Arquivo da tag: energia viciada

ENERGIAS VICIADAS

Esta energia é a mais vivenciada, praticada e compartilhada no mundo.

Quando nossos defeitos vêm aflora, quando nos perdemos e no impulso sem consciência nossos atos dão um ato sombrio a nossa personalidade.

Todo ser humano vive a energia viciada e vicia as demais energias que interagem com seu organismo. Como o próprio nome diz, trata de todos os vícios que alimentamos, sejam psicológicos ou físicos.

Vamos primeiramente abordar o tema vícios, depois vamos falar da energia viciada em si por Saraceni.

Tem muita gente viciada que não se deu conta, isso mesmo, acha que controla suas ações, porém todos os dias praticando os mesmos atos, se torna vicio. Quando falamos de energia viciada, basta cometer os mesmos atos por 7 dias, pronto, o cérebro registra. Mas para reverter esta programação, e tornar essa energia viciada em virtuosa o mínimo de repetição são 21 dias.

Tratamos por vício, o uso contínuo de eletrônicos e seus meios de informação (celulares, televisores, computadores, tablets, etc.), alimentação e bebidas (fast-food, álcool, etc.), Jogos (cartas, caça níquel, futebol, videogames, etc.), pornografia (de todas as formas), o fanatismo (religioso e político) e os próprios entorpecentes.. Todos estes vícios utilizam o meio de fuga mental e caem na malha energética sutil e grudenta chamada triplo x. A fuga sempre parte da própria pessoa, com o passar do tempo, o vício se instala na sua programação mental e a partir daí inicia o processo de obsessão complexa junto ao programa obsessivo chamado fascinação, que inverte os valores de forma sutil, sem que o individuo perceba que está confinado no vício.

Saraceni descreve esta energia da seguinte forma:

 Energias viciadas são opostas às energias virtuosas.

Resultado de imagem para virtudePortanto, se falamos nas energias luminosas, não podemos deixar de abordar suas opostas, ou sem cor. Uma energia viciada nada mais é que a vivência de um princípio viciado. Eles são sete na origem, e milhares no meio. Eis alguns: Ódio, Inveja, Soberba, Ambição, Paixão, etc.

Pois bem, quando despertamos tais princípios (sentidos) em nosso todo espiritual, o oitavo canal, aquele da corrente contínua de energia cósmica, nos energiza até a máxima capacidade de absorção que tivermos. Se não dermos vazão a esse acúmulo, somente conseguiremos neutralizá-lo com o aumento de absorção de energias virtuosas. Como a vasão se processa de forma negativa (dor, tristeza, lamentos, mágoas, etc.), recomendamos sua neutralização, pois assim os desejos se transformarão em vontades.

screenshot_9

As vontades são as alavancas que impulsionam o homem para a frente, e para cima. Um ser humano, quando desperta em seu emocional as vibrações de um princípio viciado, coloca-se em desarmonia total, e passa a acumular mais e mais energias negativas, que o lançarão no desequilíbrio extremo. Um ser que desequilibra seu racional devido à insistência em vivenciar os tais princípios viciados, e não quer voltar à razão (energia virtuosa), irá descer no padrão vibratório, até chegar a um ponto onde vibrará em seu todo espiritual somente a dor, a energia negativa que nos chega através do canal de absorção de energia cósmica, mais baixa e difícil de ser suportada.

screenshot_8

Notem que, o canal de absorção dessa energia entra no topo da cabeça, e sai pelo ponto de força localizado nos órgãos sexuais. Logo, se um princípio viciado não for ativado, ela não se acumulará no emocional, que capta apenas as energias do princípio que estiver vibrando. Essas energias entrarão, nos energizarão, e sairão sem causar dano algum. Mas, caso somente um princípio viciado esteja vibrando no emocionai, a energia que preenche o seu padrão irá inundar e viciar por inteiro o indivíduo, ativando as energias humanas e físicas, até um ponto em que elas se esgotem por completo na vivência do princípio alimentado pelas energias viciadas.

