Arquivo da tag: infinito

ENERGIA NEGATIVA NO SER HUMANO

Esta energia é a chave de toda a ação no Universo. Sem ela nada tem ação, ou evolução.
Se no macro ela é a energia cósmica, no ser humano ela é muito mais difícil de ser abordada: tanto pode ser a corrente contínua que alimenta o ódio contra semelhante, quanto o ato de lutar pela própria vida. Se ela é assim, é devido ao padrão vibratório da energia universal. Se a energia universal, quando absorvida por um ser humano, o torna calmo, contemplativo, introspectivo e de pouca ação, a energia cósmica existe exatamente para alterar esse estado de coisas. Do contrário, seríamos como ursos que se alimentam no verão, e dormem no inverno. Sempre que algo impede o ser humano de se movimentar, o acúmulo de energia negativa o deixa irritado, nervoso e ansioso por ação.

Temos que observar o lado bom da energia negativa, antes de formarmos um preconceito sobre ela. Ela existe para equilibrar, neutralizar e vitalizar a energia positiva, ou universal; sem ela, tudo vibraria numa intensidade igual à energia divina. Repito: precisamos observar o seu lado positivo! Se no espaço sideral, ela é a energia cósmica, no ser humano ela é uma energia incorporada ao seu todo espiritual durante sua evolução dual. A partir deste estágio, o ser antes original (universal), passou a odiar, matar, desejar, ambicionar, invejar, etc.

Essas são vibrações afins com a energia cósmica, que alimenta o ser humano por um fio, ou cordão mental, que se perde no interior do vácuo sideral. Ninguém jamais ousou segui-lo, e se alguém tentou tal coisa, jamais voltou para contar suas descobertas. Certamente foi absorvido por ela. Porém, no ser humano, ela não representa apenas os vícios originais que citamos, mas também a força que impulsiona o homem para novas conquistas, não o deixando aquietar-se por muito tempo. Se um homem está desanimado, ele absorve apenas uma onda vibratória da corrente contínua que lhe chega pelo cordão mental. Esta onda volta à corrente contínua de energia cósmica pelo cordão que lhe sai pelo órgão sexual.

Vamos explicar melhor essa corrente contínua que circula pelo ser humano, para que não fiquem dúvidas. Este não é nosso desejo, pois queremos que todos a compreendam.
Vejam que o processo nada tem a ver com os chákras (pontos de força), uma vez que apenas os órgãos supra físicos e espirituais são irrigados.

O cordão mental negativo, ligado durante os estágios de evolução dual do ser humano, alimenta o mental inferior, ou negativo, que todos nós possuímos, e faz com que sejamos seres de dupla polaridade (positivos e negativos). Isso possibilita a evolução em meio a amálgamas energéticos, tornando-nos aptos a absorver energias viciadas tendo um meio de descarregá-las, sempre que a absorção ultrapassar um nível suportável para o nosso corpo espiritual. O cordão nos chega do infinito, onde a energia cósmica é corrente contínua. Ela nos irradia por inteiro, e depois é lançada no solo, onde uma corrente contínua negativa, de ordem planetária, a absorve, enviando-a ao polo negativo do planeta, onde é lançada de volta à corrente cósmica (negativa).

Screenshot_3

Vejam que o fio, ou cordão mental, sai do solo e após nos irradiar, volta ao solo.
Isso acontece porque a energia cósmica não entra pelo alto (ar). Ela não pode ultrapassar o cinturão de energia celestial, mas tem no polo negativo do planeta um imenso canal por onde entra, irradia todo ele, saindo posteriormente, pelo mesmo polo. Ela faz este movimento:
Screenshot_5Ela entra pelo sul, alcança o norte e depois retoma, muito mais carregada de viciações planetárias, para o canal de descarga extraterrestre. Depois é lançada no vácuo sideral, onde será recolhida pela corrente contínua que circula incessantemente por todo o Universo.

