = Comprimento de Ondas Positivas C.O.N. = Comprimento de Ondas Negativas,  Ou se usarmos números escolhidos ao acaso, chegaremos a:  C.O.E.F. = (l00 + 10)10.

A onda positiva é o quadrado da onda negativa. Por isso, é no polo positivo que menos sentimos a força (energia) de uma corrente elétrica. No polo neutro nada sentimos, porque as ondas da energia fria (neutrônica) são muito maiores que a humana, que também é menor que a onda positiva da energia elétrica. Já a onda negativa é menor que a humana, e por isso ela nos atinge com tanta intensidade. Isso elucida o princípio segundo o qual “o maior passa pelo menor, sem alterá-lo”, pois o envolve, ou vibra, num padrão superior. O mesmo não ocorre com o menor, que não passa por um maior sem alterá-lo. A energia fria é fria, porque ela não possui elementos positivos ou negativos (carga), já incorporados ao nosso todo espiritual e físico. Mas, se num capítulo anterior falamos que os raios do Sol têm ondas que, ao se refratarem no cinturão celestial, chegam até nós como energia quente (calor) somente nas faixas de captação central, o mesmo não acorre nos polos (extremos do planeta), onde o magnetismo (positivo e negativo) está mais concentrado. Ali o magnetismo planetário absorve os nêutrons (energia fria) que nos são enviados pelos raios solares.  Já falamos que o magnetismo mais forte absorve o mais fraco. Por isso, é nos polos magnéticos que os nêutrons que nos chegam do Sol, através de sua energia luminosa, são captados. Em função da inclinação do eixo magnético, as ondas luminosas chegam assim:

Essa inclinação permite que a onda fria seja refratada pelo cinturão de energia celestial, e que nosso planeta receba o terceiro componente do todo atômico, que são os nêutrons. Estes alimentam com seu magnetismo e equilíbrio, os elementos positivos (Água e Terra) e negativos (Fogo e Ar) do nosso amálgama energético, em contínuo processo criador (Vida).

Sem a incidência das ondas de energia fria carregadas de nêutrons, a vida como nós a conhecemos não seria possível, pois é essa corrente que fornece a energia neutra que separa os padrões vibratórios das diversas energias, e impede que nossos órgãos se desagreguem com a invasão de energias viciadas, ou de padrão (ondas) maior ou menor. Logo, temos na nossa energia neutra apenas uma adaptação (desdobramento) da macro energia fria. Sentimos frio, é porque há muita concentração de nêutrons no ar (ondas neutrônicas), e poucos elétrons (ondas eletrônicas). Se sentimos pouca receptividade a uma ideia exposta num auditório lotado, é porque ela era de natureza fria (neutrônica), e “esfriou” os ouvintes. Mas se ela for de natureza quente (eletrônica), o auditório não só ficará atento, como será envolvido totalmente por ela.

Esse é o princípio adotado por políticos, advogados, pastores evangélicos, artistas, etc., etc., etc. Todos emitem ondas de energia negativa (elétrons = ação), e não só despertam a curiosidade, como acabam envolvendo nas suas ondas, os seus ouvintes. O som é Ar (negativo), e a imagem é Terra (positivo). Logo, quem com o som criar uma imagem sólida (princípio negativo e fim positivo) fatalmente irá ter grande magnetismo, atraindo aqueles de magnetismo inferior.

Terá uma multidão à sua volta, e será elevado às alturas como um semideus. Será que ficou claro como são e como agem as energias, quando transportadas ao ser humano?  Então, não sejam energias frias para não serem absorvidos por condensações positivas ou negativas.

Se o fizerem, perderão o fictício e mitológico “livre arbítrio”, ou se tomarão insensíveis: à dor, ou ao amor, ao prazer, ou ao ódio, ao desejo, ou à vida. Entendam, tanto no macro quanto no microcosmo, o que é energia fria e deixem de ser neutros, pois ela é sinônimo de ação vibratória muito lenta e de comprimento muito grande. Seria como ter uma boa ideia hoje: e somente tomá-la realidade muito tempo depois, quando ela não fizer mais sentido.

Nosso resumo e uma equação hipotética para compreensão:

img_2208

Fonte: Livro das Energias – Rubens Saraceni

CENTRO DE DESENVOLVIMENTO E ESTUDO ESPIRITUAL