Energia e Fluído

Este material que apresentaremos daqui em diante, junto faz parte do material de apoio e acompanhamento a literaturas que serão debatidas em grupo no estudo físico do CENDEE, compilamos alguns trechos de livro, bem como pesquisas em sites. Trazendo um material a você leitor um estudo minucioso que tem como missão trazer esclarecimentos e quebrar preconceitos envoltos a mediunidade, bem como o despertar dela.

No primeiro Capitulo esmiuçaremos sobre Energias e todos os meios conhecidos e debatidos nos livros: O Livro das Energias de Rubens Saraceni, Aglon e Os Espíritos do Mar – do Espírito Júlio Verne, psicografado por Rafael Ranieri; Energias – autoral de Robson Pinheiro. Bem como pincelado na Gêneses de Allan Kardec e A Evolução em Dois Mundos – Pelo espírito de André Luiz, psicografado por Chico Xavier.

*Todos os sites e fontes de pesquisa serão declarados um a um ao final de nosso material no ultimo capítulo.

Sendo assim, nosso intuito é o de juntar em um local só tudo que se pode observar e sentir em torno de mediunidade e tudo que a circunda;

Bem vejamos, para compreender como a mediunidade começa primeiro precisamos conhecer tudo antecessor a ela, sim! antes, começaremos falando sobre energias, desvendado junto ao Saraceni e ao Pinheiro todos os tipos e onde elas atuam…

Capítulo I – Energias

A palavra energia deriva do nome grego enérges, que significa atuar.  No livro Energia[1] Robson nos dá uma ideia profunda sobre energia, o livro autoral passa ser nossa base neste estudo que se inicia a partir de agora.

Assim sendo, a energia, em qualquer de suas manifestações, refere-se a algo real, efetivo, embora nem sempre perceptível, mas que atua de forma concreta no universo, produzindo efeitos variados.

Einstein (1879 – 1955) nos deduz energia: “A matéria é energia em estado de condensação, a energia é matéria em estado radiante”

[1] Energia, Novas Dimensões da Bioenergética Humana – Robson Pinheiro, orientado pelos Espíritos Joseph Gleber, André Luiz e Jose Grosso

Qual a diferença de energia e fluído?

Energia x Fluido

A palavra energia aplicada em vários segmentos, pode apresentar diversos significados mas, aqueles que a utilizam, nem sempre tem a preocupação de utilizá-la corretamente ou conhecer seu verdadeiro significado.

Ela pode ser interpretada como vigor, como na frase: ‘as crianças possuem muita energia!’. Também pode expressar autoridade: ‘o comandante dirige seus soldados com energia’.

No campo das Ciências, particularmente na Física, define-se Energia como sendo a “capacidade de realizar trabalho”.

Já a palavra “fluido” é raramente utilizada e, quando a utilizam, é pronunciada como ‘fluído’, que na verdade é o particípio passado do verbo fluir. Define-se fluido como sendo todo elemento ou substância que não tem forma própria. São considerados como fluidos os líquidos e os gases. Há outros mais sutis, como o fluido elétrico e o fluido magnético.

Assim como temos fluidos materiais, que fazem parte do nosso dia-a-dia, também há fluidos de natureza espiritual.

Os fluidos materiais são manipulados pelo próprio ser humano de inúmeras formas, conforme as necessidades para manutenção da vida física: na elaboração dos alimentos, na composição de medicamentos, na utilização de aparelhos eletroeletrônicos, entre outros.

Já os fluidos de natureza espiritual são manipulados pelos Espíritos, e essa utilização não depende do seu nível de evolução; tanto os Espíritos superiores quanto os inferiores, manipulam fluidos espirituais. Nós não podemos ver esses fluidos, mas podemos sentir seus efeitos pela agradável ou desagradável sensação que nos proporcionam.

A doutrina chama, pois, de fluido, a matéria que para nós encarnados é imponderável com o intuito de diferenciar a nossa matéria física ponderável da matéria extrafísica, imponderável.

Infelizmente no meio espírita, o uso da palavra ‘energia’ também se espalhou. Encontramos, com frequência, expressões como: energias positivas e negativas, doação de energias, centros energéticos, energias descompensadas, etc. É muito comum, por exemplo, dizer que o passe é uma “transfusão de energias”. O correto é dizer que o passe é uma transfusão de fluidos de natureza superior, que irão auxiliar no equilíbrio espiritual, mental e também físico de quem o recebe.

O que seria de Kardec e da Doutrina caso tivesse optado por não se preocupar com o aspecto científico contido nos ensinamentos que recebia da Espiritualidade?

Não deve passar desapercebido, para quem estuda com profundidade, que ele não empregou a palavra ‘energia’ em nenhum de seus livros, nem na Revista Espírita. Em sua quinta e última obra “A Gênese”, ele dedicou um capítulo para tratar especialmente dos “Fluidos” (Capítulo 14).