O mesmo processo se realiza no ser humano (homem e mulher). Como nela estão as energias (vibrações) dos vícios (energias negativas), estes, se intensificados, passam a ser absorvidos em maior quantidade pelo emocional, racional e pelo consciente, além do mental negativo, que irá expandir sua capacidade vibratória para ressonar os princípios negativos que o emocional irá despertar em função da falta de controle por parte do racional e da consciência, que também serão hiper-irradiados com o acúmulo de energias negativas.
O emocional é como um alto falante numa caixa acústica: o mais fraco sinal é, por ele, elevado em muitos decibéis. Logo, a intensificação de uma vibração negativa irá provocar a captação de muito mais energia negativa (cósmica) em todo o ser daquele que receber tal sinal, e absorvê-lo em seu emocional.
Uma ofensa, é um sinal energético de ordem negativa, que se acolhido pelo emocional, fará com que este vibre intensamente, demandando uma maior de energia negativa para fazê-lo ecoar (vibrar) até o mental superior.

Como este não aceita energias (sinais) viciadas, devolve-o num processo rapidíssimo. Em instantes, o mental negativo o estará acolhendo, e ressonando o princípio viciado de reação a um sinal de ofensa. A partir daí, ele passa a absorver imensas quantidades de energia cósmica, inundando todo o ser espiritual, que tem ascendência sobre o corpo físico, e que passará a vibrar o princípio despertado: “para descarregar uma ofensa, somente uma reação mais vibrante!”

Segue-se que o ofendido agride o ofensor, e se o massacra, seu emocional fica livre do sinal negativo (ofensa), passando a dar ressonância a um outro sinal suportável: a auto satisfação por não ter levado desaforo para casa. E não importa se poderia ter dado vazão a uma ordem do tipo “- +” à ofensa, pois preferiu a ordem “- -“.
Os sinais podem nos chegar negativos, mas o nosso todo espiritual pode dar-lhes descargas positivas, caso tenhamos consciência disto, e saibamos como fazê-lo. Do contrário, se não lhe for dada vazão ele ficará vibrando para sempre no emocional e no mental inferior.  Se existem dúvidas quanto a isso, consultem uma pessoa que foi ofendida. Ou espancada por alguém mais forte, e não pode dar vazão (reagir) ao Sinal recebido pelo emocional (agressão). Ele poderá estar com 50 anos e ter recebido o sinal aos 10 anos, mas dirá que nunca esqueceu aquilo, pois o sinal vibra sem parar em seu todo espiritual. Jamais essa pessoa esquecerá que um dia foi agredida e não deu vazão às energias (sinais) recebidas. Essas energias estão no seu emocional à espera de uma descarga.

Alguns crescem e treinam esportes violentos onde tentam dar vazão a elas: mas o que conseguem é tornarem-se violentos, sem que deem vazão ao sinal um dia recebido e não descarregado contra o seu emissor.
Screenshot_4Os orientais (japoneses, chineses, coreanos, etc.), que têm uma educação para formação do seu caráter baseado em moldes negativos têm por regra “nº 1”, acumular meios (força, poder, astúcia, etc.) através do desenvolvimento das artes marciais (canalização e desprendimento correto da energia). Este molde se estende por todas as doutrinas de suas sociedades, e acaba por formar um corpo coeso contra o estrangeiro. Quando os cientistas sociais falam em um modelo japonês, deveriam dizer modelo negativo de formação do caráter nacional”, pois são modelos “–” ou “+ -“, e não pulsam na energia universal, mas tão somente na energia cósmica Ou será que o excesso de atividade não é negativo (cósmico) em sua origem (modelo)?
Pois é isso! A energia negativa entra pela coroa mental (coronário) e desce pelo órgão sexual. No homem, sua parte externa (cordão) sai da glande do pênis, e desce até o solo, onde é absorvida pela terra. Ali circula uma corrente contínua, alguns centímetros abaixo do nível visível. Na mulher, o cordão sai do seu corpo espiritual pelo órgão chamado clitóris, e desce até o solo, onde irá integrar-se à corrente contínua negativa planetária.

Bem, como são os dois únicos canais de saída da energia negativa (cósmica), são eles os dois pontos mais excitáveis da libido e também os únicos que dão vazão às energias (sinais) emocionais que vibram incessantemente (desejos) nos seres humanos. Qualquer outro tipo de atrito energético (estímulo) não causará uma descarga do acúmulo de vibrações energéticas intensificadas pelo emocional, porque não estarão centrados sobre as válvulas naturais de descarga do acúmulo de energia cósmica absorvida com a intensificação dos sinais recebidos pelo emocional (estímulos visuais, sonoros, táteis e olfativos).