Observem com atenção este detalhe de suma importância: o ser humano incorpora ao seu todo espiritual, energia humana (carnal) e energia física (elemental), Caso um princípio viciado se instale em seu emocional durante sua passagem pela carne, ele irá vibrá-lo até que se esgote, até que toda energia humana e toda energia física sejam neutralizadas pelas energias virtuosas. Somente assim ele deixará de pulsar, tanto na carne quanto em espírito, aquele padrão energético viciado.

Pois bem, é isto! As energias viciadas não existem, assim como não subsistem, por si só. Para que isso aconteça, o emocional deve estar vibrando um, ou vários princípios viciados. Se isso não ocorrer, elas sairão tão silenciosamente quanto entraram em nosso todo físico e espiritual.

Apenas com estas explicações, poderíamos colocar por terra todas as absurdas teorias criadas a respeito de Deus (Luz) e do Diabo (Trevas): se Deus é a Virtude (energias virtuosas), e o Diabo é o Vício (energias viciadas), fica claro que ambos se instalam em nós apenas se vivenciarmos, ou princípios virtuosos, ou princípios viciados. Assim, teríamos apenas dois fios (canais) a nos energizar, sem maiores danos: o prateado (energia universal) e o escuro (energia cósmica), que chegam ao topo de nossas cabeças, e dali irradiam-se pelos nossos corpos carnal e espiritual.

Mas, como não é possível libertar as coisas religiosas dos princípios viciados que em todas as religiões existem, dizemos o seguinte: É muito mais agradável aos olhos de Deus, o ser humano que não é religioso, mas é virtuoso, que o ser humano que é religioso, mas é viciado.

Referência Bibliográfica

Saraceni, Rubens. O livro das energias. 1 Ed. São Paulo. New Transcedentalis. 1993

Anúncios

ENERGIA NEGATIVA NO SER HUMANO

Esta energia é a chave de toda a ação no Universo. Sem ela nada tem ação, ou evolução.
Se no macro ela é a energia cósmica, no ser humano ela é muito mais difícil de ser abordada: tanto pode ser a corrente contínua que alimenta o ódio contra semelhante, quanto o ato de lutar pela própria vida. Se ela é assim, é devido ao padrão vibratório da energia universal. Se a energia universal, quando absorvida por um ser humano, o torna calmo, contemplativo, introspectivo e de pouca ação, a energia cósmica existe exatamente para alterar esse estado de coisas. Do contrário, seríamos como ursos que se alimentam no verão, e dormem no inverno. Sempre que algo impede o ser humano de se movimentar, o acúmulo de energia negativa o deixa irritado, nervoso e ansioso por ação.

Temos que observar o lado bom da energia negativa, antes de formarmos um preconceito sobre ela. Ela existe para equilibrar, neutralizar e vitalizar a energia positiva, ou universal; sem ela, tudo vibraria numa intensidade igual à energia divina. Repito: precisamos observar o seu lado positivo! Se no espaço sideral, ela é a energia cósmica, no ser humano ela é uma energia incorporada ao seu todo espiritual durante sua evolução dual. A partir deste estágio, o ser antes original (universal), passou a odiar, matar, desejar, ambicionar, invejar, etc.

Essas são vibrações afins com a energia cósmica, que alimenta o ser humano por um fio, ou cordão mental, que se perde no interior do vácuo sideral. Ninguém jamais ousou segui-lo, e se alguém tentou tal coisa, jamais voltou para contar suas descobertas. Certamente foi absorvido por ela. Porém, no ser humano, ela não representa apenas os vícios originais que citamos, mas também a força que impulsiona o homem para novas conquistas, não o deixando aquietar-se por muito tempo. Se um homem está desanimado, ele absorve apenas uma onda vibratória da corrente contínua que lhe chega pelo cordão mental. Esta onda volta à corrente contínua de energia cósmica pelo cordão que lhe sai pelo órgão sexual.

Vamos explicar melhor essa corrente contínua que circula pelo ser humano, para que não fiquem dúvidas. Este não é nosso desejo, pois queremos que todos a compreendam.
Vejam que o processo nada tem a ver com os chákras (pontos de força), uma vez que apenas os órgãos supra físicos e espirituais são irrigados.