O Espírito André Luiz, pela psicografia de Francisco Cândido Xavier, também tratou dos fluidos na obra “Evolução em dois mundos”. Já no capítulo 1 da Primeira Parte, ele trata do ‘Fluido Cósmico’ e, no Capítulo 13, ele trata da ‘Alma e Fluidos’.

Esses temas são trabalhosos e, devido à sua dificuldade, oferecem uma resistência muito grande para o seu estudo nas casas espíritas. Sem dúvida, a questão é complexa e profunda, mas isso não impede que se aprenda, com Kardec, a utilizar os conceitos espíritas de forma correta.

Muitos poderão contestar dizendo que Jesus também não disse nada a respeito desse assunto. Disse sim, e várias vezes! Mas, adequando seus ensinamentos à capacidade de compreensão das pessoas daqueles tempos, Ele utilizou essa verdade sublime através de um conceito que Ele destacou com ênfase: a fé. Dizia Ele aos que recebiam a benção da cura de seus males: ‘a tua fé te salvou’; ou aos que se sentiam sobrecarregados pelo sofrimento: ‘se tiverdes fé do tamanho de um grão de mostarda…’!

A fé, capacidade de confiança no poder divino, semente que todos podem desenvolver, foi enfatizada por Jesus em muitos de seus ensinamentos, mostrando o grande poder de atração que ela possui, em benefício de quem a soubesse aplicar com sabedoria. Kardec, em O Evangelho segundo o Espiritismo (Cap. 19, item 5) também citou a fé, como poderoso fluido magnético, isto é, com grande poder de atração, dizendo que ‘graças a ela, o homem age sobre o fluido, agente universal, modifica-lhe as qualidades e lhe dá impulso por assim dizer irresistível.’

Cap. XIX – 5. O poder da fé se demonstra, de modo direto e especial, na ação magnética; por seu intermédio, o homem atua sobre o fluido, agente universal, modifica lhe as qualidades e lhe dá uma impulsão por assim dizer irresistível. Daí decorre que aquele que a um grande poder fluídico normal junta ardente fé, pode, só pela força da sua vontade dirigida para o bem, operar esses singulares fenômenos de cura e outros, tidos antigamente por prodígios, mas que não passam de efeito de uma lei natural. Tal o motivo por que Jesus disse a seus apóstolos: se não o curastes, foi porque não tínheis fé.

Recomenda-se portanto, muita cautela no emprego desses dois conceitos: energia e fluido. Importante analisar as obras espíritas, sobretudo as da atualidade, para verificar até que ponto os autores estão comprometidos com os aspectos científicos da Doutrina, e buscando a evolução dos estudos.

Energia e fluido são estados distintos da matéria sutil e quintessenciada. O fluido é o estado mais elementar, mais simples; a energia já é uma diferenciação do fluido e que pode manifestar-se sob vários aspectos: elétrica, gravitacional, magnética, eletromagnética etc. Essa mesma energia vai mostrar-se como mecânica, potencial, cinética etc.

Tudo o que existe no Universo, com exceção dos princípios inteligentes, é energia.  Essa energia se manifesta em diferentes padrões vibratórios, e é essa diferença que caracteriza os diferentes estados da matéria. Quanto menor a frequência de vibração de suas partículas constituintes, mais adensada se torna a matéria, e quanto maior a frequência de vibração, mais etérea ou quintessenciada ela se torna.

Tomando como referência a nossa dimensão física, temos, por exemplo, a matéria no estado sólido, cujos elétrons têm uma frequência de vibração mais lenta. Já no estado líquido, os elétrons vibram a velocidades maiores. No estado gasoso, nossa matéria física encontra-se em estado mais etéreo que nos outros estados, pois suas partículas têm uma frequência de vibração maior. Poderíamos dizer que os gases são substâncias fluídicas em relação aos líquidos e sólidos.

Na dimensão espiritual ocorre algo semelhante. Podemos tomar como exemplo o perispírito ou corpo espiritual. Quanto menos evoluído moralmente for o espírito, mais denso ele se apresenta. Nesse caso, as suas partículas elementares vibrarão numa baixa frequência em relação às partículas elementares do corpo espiritual de um espírito moralmente superior, cuja tecitura será muito mais fluídica, eterizada ou quintessenciada em relação à de um espírito moralmente inferior.

Resumindo, o termo fluido diz respeito ao grau de eterização da matéria e a matéria nada mais é do que a energia condensada. A luz é energia. Todavia, ao se diminuir a velocidade de vibração de um fóton, este transforma-se em um elétron, ou seja, a nossa matéria física nada mais é do que luz condensada ou coagulada. E vice-versa, ou seja, ao se acelerar um elétron através de um acelerador de partículas a velocidades próximas da luz, este se transforma em um fóton. Dessa forma, a matéria física também poderia ser convertida em luz.

No próximo post continuaremos falando sobre tributos de energia..

https://cendee.wordpress.com/2016/02/26/atributos-de-energia/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s