O emocional, recebendo os sinais, vibra como uma corda de violino. Essa vibração tem o poder de alterar o padrão vibratório do todo espiritual e, em função de sua intensificação, pode tomar o ser receptivo a uma maior entrada de energias. Elas tanto poderiam ser positivas, quanto negativas, como aquelas que nos chegam da corrente contínua de energia cósmica que circula por todo o Universo. Das positivas, ou virtuosas, falaremos mais adiante. Por enquanto, estamos abordando a energia negativa (cósmica), e seu canal (cordão) de entrada no planeta e no ser humano.

A energia cósmica nos chega através da coroa e sai pelo órgão sexual. Saibam que os cordões energéticos oriundos da energia divina (universal e cósmica) só nos chegam sem viciação alguma (desdobramentos) por esse meio. Os chakra captam não o tal “prana universal”, mas tão somente os desdobramentos dos polos positivo e negativo da energia divina. Dos seus choques energéticos, deu-se a origem e sustentação do nosso planeta, e tudo o que dele derivou.
Os chákras absorvem energias derivadas desse amálgama, composto pelos quatro elementos originais que formam nosso meio energético. O “prana universal” não é aquilo que imaginam, porque não é absorvido pelos chakra. Ele é a energia divina, que nos chega pelo cordão mental, que tem a cor branca cintilante, e nos liga ao mental divino.
Já os cordões coloridos, são a expressão colorida das virtudes divinas, ou o arco-íris sagrado. As energias coloridas absorvidas pelos pontos de força (chakra) são condensações coloridas, energizadas, magnetizadas e luminosas (as E.V.M.L.C.) que são a “quinta essência” energética planetária. Se alguém absorve mais energia azul, é porque absorve quintessência onde Água predomina. Se é rósea, violeta ou dourada, é o Fogo que predomina, e assim por diante.
O fio “negro” que chega ao nosso mental, e sai pelo órgão sexual traz a energia cósmica em corrente contínua. Ele traz em si, a força e a ação, características suas. Mas também traz a energia que alimenta os sete vícios originais, que se contrapõem às sete virtudes, e nos mantém ligados ao nosso mental negativo, ou inferior. Logo, se odiarmos, estaremos tirando da corrente contínua as ondas energéticas que alimentam o ódio; se ficarmos com remorso, lá também encontraremos a onda exata que o alimentará, enquanto não o eliminarmos do nosso emocional. E assim por diante! Quando alguém falar em energias, chákras, cores, luminosidade vibrações e magnetismo, procurem refletir melhor sobre o assunto e compreendam quais são as verdadeiras fontes divinas de energias. Evitem as teorias que nada explicam, e que deixam aqueles que com elas aprendem, mais confusos do que estavam antes de conhecê-las; teorias que confundem o meio com a origem, e a origem com o fim; teorias que falam em poderes da mente, quando desconhecem a origem das energias que alimentam esses mesmos poderes.

Não basta mentalizar uma cor, para que se tenha poderes mentais! Os poderes mentais originam-se nas virtudes ou nos vícios originais, os quais todos trazemos em nosso mental positivo e negativo, desde nossa origem. Quando amamos alguém, estamos enviando a esse alguém, constantemente, vibrações energéticas de amor, ou cor azul energizada, ou energia azul magnetizada pelo nosso magnetismo aquático, que é o que sustenta o amor; quando odiamos, estamos enviando luz rubra energizada, ou energia rubra magnetizada pelo nosso magnetismo ígneo, que é o que sustenta o ódio (consumismo energético). Procurem saber ao certo o que são graus vibratórios, e o que é a energia divina em suas infinitas formas de vibrar em ondas que começam do zero, e avançam até o infinito do Universo.

Não se deixem levar por quem conhece apenas o meio, e desconhece a origem e o fim do ser humano. Pois é isso que muitos “sábios” vivem procurando: o acesso às suas origens, e a seus fins. Conhecendo apenas o meio, só podem dar aos seus discípulos a fé e o conhecimento incompletos, que acabam por se completar através de seus apelos fanáticos e misteriosos.