O cordão mental negativo, ligado durante os estágios de evolução dual do ser humano, alimenta o mental inferior, ou negativo, que todos nós possuímos, e faz com que sejamos seres de dupla polaridade (positivos e negativos). Isso possibilita a evolução em meio a amálgamas energéticos, tornando-nos aptos a absorver energias viciadas tendo um meio de descarregá-las, sempre que a absorção ultrapassar um nível suportável para o nosso corpo espiritual. O cordão nos chega do infinito, onde a energia cósmica é corrente contínua. Ela nos irradia por inteiro, e depois é lançada no solo, onde uma corrente contínua negativa, de ordem planetária, a absorve, enviando-a ao polo negativo do planeta, onde é lançada de volta à corrente cósmica (negativa).

Screenshot_3

Vejam que o fio, ou cordão mental, sai do solo e após nos irradiar, volta ao solo.
Isso acontece porque a energia cósmica não entra pelo alto (ar). Ela não pode ultrapassar o cinturão de energia celestial, mas tem no polo negativo do planeta um imenso canal por onde entra, irradia todo ele, saindo posteriormente, pelo mesmo polo. Ela faz este movimento:
Screenshot_5Ela entra pelo sul, alcança o norte e depois retoma, muito mais carregada de viciações planetárias, para o canal de descarga extraterrestre. Depois é lançada no vácuo sideral, onde será recolhida pela corrente contínua que circula incessantemente por todo o Universo.

O mesmo processo se realiza no ser humano (homem e mulher). Como nela estão as energias (vibrações) dos vícios (energias negativas), estes, se intensificados, passam a ser absorvidos em maior quantidade pelo emocional, racional e pelo consciente, além do mental negativo, que irá expandir sua capacidade vibratória para ressonar os princípios negativos que o emocional irá despertar em função da falta de controle por parte do racional e da consciência, que também serão hiper-irradiados com o acúmulo de energias negativas.
O emocional é como um alto falante numa caixa acústica: o mais fraco sinal é, por ele, elevado em muitos decibéis. Logo, a intensificação de uma vibração negativa irá provocar a captação de muito mais energia negativa (cósmica) em todo o ser daquele que receber tal sinal, e absorvê-lo em seu emocional.
Uma ofensa, é um sinal energético de ordem negativa, que se acolhido pelo emocional, fará com que este vibre intensamente, demandando uma maior de energia negativa para fazê-lo ecoar (vibrar) até o mental superior.

Como este não aceita energias (sinais) viciadas, devolve-o num processo rapidíssimo. Em instantes, o mental negativo o estará acolhendo, e ressonando o princípio viciado de reação a um sinal de ofensa. A partir daí, ele passa a absorver imensas quantidades de energia cósmica, inundando todo o ser espiritual, que tem ascendência sobre o corpo físico, e que passará a vibrar o princípio despertado: “para descarregar uma ofensa, somente uma reação mais vibrante!”

Segue-se que o ofendido agride o ofensor, e se o massacra, seu emocional fica livre do sinal negativo (ofensa), passando a dar ressonância a um outro sinal suportável: a auto satisfação por não ter levado desaforo para casa. E não importa se poderia ter dado vazão a uma ordem do tipo “- +” à ofensa, pois preferiu a ordem “- -“.
Os sinais podem nos chegar negativos, mas o nosso todo espiritual pode dar-lhes descargas positivas, caso tenhamos consciência disto, e saibamos como fazê-lo. Do contrário, se não lhe for dada vazão ele ficará vibrando para sempre no emocional e no mental inferior.  Se existem dúvidas quanto a isso, consultem uma pessoa que foi ofendida. Ou espancada por alguém mais forte, e não pode dar vazão (reagir) ao Sinal recebido pelo emocional (agressão). Ele poderá estar com 50 anos e ter recebido o sinal aos 10 anos, mas dirá que nunca esqueceu aquilo, pois o sinal vibra sem parar em seu todo espiritual. Jamais essa pessoa esquecerá que um dia foi agredida e não deu vazão às energias (sinais) recebidas. Essas energias estão no seu emocional à espera de uma descarga.