Se estamos um tanto cáusticos, é porque são muitos os falsos “sábios mestres”, que nada dão de estável (sólido) aos seus discípulos, além da fé fanática num Deus implacável. Deus não é isto! Ele é puríssima energia divina que pulsa em todo o Universo, em todos os planos e todas as dimensões. Logo, Ele é tão estável quanto o zero absoluto. Se realmente quisermos estar com Ele, teremos que alcançar o padrão vibratório do zero absoluto. Fora disso, apenas estaremos em vibração positiva, ou negativa, contida, ou no Seu paio negativo (cósmico), ou no Seu polo positivo (universal).

Um exemplo do zero absoluto, é a imagem do Budha; outro símbolo que representa os sete cordões luminosos das virtudes originais é o castiçal de sete braços dos judeus ainda que, mesmo eles, já não saibam, nos dias atuais, o seu real simbolismo místico, que se perdeu devido às aflições que se abateram sobre seu povo durante o cativeiro na Babilônia. Desde então, o verdadeiro sentido místico do simbolismo do castiçal de sete braços foi sendo perdido. Atualmente, seu sentido se confunde com a situação, e não com a real e verdadeira religião que, num passado remotíssimo não descrito nos livros sagrados, os ligavam a Deus através das sete virtudes, sete cores, sete dons, sete sílabas sagradas, sete números, sete estrelas e sete planos. Mas como não vamos abordar o aspecto religioso, e sim o energético, que continuem sendo dirigidos por “sábios mestres”, até que um novo Moisés, ou um novo Davi, venha ensiná-los o verdadeiro significado dos seus símbolos sagrados. Para quem desconhecer sua origem e seu fim, e viver apenas em função do seu meio, o Divino Criador somente abrirá a porta que dá acesso aos conhecimentos contidos no meio. O meio é o lugar onde o “de cima” e o “de baixo” se encontram. Por isso não se choquem se virem um rabino, mulá, padre, pastor, ou qualquer outro “líder” religioso, com uma arma em suas mãos, brandindo-a contra seus inimigos. Na verdade, eles estão apenas vivenciando (vibrando) um ou mais, dos sete padrões de energias que lhes chegam aos borbotões através do cordão escuro que os inunda de energias negativas, trazidas diretamente da corrente contínua de energia cósmica, que é o polo negativo da energia divina, que é por inteiro o Divino Criador, o sagrado YAYÊ. Tudo isso é energia negativa. Aqueles que vibram no padrão “- -“ estão com seus emocionais vibrando um ou mais dos sete vícios originais.

Anúncios

HIERARQUIA DAS ENERGIAS

A partir de agora trazemos a compilação do Livro das Energias de Rubens Saraceni que nos detalha sobre a hierarquia das energias, começando pela ENERGIA DIVINA

A energia divina é original e anterior a tudo. Ela se espalha por todo o Universo, imantando a tudo e a todos. Um átomo contém essa energia; um gene também a contém; todas as galáxias são inundadas por essa mesma energia. Nada limita sua ação, pois tudo o que existe foi criado a partir dela.

A energia divina é a fonte de tudo o que está contido no Universo.

Quando dizemos que o Universo é o corpo divino, é porque assim o é. Nada existe sem Deus, e tudo o que existe está contido n’Ele. Esta energia é como um dogma.

Se observarmos longínquas galáxias, entenderemos o sentido do infinito ser divino. Umas são espiraladas, outras são aglomerados, etc., mas todas têm algo em comum: contêm estrelas, sóis, planetas, satélites, poeira cósmica, etc.

No Universo, mudam as aparências, mas a essência é sempre a mesma. Isto se deve ao fato de haver apenas uma origem. Tudo existe em função da energia divina, que a tudo origina, vivifica e sustenta.

Ela é sutil e poderosa, é geradora incessante de novos mundos, é sustentadora de tudo o que sempre existiu, e jamais deixará de existir. Ela sustenta a harmonia do Universo, assim como da menor de suas partículas.

Existem duas maneiras de percebê-la: através da contemplação, e do tato.

Ao contemplarmos a natureza à nossa volta, o espaço sideral, o firmamento estrelado numa noite clara, a maravilha que é a reprodução de uma semente, etc. Estamos visualizando um pouco dessa energia. Ela assume formas e aparências admiráveis e maravilhosas.

Ao contemplarmos uma longínqua estrela, lá ela estará, se contemplarmos o nosso semelhante, também ali ela estará, e sequer nos damos conta disso. Deus não é um ser, mas tão somente isto, uma e a única, Energia Original.

Energia não tem forma, portanto Deus não pode ser modelado numa imagem. Mesmo o tão decantado Fogo Divino não é Deus, pois se o Fogo existe, algo anterior a ele deve tê-lo gerado, e isto é a energia divina. Nada é original além de Deus, a energia ancestral que a tudo gerou.

Deus está vivo e atuante até no átomo mais ínfimo. Portanto, Deus está em tudo, e tudo deve ser visto como parte de Deus.

O aforismo místico “Eu sou você por inteiro, e você é parte de mim”, aplica-se a Deus-energia. O homem é parte desse Deus, vivemos porque somos animados por essa energia macro e microcósmica, ao mesmo tempo.

Enquanto a energia divina sustenta o Universo, também sustenta a vida do menor micro organismo, enquanto energiza um sol, também energiza um átomo que mantém seus elétrons girando à sua volta, incessantemente.

Se desintegrarmos esse átomo, um corpo menor ainda se nos apresentará em seu lugar, pois, se o Universo é o infinito, a menor partícula pode ser encontrada não pode ser encontrada. Assim é Deus: o micro e o macro, origem, meio e fim.

Os aparelhos humanos podem dividir o átomo em muitas micro partículas quando cessar seu poder de divisão, ainda restará algo de tamanho tão pequeno, que sequer poderemos nominá-lo.

Não é possível reduzir ao nada o núcleo de um átomo. No limite, ele sairá do alcance da mecânica humana, e integrar-se-á ao todo energético universal, continuando a existir numa escala, dimensão ou plano fora do nosso conhecimento.

Voltando ao aforismo místico, concluímos que somos seres (partículas) contidos num todo muito maior e imensurável, tanto em formas, quanto em imagens.

Nós, seres humanos, não somos os únicos a conter essa energia neste abençoado planeta, e muito menos no Universo. Muitas e incontáveis formas contêm também, mais do que conhecemos e codificamos dentro do espectro de nossa lógica.

Um ser que viva num determinado planeta localizado nas Plêiades também a contém, mesmo que ele nos pareça totalmente estranho, e que tenhamos dificuldade em aceitá-lo como um ser animado. Ele o é, e por essa mesma energia que nos sustenta, tanto na carne, quanto no espírito, tanto na Luz, quanto nas Trevas.

Ainda que não estejamos capacitados a entrar em contato com outros tipos de vida que existem no Universo, através de nossos sentidos e da nossa ciência mecânica, não significa que eles não existam. Tanto existem que, em espírito, nos é possível entrar em contato com alguns tipos que habitam planetas do nosso próprio sistema solar, apesar de serem invisíveis aos olhos da carne, e imperceptíveis aos aparelhos criados pela ciência humana. Mas eles existem, e esta é uma verdade que o homem comprovará somente quando atingir a quinta esfera ascendente. Tal comprovação ainda não será plena, pois tais contatos são permitidos apenas com autorização superior.

Mas, de volta à energia divina, podemos acrescentar que ela não é mensurável, mas apenas sensível. Podemos senti-Ia de muitas maneiras. Nos momentos de grande reflexão interior é mais fácil percebê-la.

Ao nos recolhermos para a prece e nos integrarmos ao mental de Deus, vamos sendo envolvidos, pouco a pouco, por ondas energéticas, luminosas e coloridas que alteram todo o nosso magnetismo e vibração. À medida que vamos nos afastando do materialismo ateu, nosso ser imortal vai se elevando nas muitas faixas vibratórias, captando com mais facilidade essa energia que existe em nós, e à nossa volta.

Embora a energia divina que anima nosso ser imortal esteja um tanto quanto viciada, devido à vivenciação de sensações características de escalas vibratórias muito baixas, apenas sua libertação dessas viciações o elevará para que possa, pouco a pouco, captar uma quantidade maior dessa energia.

Os vícios atuam como filtros poderosos a vedar a entrada dessa energia divina, pois ela não penetra em nosso ser imortal pelos pontos de força (chacras), mas sim pelo cordão mental (cordão de ouro e cordão de prata) que nos une ao mental divino. Todo ser vivente possui esse cordão, que parte do seu mental superior e se perde no espaço infinito.