Alguns crescem e treinam esportes violentos onde tentam dar vazão a elas: mas o que conseguem é tornarem-se violentos, sem que deem vazão ao sinal um dia recebido e não descarregado contra o seu emissor.
Screenshot_4Os orientais (japoneses, chineses, coreanos, etc.), que têm uma educação para formação do seu caráter baseado em moldes negativos têm por regra “nº 1”, acumular meios (força, poder, astúcia, etc.) através do desenvolvimento das artes marciais (canalização e desprendimento correto da energia). Este molde se estende por todas as doutrinas de suas sociedades, e acaba por formar um corpo coeso contra o estrangeiro. Quando os cientistas sociais falam em um modelo japonês, deveriam dizer modelo negativo de formação do caráter nacional”, pois são modelos “–” ou “+ -“, e não pulsam na energia universal, mas tão somente na energia cósmica Ou será que o excesso de atividade não é negativo (cósmico) em sua origem (modelo)?
Pois é isso! A energia negativa entra pela coroa mental (coronário) e desce pelo órgão sexual. No homem, sua parte externa (cordão) sai da glande do pênis, e desce até o solo, onde é absorvida pela terra. Ali circula uma corrente contínua, alguns centímetros abaixo do nível visível. Na mulher, o cordão sai do seu corpo espiritual pelo órgão chamado clitóris, e desce até o solo, onde irá integrar-se à corrente contínua negativa planetária.

Bem, como são os dois únicos canais de saída da energia negativa (cósmica), são eles os dois pontos mais excitáveis da libido e também os únicos que dão vazão às energias (sinais) emocionais que vibram incessantemente (desejos) nos seres humanos. Qualquer outro tipo de atrito energético (estímulo) não causará uma descarga do acúmulo de vibrações energéticas intensificadas pelo emocional, porque não estarão centrados sobre as válvulas naturais de descarga do acúmulo de energia cósmica absorvida com a intensificação dos sinais recebidos pelo emocional (estímulos visuais, sonoros, táteis e olfativos).

O emocional, recebendo os sinais, vibra como uma corda de violino. Essa vibração tem o poder de alterar o padrão vibratório do todo espiritual e, em função de sua intensificação, pode tomar o ser receptivo a uma maior entrada de energias. Elas tanto poderiam ser positivas, quanto negativas, como aquelas que nos chegam da corrente contínua de energia cósmica que circula por todo o Universo. Das positivas, ou virtuosas, falaremos mais adiante. Por enquanto, estamos abordando a energia negativa (cósmica), e seu canal (cordão) de entrada no planeta e no ser humano.

A energia cósmica nos chega através da coroa e sai pelo órgão sexual. Saibam que os cordões energéticos oriundos da energia divina (universal e cósmica) só nos chegam sem viciação alguma (desdobramentos) por esse meio. Os chakra captam não o tal “prana universal”, mas tão somente os desdobramentos dos polos positivo e negativo da energia divina. Dos seus choques energéticos, deu-se a origem e sustentação do nosso planeta, e tudo o que dele derivou.
Os chákras absorvem energias derivadas desse amálgama, composto pelos quatro elementos originais que formam nosso meio energético. O “prana universal” não é aquilo que imaginam, porque não é absorvido pelos chakra. Ele é a energia divina, que nos chega pelo cordão mental, que tem a cor branca cintilante, e nos liga ao mental divino.
Já os cordões coloridos, são a expressão colorida das virtudes divinas, ou o arco-íris sagrado. As energias coloridas absorvidas pelos pontos de força (chakra) são condensações coloridas, energizadas, magnetizadas e luminosas (as E.V.M.L.C.) que são a “quinta essência” energética planetária. Se alguém absorve mais energia azul, é porque absorve quintessência onde Água predomina. Se é rósea, violeta ou dourada, é o Fogo que predomina, e assim por diante.
O fio “negro” que chega ao nosso mental, e sai pelo órgão sexual traz a energia cósmica em corrente contínua. Ele traz em si, a força e a ação, características suas. Mas também traz a energia que alimenta os sete vícios originais, que se contrapõem às sete virtudes, e nos mantém ligados ao nosso mental negativo, ou inferior. Logo, se odiarmos, estaremos tirando da corrente contínua as ondas energéticas que alimentam o ódio; se ficarmos com remorso, lá também encontraremos a onda exata que o alimentará, enquanto não o eliminarmos do nosso emocional. E assim por diante! Quando alguém falar em energias, chákras, cores, luminosidade vibrações e magnetismo, procurem refletir melhor sobre o assunto e compreendam quais são as verdadeiras fontes divinas de energias. Evitem as teorias que nada explicam, e que deixam aqueles que com elas aprendem, mais confusos do que estavam antes de conhecê-las; teorias que confundem o meio com a origem, e a origem com o fim; teorias que falam em poderes da mente, quando desconhecem a origem das energias que alimentam esses mesmos poderes.