 Esse fio sai do mental e liga-se à mente humana, sendo chamado de “Pio da Vida”. Caso ele se rompa acidentalmente, advém a morte prematura. Mas o fio também é rompido pela Lei, quando o tempo de alguém se esgota na carne (cordão de prata).

Muitos confundem “mental” com “mente“. Mental é a sede do todo espiritual, e traz em seu interior, a herança genética divina que guiará sua evolução e ascensão rumo ao seu “fim”.

 A mente é a capacidade do mental, transposta para a parte do corpo carnal denominada “cérebro”.

É no cérebro que está localizada a mente humana. É nesse “mental” carnal que vivenciamos as coisas da carne, pois ele é o receptáculo codificador e ordenador das sobrecargas e das descargas decorrentes das sensações da carne.

É através da ligação mental-ancestral ao cérebro, que a vida na carne se sustenta. Se rompermos esta ligação sutil, todo o corpo humano perecerá imediatamente, porque, sem as vibrações do mental superior, nossas funções mecânicas, circulatórias e respiratórias cessam de imediato.

Então, temos claro que todo ser vivente possui uma ligação, ou um cordão (ouro), que o une ao mental divino, ou a Deus. Esse cordão se perde no infinito, sendo que jamais foi possível a qualquer ser espiritual localizar sua outra extremidade, pois, à medida que alcançamos um degrau evolutivo, nossa visão se expande somente até um certo limite, e nada mais além desse limite nos é possível ver. Logo, nenhum ser, não importando sua hierarquia, consegue chegar à origem de tudo. Todos possuem seu cordão mental, o que significa que qualquer ser é parte do Todo, e o Todo é o ser por inteiro.

Temos uma pequena história para ilustrar o que foi dito: um ser da sexta esfera ascendente ousou seguir o cordão mental de outro ser. Tanto ele se afastou de sua esfera que, ao chegar ao fim visível do fio que seguia, viu-se em meio a formas energéticas puras, de aparências repugnantes, que atormentavam o seu emocional. Pouco depois, ele voltou à sua esfera de luz, mas logo começou a cair de vibração. Foi despencando de esfera em esfera, e só parou na sexta descendente. Até hoje ele está lá, e se recusa a tentar elevar-se novamente.

O que viu foi tão assustador e contrário a tudo que imaginava, que se recusa a olhar para o alto novamente. Descobriu aquilo que somente aos anjos é permitido saber, sendo que seu mental ainda não havia atingido o estágio angelical.

O cordão mental se perde no todo energético divino, e segue uma linha a pré-determinada para nossa evolução. Nesta linha, ele vai deixando uma pista por onde já estagiamos em outras dimensões, ou mundos. Não temos porquê segui-lo, uma vez que não seria possível suportar todas as imagens e matizes comuns aos muitos estágios evolutivos já vividos por qualquer ser humano.

Pois bem, retornemos ao cordão mental!

Se oramos a Deus, movidos por sentimentos virtuosos, esse cordão vai se magnetizando pela elevação do estado vibratório, à medida que vai alcançando um maior poder de absorção dessa energia divina. Ela inunda nosso ser imortal de tal forma que, qualquer sensação, por mais tormentosa que seja, é amortecida.

É a resposta da energia (o Todo) às nossas vibrações de fé, que fortalecem o mental superior (a Parte).

Então temos claro que a energia divina é absorvida, e também é tida à medida que elevamos nosso padrão vibratório, que neste caso, se dá em função de um processo virtuoso, ou seja, e o ato e expressarmos nossos sentimentos sinceros e profundos de fé em Deus.

Mas essa mesma energia que alimenta nosso ser imortal, pode deixar de ser sentida e absorvida quando caímos demais na escala vibratória. Quanto mais formos descendo nessa escala, menos energia iremos absorvendo e, dependendo do quanto descemos, nosso cordão mental poderá se atrofiar, até tornar-se quase invisível aos olhos dos seres mais elevados.

Quando um ser humano desce ao nível mais baixo da escala vibratória: o fio deixa de ser visível. Daí em diante, tudo lhe é possível acontecer: deixa de ter a forma plasmada (corpo espiritual) dos seres humanos, e começa a assumir as mais estranhas aparências. Uns assumem a forma de répteis, outros de insetos, outros de aracnídeos, etc.