Não basta mentalizar uma cor, para que se tenha poderes mentais! Os poderes mentais originam-se nas virtudes ou nos vícios originais, os quais todos trazemos em nosso mental positivo e negativo, desde nossa origem. Quando amamos alguém, estamos enviando a esse alguém, constantemente, vibrações energéticas de amor, ou cor azul energizada, ou energia azul magnetizada pelo nosso magnetismo aquático, que é o que sustenta o amor; quando odiamos, estamos enviando luz rubra energizada, ou energia rubra magnetizada pelo nosso magnetismo ígneo, que é o que sustenta o ódio (consumismo energético). Procurem saber ao certo o que são graus vibratórios, e o que é a energia divina em suas infinitas formas de vibrar em ondas que começam do zero, e avançam até o infinito do Universo.

Não se deixem levar por quem conhece apenas o meio, e desconhece a origem e o fim do ser humano. Pois é isso que muitos “sábios” vivem procurando: o acesso às suas origens, e a seus fins. Conhecendo apenas o meio, só podem dar aos seus discípulos a fé e o conhecimento incompletos, que acabam por se completar através de seus apelos fanáticos e misteriosos.

Se estamos um tanto cáusticos, é porque são muitos os falsos “sábios mestres”, que nada dão de estável (sólido) aos seus discípulos, além da fé fanática num Deus implacável. Deus não é isto! Ele é puríssima energia divina que pulsa em todo o Universo, em todos os planos e todas as dimensões. Logo, Ele é tão estável quanto o zero absoluto. Se realmente quisermos estar com Ele, teremos que alcançar o padrão vibratório do zero absoluto. Fora disso, apenas estaremos em vibração positiva, ou negativa, contida, ou no Seu paio negativo (cósmico), ou no Seu polo positivo (universal).

Um exemplo do zero absoluto, é a imagem do Budha; outro símbolo que representa os sete cordões luminosos das virtudes originais é o castiçal de sete braços dos judeus ainda que, mesmo eles, já não saibam, nos dias atuais, o seu real simbolismo místico, que se perdeu devido às aflições que se abateram sobre seu povo durante o cativeiro na Babilônia. Desde então, o verdadeiro sentido místico do simbolismo do castiçal de sete braços foi sendo perdido. Atualmente, seu sentido se confunde com a situação, e não com a real e verdadeira religião que, num passado remotíssimo não descrito nos livros sagrados, os ligavam a Deus através das sete virtudes, sete cores, sete dons, sete sílabas sagradas, sete números, sete estrelas e sete planos. Mas como não vamos abordar o aspecto religioso, e sim o energético, que continuem sendo dirigidos por “sábios mestres”, até que um novo Moisés, ou um novo Davi, venha ensiná-los o verdadeiro significado dos seus símbolos sagrados. Para quem desconhecer sua origem e seu fim, e viver apenas em função do seu meio, o Divino Criador somente abrirá a porta que dá acesso aos conhecimentos contidos no meio. O meio é o lugar onde o “de cima” e o “de baixo” se encontram. Por isso não se choquem se virem um rabino, mulá, padre, pastor, ou qualquer outro “líder” religioso, com uma arma em suas mãos, brandindo-a contra seus inimigos. Na verdade, eles estão apenas vivenciando (vibrando) um ou mais, dos sete padrões de energias que lhes chegam aos borbotões através do cordão escuro que os inunda de energias negativas, trazidas diretamente da corrente contínua de energia cósmica, que é o polo negativo da energia divina, que é por inteiro o Divino Criador, o sagrado YAYÊ. Tudo isso é energia negativa. Aqueles que vibram no padrão “- -“ estão com seus emocionais vibrando um ou mais dos sete vícios originais.