É o tal “inferno”, onde as mais bestiais formas, desprovidas de qualquer matiz, habitam. Não se trata de seres de origem diferente da nossa. Não! Eles já vibraram mais sutilmente, mas, por se entregarem aos princípios viciados por inteiro, atrofiaram o cordão que uniam seus mentais ao mental divino, que é composto por essa energia divina, que é Deus.

              Aqui solicitamos aos interessados a leitura paralela do livro Aglon que nos auxilia na ilustração de vários seres por Deus criado, dimensões e formas diversas plasmadas e originais de criação. [Estudo do livro Aglon e os Espíritos do Mar, Júlio Verne]

Sabemos, portanto, como podemos nos aproximar de Deus, ou d ‘Ele nos afastarmos. Isto não está apenas no discurso eloquente do sacerdote iluminado, mas também é compreensível nas palavras claras do cientista que diz: “Quanto mais grosso for o cabo (cordão mental), maior será a sua capacidade de transportar energias.

Logo, por que reduzirmos o cabo que nos liga à fonte de nossa energia (Deus), se isto contraria as leis da física?

Neste ponto, já não se trata mais de falta de fé em Deus, mas sim de ignorância, não?

Por que vivenciar princípios viciados, se estes servem apenas para atrofiar o cordão mental que nos liga à divina fonte da Energia? Não é melhor vivenciarmos as nobres virtudes, e tornarmos esse cordão mais poderoso, até que, do topo da nossa cabeça, comecem a se iluminar os sete fios coloridos das sete virtudes originais, que são uma prova inconteste da nossa renuncia ao mundo, pela vivenciação mental das virtudes que, nada mais são do que energias derivadas, ou desdobramentos, dessa mesma energia original?

Somente os tolos renunciam à oportunidade de se ligarem ao arco-íris, e do momento de encontrarem os potes de pepitas luminosas que os aguardam na outra extremidade.

Sim, com a vivenciação das virtudes vamos nos elevando na escala vibratória, até atingirmos um grau em que os arco-íris também se ligam ao nosso mental, e passam a nos enviar suas energias, oriundas da mesma energia divina.

Neste estágio, não precisamos recebê-las como um todo, mas apenas sermos inundados por elas através dos sete gens originais, ancestrais e divinos que o Divino Criador depositou em nosso todo espiritual como herança genética, divina, que somos todos nós, seres humanos.

Aula Corpos Espirituais – 7° Corpo – Átmico – Espírito

  • Espírito Pleno
  • Transparente – invisível
  • Foge a todo o entendimento humano
  • Transcende a tudo que tem na existência Onipresente absoluto (é a capacidade de estar em todos os lugares ao mesmo tempo)
  • Constitui Essência Divina
  • Onde está guardado todos os “valores” do ser
  • É como a planta: é semeada, brota, se desenvolve, dá seus frutos, e recicla-se, sem deixar sua essência de vegetal.
  • Não tem forma, mais acredita-se que seja um ponto de luz.

No livro Além da Matéria, Gleber nos traz a seguinte descrição:

Essência divina, consciência pura; diretora de idiogênese.

O corpo átmico é a própria partícula da vida, o principio coordenador. Também chamado de eu cósmico, mônada e semente da vida. É o espírito puro. Impossível descrever sua essência divina. Imanamente, transcendente, inexplicável e indescritível – ao menos segundo padrões humanos. Apenas é.

O corpo átmico é o ser principal, criação direta do Todo-Sábio. Tanto quanto seu criador, só pode ser sentido. Parcialmente e palidamente poderá ser analisado, pois faltam bases para que possa ser associado a algo que se conheça. É parte imortal e fonte de toda vida, a causa criada e eterna, que é ao mesmo tempo ator e ato, o espectador e o produtor de grande drama evolutivo. É imortal, consciência pura.

A cada ação do espírito no palco abençoado das encarnações, os corpos vão se adelgaçando, se transubstanciando. À medida que cresce, aprende, aperfeiçoa-se, o ser despe-se dos corpos mais pesados e densos, passando a atuar em níveis e dimensões de consciência cada vez mais sutis. Um dia brilhará puro, independente dos envoltórios que utiliza em sua caminhada rumo ao infinito.

Bibliografia de todo material sobre corpos publicado: