Arquivo da tag: Robson Pinheiro

ENERGIA LUNAR

Segundo os estudos que Saraceni nos trouxe, a energia lunar é do tipo irradiante, e não contínua. Ela se irradia a partir de um centro muito duro, composto de uma condensação energética ainda desconhecida dos cientistas encarnados.

indice

Temos a partir disto duas teorias as quais suas próprias verdades devem julga-las em qual crer..a primeira que  sua densidade e dureza é tão grande, que as brocas diamantadas das perfuratrizes não conseguiriam penetrá-la. E a segunda, conforme estudos de David Icke, que a lua seria um satélite artificial e oco com intenções desconhecidas e de localização privilegiada fronte a Terra.

Essa substância tem um poder de irradiação que qualificamos como energia lunar. Se somos o que irradiamos, a Lua é uma fonte de energia negativa, visto que sua origem está na condensação de um amálgama energético onde um elemento negativo predominou.

Já a Terra, é uma condensação em que um elemento positivo, a Água, predomina.  Segundo Sareceni a Lua,  já foi uma estrela de sétima grandeza, num passado que se perde na cronologia dos milhões de anos, neste ponto tanto a teoria de Saraceni quando de Icke se fundem em alguns aspectos e ganham reforços com alguns cientistas e estudiosos. Ainda hoje, ela continua a ser uma forte emissora de elétrons.  Chegará o dia em que ela estará tão compacta, que até suas rochas externas serão mais duras que o diamante, o nosso mineral mais duro. Pois a irradiação lunar é negativa no seu núcleo, sendo que de sua órbita saem nêutrons que se irradiam de forma não continua.

A irradiação lunar se dá somente por reflexão à luz solar, que coloca seu composto energético em ebulição. Com a refração do calor, elétrons lhe são arrancados e lançados no vácuo, onde são recolhidos pela corrente contínua de energia cósmica e levados para longe do nosso sistema solar. Quando os raios solares incidem sobre o solo lunar, este os absorve e cria uma vibração especial para a liberação de elétrons, irradiados a partir do seu núcleo. Os elétrons vão se desprendendo numa velocidade muito grande, e aos poucos vão deixando as condensações energéticas lunares muito mais compactas.

Como o seu centro é irradiante, as camadas externas vão recebendo novas ondas de elétrons, que substituem aqueles perdidos. A cada segundo, o volume da Lua diminui em bilhões e bilhões de elétrons. De acordo com a primeira teoria, houve um tempo em que a Lua possui a o dobro do volume, e suas rochas eram muito menos duras. Mas isso também se perde na memória do tempo, pois embora possamos visualizá-la, não há como precisar em anos essa época. Mas tempo virá em que ela estará tão pequena, que será absorvida pelo magnetismo da Terra. Será???

indice

Há muito tempo explica-se que a Terra já teve mais de uma lua girando em torno de si. Com o tempo, ela foi absorvida, pois perdeu todo o seu volume, tornando-se presa fácil para a atração gravitacional terráquea. Em 2016 a Nasa detectou novamente uma mini lua na órbita da Terra. [http://exame.abril.com.br/ciencia/nasa-encontra-segunda-lua-ao-redor-da-terra/]

Bem, quanto à energia lunar, ela é fria e negativa. Se nos colocarmos num padrão vibratório próximo de zero, sentiremos o frio provocado por sua luz neutrônica.  Sim, os raios refletidos para a Terra são hiper carregados de nêutrons, que dela se desprendem devido à força irradiante não contínua. Tal processo somente ocorre com a incidência dos raios solares em sua crosta. Essa energia tem a capacidade de acelerar a germinação das sementes lançadas na terra, e também ajudar no crescimento dos brotos. Por isso, temos luas certas para o plantio, ceifa e poda dos nossos alimentos.

1150165_313926095420156_643579055_n

Vejam que coisa interessante: os frutos originários de regiões de grande insolação, ou com alta incidência de raios solares, são muito doces, e menos ácidos que aqueles produzidos nas regiões mais frias. Nessas regiões, a incidência de raios solares é menor, ou seja, os raios chegam desprovidos de suas ondas de calor, em função do fenômeno já explicado num capítulo anterior (faixas de captação). Sendo assim, poucos elétrons (acidez) são desprendidos, tanto da terra, quanto dos frutos em formação, como das próprias plantas frutíferas. Isso nos leva à conclusão de que os ácidos, e toda a acidez dos frutos, são uma forte concentração de energias negativas (elétrons) de origem cósmica. Nas regiões onde o Sol incide com maior poder e calor, a liberação de elétrons pelo fruto, e mesmo pelo pé de frutas, elimina boa parte de sua acidez natural (elétrons = energia negativa), deixando os açúcares, que tornarão os frutos mais doces e suculentos.

horta-lunar

Para que isto, ocorra, o solo precisa receber uma alta porcentagem de nutrientes químicos, para que seu equilíbrio atômico seja restabelecido, uma vez que a incidência dos raios solares fez com que sua formação atômica fosse alterada. Os átomos menos poderosos foram desarmonizados ao terem seus elétrons arrancados pelo acelerador nuclear solar.  Num acelerador atômico, os princípios de bombardeios nucleares são físicos ou químicos, e buscam a decomposição do átomo, e a separação dos elementos radioativos, os quais serão conduzidos até uma nova condensação energética com maior poder negativo (ativo). A parte positiva (passiva) é separada e eliminada, pois no caso somente interessam os isótopos radioativos.

O Sol é um imenso acelerador atômico, e seus raios também têm essa qualidade, ainda que com um poder bastante reduzido. É o Sol (calor) quem acelera o amadurecimento dos frutos, acelerando toda a composição atômica através da liberação de elétrons (acidez = energia negativa), até que restem apenas prótons (doçura = energia positiva). Se pegarmos como exemplo uma banana, veremos que, se ela for colhida verde e marrenta (excesso de acidez ou energia negativa), com pouco tempo numa estufa (calor = energia solar), irá amadurecer, ficando doce. Se a deixassem no pé, levaria muitos dias para amadurecer, mas na estufa o processo se acelerou, porque foi intensificado o calor sobre elas. Isso quer dizer, que todo calor libera elétrons (energia negativa, ou acidez) dos frutos.  É o mesmo princípio que os cientistas nucleares utilizam nos seus imensos aceleradores atômicos. Com a aceleração, cria-se o atrito, que libera calor (energia), que libera nêutrons e altera a composição (P.A.) dos átomos, tornando-os ativos (negativos) ou passivos (positivos).

Como as fases da Lua influenciam as marés?

Resultado de imagem para lua influencia maré

Na verdade, a Lua não produz esse efeito sozinha. Os movimentos de subida e descida do nível do mar – as chamadas marés – também sofrem influência do Sol, dependendo da intensidade da força de atração dele e da Lua sobre o nosso planeta. Assim como a Terra atrai a Lua, fazendo-a girar ao seu redor, a Lua também atrai a Terra, só que de um jeito mais sutil. O puxão gravitacional de nosso satélite tem pouco efeito sobre os continentes, que são sólidos, mas afeta consideravelmente a superfície dos oceanos devido à fluidez, com grande liberdade de movimento, da água.

lua-japao1

A cada dia, a influência lunar provoca correntes marítimas que geram duas marés altas (quando o oceano está de frente para a Lua e em oposição a ela) e duas baixas (nos intervalos entre as altas). O Sol, mesmo estando 390 vezes mais distante da Terra que a Lua, também influi no comportamento das marés – embora a atração solar corresponda a apenas 46% da lunar. Resumo da história: dependendo da posição dos dois astros em relação ao nosso planeta, as marés têm comportamentos diferentes.

É aí que entram as fases lunares. Quando a Terra, a Lua e o Sol estão alinhados – ou como dizem os astrônomos, em oposição ou conjunção – a atração gravitacional dos dois últimos se soma, ampliando seu efeito na massa marítima. Por outro lado, quando as forças de atração da Lua e do Sol se opõem, quase não há diferença entre maré alta e baixa. Mas esse jogo de forças não é igual em toda parte, porque o contorno da costa e as dimensões do fundo do mar também alteram a dimensão das marés. “Em certas regiões abertas, a água se espalha por uma grande área e sobe só alguns centímetros nas marés máximas. Em outras, como um braço de mar estreito, o nível pode se elevar vários metros”, diz o oceanógrafo Joseph Harari, da Universidade de São Paulo (USP).

Resultado de imagem para lua novaLUA NOVA: quando a Terra, a Lua e o Sol se alinham, a atração gravitacional exercida pelos dois astros sobre os oceanos se soma, gerando correntes marítimas que causam uma elevação máxima do nível do mar na direção dessa linha. É época das maiores marés altas, chamadas de marés de sizígia ou máximas.

Resultado de imagem para lua crescenteLUA CRESCENTE: agora, a Lua e o Sol formam um ângulo reto de 90º. Nessa situação, a gravitação lunar se opõe à solar – elas só não se anulam porque a Lua, mais perto da Terra, exerce maior poder de atração. Mesmo assim, as diferenças de nível entre as marés alta e baixa são muito menores e recebem o nome de marés de quadratura ou mínimas.

indiceLUA CHEIA: cerca de duas semanas depois da Lua Nova, nosso satélite viaja de novo para uma posição em que se alinha com o Sol e a Terra. Essa combinação traz uma nova leva de marés máximas. Nas praias de Santos, o nível do mar pode subir em torno de 1 metro nesse período.

Resultado de imagem para lua minguanteLUA MINGUANTE: nessa fase lunar, diminui a influência do Sol e da Lua nas marés oceânicas. Na noite em que metade da Lua está visível, a atração atinge seu menor valor. Em Santos, no litoral paulista, por exemplo, a diferença entre a maré alta e a baixa não ultrapassa os 5 centímetros

Resultado de imagem para senhores da escuridãoO outro lado da Lua No livro Senhores da Escuridão de Robson Pinheiro, a narrativa começa com uma visita aos pavilhões de produção da metrópole onde Ângelo reside. Após essa visita, a equipe começa a se preparar para visitar as regiões densas da crosta. Anton então explica ao narrador que existem bases de apoio dos guardiões em diversos pontos do planeta, mas que uma das mais seguras está localizada nas profundezas da Lua.

Utilizando um sofisticado veículo, a equipe se dirige à essa base com o objetivo de verificar as fichas cármicas de diversos médiuns candidatos a auxiliá-los até as regiões abissais. Ângelo fica impressionado com tamanha organização, segurança e tecnologia de ponta. Anton revela que no lado obscuro da Lua estão sendo reunidos diversos espíritos que serão encaminhados ao expurgo planetário.
— Também há outro motivo para que uma base de apoio tão importante seja localizada na lua do nosso planeta. É que lá, no lado escuro da Lua, estão sendo reunidos milhares e milhares de espíritos já em processo de expurgo planetário. Seres que não mais encontram sintonia com o ambiente evolutivo da Terra são circunscritos às dimensões inferiores do astro lunar. Naturalmente, por processo de sintonia vibratória, acham-se limitados ao lado escuro do satélite terrestre.
O que se pode dizer no momento é que os espíritos que fracassam nas suas últimas oportunidades estão sendo acondicionados no lado escuro da Lua, aonde aguardam a transmigração interplanetária para esse novo mundo.

Voltando à energia lunar, podemos afirmar que ela é negativa por excelência. Recebemos essa energia através dos raios lunares, que nada mais são que reflexões dos raios solares que sobre a Lua incidem. Eles chegam até nós hiper carregados de elétrons, que se incorporam a tudo que é iluminado pelos raios, provocando uma sobrecarga de energia negativa, que é ativa e acelera todos os princípios geradores.

Logo, o romantismo (erotismo) dos amantes é alimentado (ativado) pelos raios lunares, assim como o crescimento das plantas e a germinação de sementes depositadas sob alguns centímetros de terra. Muitos que falam da força da Lua para plantar ou podar, desconhecem que, quanto mais forte (brilhante) é a Lua, maior quantidade de elétrons será absorvida pela semente ou pela árvore podada. Seu processo germinativo, ou de crescimento (brota), serão acelerados pela forte absorção de elétrons (energia negativa e ativa).

Sendo assim, fica classificada então esta energia negativa sendo muito poderosa, pois deriva-se da energia cósmica, que por sua vez, é o polo negativo do desdobramento da energia divina, que é Deus. Portanto, se é um desdobramento energético de Deus, é tão boa quanto a energia universal, que é Seu desdobramento positivo. Logo, podemos afirmar que a Lua é benéfica para a humanidade, a natureza, e para o planeta; que se somos o que somos, é porque a energia lunar ajuda a nos tomarmos seres mais ativos (negativo = ativo).

Fontes:

Livro:

  • Senhores da Escuridão – Robson Pinheiro

Sites:

Complementar da nossa apostila:

Vídeos:

David Icke:

Alex Collier:

Oswaldo Vettoretti:

Fator Medo:

Imagens:

  • Google
Anúncios

Atributos de Energia

*Todos os sites e fontes de pesquisa serão declarados um a um ao final de nosso material no ultimo capítulo.

Trechos do livro Energia

 Podemos listar alguns atributos básicos da energia. Ela é primária, pois existe desde o mais remoto instante da criação, é imanente, uma vez que está presente em tudo; é cósmica, isto é, permeia toda a extensão física e vibratória do universo. Além disso, sua presença é impessoal, uma vez que independe dos seres ao seu redor, apesar de lhe estar sujeita à manipulação e transformação. Aos seres vivos é dado dominá-la em sua particularidade – por exemplo, quando se aplica um passe magnético, utiliza-se a bioenergia, já particularizada pela natureza no homem, com maior ou menor eficácia. Contudo, a energia é incontrolada em sua potencialidade, pois conhecemos pouco a cerca de suas modulações e a exploramos com bastante limitação.

Quanto aos sinônimos, também é denominada campo, campo eletrostático ou eflúvio[1]. Tal qual a entendemos neste ensaio, é chamada energia astral ou biorradiante, fluído cósmico universal, enteléquia[2] e força dinâmica[3] ou força biodinâmica[4], entre outros nomes.

[1] Campo eletrostático ou eflúvio é todo campo elétrico que não possui cargas líquida em movimento. Com cargas em movimento o campo passa a ser eletrodinâmico.
[2] ARISTÓTELES forjou este vocábulo apoiando-se na expressão “o facto de possuir perfeição”. Enquanto tal, o termo ‘enteléquia’ significa a atualidade ou perfeição resultante de uma atualização. A enteléquia então é o ato enquanto realizado. 
[3] Força dinâmica é aquela que o corpo tem em movimento.
[4] Do grego bio (vida), e dunamis (força); em português corrente, a biodinâmica andará pela “força da vida” e, numa visita ao dicionário de Língua Portuguesa, encontramos “teoria das forças vitais”. Numa perspectiva lata, a biodinâmica é muito mais uma maneira de estar e sentir a vida como parte integrante de um ecossistema com extensão cósmica, do que propriamente uma ciência aplicada.

Estudar energias, bioenergias e suas diversas manifestações é como adentrar o templo da ciência sem a pretensão de ser cientista, no sentido acadêmico do termo, mas estudioso, um desbravador de um mundo novo, que não se esquece jamais de que ele próprio é um aprendiz, constituído de energia, e assim o será para sempre, no corpo ou fora dele. Condensada ou irradiando-se, a consciência é o foco energético por excelência, que o pesquisador manipulará, usará e expandirá, à medida que aplicar seu conhecimento de modo a beneficiar a humanidade com o resultado de suas observações e experimentos.

Vemos o quanto o homem é desejoso de entender e controlar o fator energético ou as energias do cosmos. As primeiras tentativas de experimentos já na época das cavernas, quando o elemento humano ensaiou o domínio sobre a energia radiante do fogo. No entanto, ainda desafia o homem do século XXI usufruir dela com sabedoria, de maneira prática sem perder de vista a simplicidade com que se constata sua presença e verificam-se suas diversas manifestações.

Pesquisadores adotaram o modelo cientifico, que determinaram pelas suas observações quatro tipos básico de manifestação da energia ou das interações energéticas.

1 – Gravitacional: sentida ou percebida na força da gravidade, ou seja, quanto maior a massa mais intensamente atraíram para si a matéria em derredor. Porém também age onde há ausência de matéria. Há aglomerados de energia, em formas de coágulos –  isto explica os buracos negros – que possuem campos gravitacionais tão intensos que nem sequer a luz e a radiação eletromagnética escapam de sua poderosa força atrativa. Lei de atração

2 – Fracas: sua existência admitida e constatada ao se analisarem os níveis subatômicos, no âmbito das partículas elementares com propriedades radioativas.

3 – Eletromagnética: Dão origem a maior parte dos estudos da física atual.

4 – Fortes: Responsáveis pela união dos núcleos das partículas elementares no mundo microscópico.  Aqui entra a interação mente-energia-matéria.

Diante de tantas pesquisas e tentativas de dominar a energia e suas manifestações, uma coisa é certa: a energia em si não pode ser criada, nem destruída por nenhum método conhecido entre os humanos mortais.

A energia por fim fica comprovada que pode ser transferida, modulada, transformada, transmitida ou captada e direcionada conforme a vontade, os recursos e habilidade de quem a manipula.

Em todo caso, quaisquer que sejam as técnicas empregadas com finalidade terapêutica, pode-se concluir que todas convergem par o mesmo fim, isto é, apresentam metodologias distintas, mas visam o mesmo objetivo: o auxílio a humanidade.

Energia e Fluído

Este material que apresentaremos daqui em diante, junto faz parte do material de apoio e acompanhamento a literaturas que serão debatidas em grupo no estudo físico do CENDEE, compilamos alguns trechos de livro, bem como pesquisas em sites. Trazendo um material a você leitor um estudo minucioso que tem como missão trazer esclarecimentos e quebrar preconceitos envoltos a mediunidade, bem como o despertar dela.

No primeiro Capitulo esmiuçaremos sobre Energias e todos os meios conhecidos e debatidos nos livros: O Livro das Energias de Rubens Saraceni, Aglon e Os Espíritos do Mar – do Espírito Júlio Verne, psicografado por Rafael Ranieri; Energias – autoral de Robson Pinheiro. Bem como pincelado na Gêneses de Allan Kardec e A Evolução em Dois Mundos – Pelo espírito de André Luiz, psicografado por Chico Xavier.

*Todos os sites e fontes de pesquisa serão declarados um a um ao final de nosso material no ultimo capítulo.

Sendo assim, nosso intuito é o de juntar em um local só tudo que se pode observar e sentir em torno de mediunidade e tudo que a circunda;

Bem vejamos, para compreender como a mediunidade começa primeiro precisamos conhecer tudo antecessor a ela, sim! antes, começaremos falando sobre energias, desvendado junto ao Saraceni e ao Pinheiro todos os tipos e onde elas atuam…

Capítulo I – Energias

A palavra energia deriva do nome grego enérges, que significa atuar.  No livro Energia[1] Robson nos dá uma ideia profunda sobre energia, o livro autoral passa ser nossa base neste estudo que se inicia a partir de agora.

Assim sendo, a energia, em qualquer de suas manifestações, refere-se a algo real, efetivo, embora nem sempre perceptível, mas que atua de forma concreta no universo, produzindo efeitos variados.

Einstein (1879 – 1955) nos deduz energia: “A matéria é energia em estado de condensação, a energia é matéria em estado radiante”

[1] Energia, Novas Dimensões da Bioenergética Humana – Robson Pinheiro, orientado pelos Espíritos Joseph Gleber, André Luiz e Jose Grosso

Qual a diferença de energia e fluído?

Energia x Fluido

A palavra energia aplicada em vários segmentos, pode apresentar diversos significados mas, aqueles que a utilizam, nem sempre tem a preocupação de utilizá-la corretamente ou conhecer seu verdadeiro significado.

Ela pode ser interpretada como vigor, como na frase: ‘as crianças possuem muita energia!’. Também pode expressar autoridade: ‘o comandante dirige seus soldados com energia’.

No campo das Ciências, particularmente na Física, define-se Energia como sendo a “capacidade de realizar trabalho”.

Já a palavra “fluido” é raramente utilizada e, quando a utilizam, é pronunciada como ‘fluído’, que na verdade é o particípio passado do verbo fluir. Define-se fluido como sendo todo elemento ou substância que não tem forma própria. São considerados como fluidos os líquidos e os gases. Há outros mais sutis, como o fluido elétrico e o fluido magnético.

Assim como temos fluidos materiais, que fazem parte do nosso dia-a-dia, também há fluidos de natureza espiritual.

Os fluidos materiais são manipulados pelo próprio ser humano de inúmeras formas, conforme as necessidades para manutenção da vida física: na elaboração dos alimentos, na composição de medicamentos, na utilização de aparelhos eletroeletrônicos, entre outros.

Já os fluidos de natureza espiritual são manipulados pelos Espíritos, e essa utilização não depende do seu nível de evolução; tanto os Espíritos superiores quanto os inferiores, manipulam fluidos espirituais. Nós não podemos ver esses fluidos, mas podemos sentir seus efeitos pela agradável ou desagradável sensação que nos proporcionam.

A doutrina chama, pois, de fluido, a matéria que para nós encarnados é imponderável com o intuito de diferenciar a nossa matéria física ponderável da matéria extrafísica, imponderável.

Infelizmente no meio espírita, o uso da palavra ‘energia’ também se espalhou. Encontramos, com frequência, expressões como: energias positivas e negativas, doação de energias, centros energéticos, energias descompensadas, etc. É muito comum, por exemplo, dizer que o passe é uma “transfusão de energias”. O correto é dizer que o passe é uma transfusão de fluidos de natureza superior, que irão auxiliar no equilíbrio espiritual, mental e também físico de quem o recebe.

O que seria de Kardec e da Doutrina caso tivesse optado por não se preocupar com o aspecto científico contido nos ensinamentos que recebia da Espiritualidade?

Não deve passar desapercebido, para quem estuda com profundidade, que ele não empregou a palavra ‘energia’ em nenhum de seus livros, nem na Revista Espírita. Em sua quinta e última obra “A Gênese”, ele dedicou um capítulo para tratar especialmente dos “Fluidos” (Capítulo 14).

O Espírito André Luiz, pela psicografia de Francisco Cândido Xavier, também tratou dos fluidos na obra “Evolução em dois mundos”. Já no capítulo 1 da Primeira Parte, ele trata do ‘Fluido Cósmico’ e, no Capítulo 13, ele trata da ‘Alma e Fluidos’.

Esses temas são trabalhosos e, devido à sua dificuldade, oferecem uma resistência muito grande para o seu estudo nas casas espíritas. Sem dúvida, a questão é complexa e profunda, mas isso não impede que se aprenda, com Kardec, a utilizar os conceitos espíritas de forma correta.

Muitos poderão contestar dizendo que Jesus também não disse nada a respeito desse assunto. Disse sim, e várias vezes! Mas, adequando seus ensinamentos à capacidade de compreensão das pessoas daqueles tempos, Ele utilizou essa verdade sublime através de um conceito que Ele destacou com ênfase: a fé. Dizia Ele aos que recebiam a benção da cura de seus males: ‘a tua fé te salvou’; ou aos que se sentiam sobrecarregados pelo sofrimento: ‘se tiverdes fé do tamanho de um grão de mostarda…’!

A fé, capacidade de confiança no poder divino, semente que todos podem desenvolver, foi enfatizada por Jesus em muitos de seus ensinamentos, mostrando o grande poder de atração que ela possui, em benefício de quem a soubesse aplicar com sabedoria. Kardec, em O Evangelho segundo o Espiritismo (Cap. 19, item 5) também citou a fé, como poderoso fluido magnético, isto é, com grande poder de atração, dizendo que ‘graças a ela, o homem age sobre o fluido, agente universal, modifica-lhe as qualidades e lhe dá impulso por assim dizer irresistível.’

Cap. XIX – 5. O poder da fé se demonstra, de modo direto e especial, na ação magnética; por seu intermédio, o homem atua sobre o fluido, agente universal, modifica lhe as qualidades e lhe dá uma impulsão por assim dizer irresistível. Daí decorre que aquele que a um grande poder fluídico normal junta ardente fé, pode, só pela força da sua vontade dirigida para o bem, operar esses singulares fenômenos de cura e outros, tidos antigamente por prodígios, mas que não passam de efeito de uma lei natural. Tal o motivo por que Jesus disse a seus apóstolos: se não o curastes, foi porque não tínheis fé.

Recomenda-se portanto, muita cautela no emprego desses dois conceitos: energia e fluido. Importante analisar as obras espíritas, sobretudo as da atualidade, para verificar até que ponto os autores estão comprometidos com os aspectos científicos da Doutrina, e buscando a evolução dos estudos.

Energia e fluido são estados distintos da matéria sutil e quintessenciada. O fluido é o estado mais elementar, mais simples; a energia já é uma diferenciação do fluido e que pode manifestar-se sob vários aspectos: elétrica, gravitacional, magnética, eletromagnética etc. Essa mesma energia vai mostrar-se como mecânica, potencial, cinética etc.

Tudo o que existe no Universo, com exceção dos princípios inteligentes, é energia.  Essa energia se manifesta em diferentes padrões vibratórios, e é essa diferença que caracteriza os diferentes estados da matéria. Quanto menor a frequência de vibração de suas partículas constituintes, mais adensada se torna a matéria, e quanto maior a frequência de vibração, mais etérea ou quintessenciada ela se torna.

Tomando como referência a nossa dimensão física, temos, por exemplo, a matéria no estado sólido, cujos elétrons têm uma frequência de vibração mais lenta. Já no estado líquido, os elétrons vibram a velocidades maiores. No estado gasoso, nossa matéria física encontra-se em estado mais etéreo que nos outros estados, pois suas partículas têm uma frequência de vibração maior. Poderíamos dizer que os gases são substâncias fluídicas em relação aos líquidos e sólidos.

Na dimensão espiritual ocorre algo semelhante. Podemos tomar como exemplo o perispírito ou corpo espiritual. Quanto menos evoluído moralmente for o espírito, mais denso ele se apresenta. Nesse caso, as suas partículas elementares vibrarão numa baixa frequência em relação às partículas elementares do corpo espiritual de um espírito moralmente superior, cuja tecitura será muito mais fluídica, eterizada ou quintessenciada em relação à de um espírito moralmente inferior.

Resumindo, o termo fluido diz respeito ao grau de eterização da matéria e a matéria nada mais é do que a energia condensada. A luz é energia. Todavia, ao se diminuir a velocidade de vibração de um fóton, este transforma-se em um elétron, ou seja, a nossa matéria física nada mais é do que luz condensada ou coagulada. E vice-versa, ou seja, ao se acelerar um elétron através de um acelerador de partículas a velocidades próximas da luz, este se transforma em um fóton. Dessa forma, a matéria física também poderia ser convertida em luz.

No próximo post continuaremos falando sobre tributos de energia..

https://cendee.wordpress.com/2016/02/26/atributos-de-energia/

Charlie Sheen – Um problema espiritual

Charlie Sheen anuncia ao Today, da NBC, que é portador do vírus HIV (Foto: NBC / Reprodução)
Charlie Sheen anuncia ao “Today”, da NBC, que é portador do vírus HIV (Foto: NBC / Reprodução)

O ator Charlie Sheen anunciou que é portador do vírus HIV. Em entrevista ao programa “Today”, da rede norte-americana NBC, nesta terça-feira, 17, ele confirmou as especulações publicadas em revistas e sites de celebridades. “Estou aqui para dizer que sou HIV positivo”, disse Sheen, que ainda afirmou ter descoberto a doença há quatro anos. “Eu descobri quando comecei a ter uma série de dores de cabeça e fui hospitalizado. Eu achei que tinha um tumor cerebral. Mas depois de uma bateria de exames eles entraram no quarto do hospital e… são três letras difíceis de digerir”.

Durante a entrevista, o ator afirmou que sempre foi honesto sobre sua condição e que não sabe como contraiu o vírus. “É impossível eu ter transmitido o vírus para alguém. Eu sempre contei para as pessoas com quem me relacionei sobre a minha condição e fiz sexo seguro. Sem exceções”.

“Sempre fui honesto e fiz sexo com proteção. Mesmo assim, fui chantageado e extorquido”, disse ele, acrescentando: “Eu paguei muita gente, mas não quero entrar em detalhes sobre quantas. Não foi muito dinheiro, mas o suficiente para chegar à casa dos milhões (de dólares). O que as pessoas esquecem é que isto é dinheiro que elas tiram dos meus filhos e não só de mim.”

Charlie Sheen (Foto: NBC / Reprodução)
Foto NBC / Reprodução 

Prostitutas e drogas
Isso não o impediu de continuar se relacionando com prostitutas. “Eu continuava a chamar porque estava muito deprimido com a minha condição. Comecei a abusar de drogas e beber muito”, afirmou ele, que espera que com a revelação pare as chantagens: “Esse é o meu objetivo. Esse não é meu único objetivo. Acho que me soltei da prisão hoje.”

O ator ainda afirmou não ter medo de ficar estigmatizado com a doença: “Eu tenho a responsabilidade de melhorar quem eu sou e ajudar as pessoas pelo que estou fazendo hoje, elas venham e digam: ‘Obrigada, Charlie'”.

“Charlie achava que era indestrutível e não tomou precauções, mesmo que ele estivesse se entregando a práticas sexuais de alto risco”, contou um amigo do ator, que pediu para não ser identificado, à publicação.

Revista National Enquire com Charlie Sheen na capa (Foto: Reprodução)
Revista National Enquire com Charlie Sheen na capa (Foto: Reprodução)

O astro tem uma longa lista de conquistas amorosas, já se envolveu com strippers e atrizes pornô e se gabava de ter dormido com mais de cinco mil mulheres. De acordo com a “National Enquire”, pelo menos quatro dessas estão processando Sheen por ele ter ido para cama com elas sem expor sua condição.

 

“Charlie teve relações sexuais com múltiplas parceiras, sem informá-las de sua infecção potencialmente mortal do HIV”, disse uma fonte à revista. Segundo ela, o ator ainda não sabe como contraiu o vírus. “O pior medo dele é de ser lembrado não como um grande ator, mas como alguém que contraiu a doença”.

fonte: http://ego.globo.com/famosos/noticia/2015/11/charlie-sheen-revela-na-tv-que-e-portador-do-virus-hiv.html

Sentido Espiritual

Livro Legião – Um olhar sobre o Reino das Sombras – Ângelo Inácio/Robson Pinheiro (cap 1.)

“Quando a mente em desequilíbrio produz matéria mental tóxica, mórbida e doentia, essa matéria adquire imediatamente o aspecto já consagrado pelas mentes de milhões de criaturas como algo indesejável. Verifiquemos, na prática, como tais criações (que são seres vivos, dotados, contudo, de vida artificial) assumem formas ditadas pelas mentes humanas e passam a agir na aura das pessoas.” Assim que pronunciou essas palavras, Pai João nos chamou a atenção para dois jovens que passavam em frente a uma casa noturna, inebriados com a ideia de adentrar no ambiente eletrizante. Paramos do lado de fora, observando o trânsito de pessoas, quando o pai-velho apontou em direção ao solo, próximo aos pés das pessoas, particularmente dos dois jovens. Algo parecido com baratas surgia por onde pisavam; porém, as formas pareciam ser feitas de plástico. Moviam-se pernas acima, como que absorvendo dos encarnados alguma espécie de alimento invisível, mas necessário. Novamente foi Pai João quem nos orientou: — As baratas, meus filhos, são animais de hábitos noturnos. Nesse período é que saem do abrigo para alimentação, cópula, oviposição, dispersão e voo. Portanto, as formas-pensamento inferiores, quando assumem a aparência de baratas, são classificadas como parasitas noturnos. Naturalmente, são encontrados onde há maior concentração de energias mentais desequilibradas e maior número de pessoas reunidas, cujo hálito mental esses parasitas absorvem, a fim de se manterem vitalizados. “Durante o dia, as baratas que convivem com os humanos esquivam-se da luz e das pessoas; entretanto, algumas condições especiais contribuem para seu aparecimento diurno, tais como excesso de população, falta de alimento ou água, ocorrência de coisas estragadas, com odores em geral desagradá- veis aos humanos, além de locais com pouca higiene. Quando consideramos os parasitas astrais elaborados e mantidos através de formas-pensamento inferiores com feição de baratas, podemos entender que o fluido mórbido que serviu de matéria-prima para esses insetos também tem comportamento noturno, tal qual suas duplicatas do mundo visível. São formas parasitárias comumente encontradas em ambientes fechados e possuem hábitos que contrariam a higiene mental e espiritual. Por analogia, são atraídas para lugares onde se encontra uma população encarnada que adota hábitos compatíveis com os seus, onde, ainda por cima, não há muita luz natural. Tais criações não assimilam corretamente as radiações solares, por isso a atração por locais que funcionam à noite. Como regra, sugam as energias de seus hospedeiros a partir dos membros inferiores, provocando nos encarnados uma descompensação energética intensa.” Convidando-nos a examinar outro local, Pai João nos conduziu a um ambiente totalmente diferente.

— Aqui, meus filhos, veremos outra aparência de parasitas energéticos, que assumiram a forma de aranhas. São criações mentais peçonhentas e de maior gravidade para o elemento humano. Estávamos agora próximos a um hospital, mais precisamente num pronto-socorro municipal, onde várias pessoas doentes, acidentadas ou sob a ação de tóxicos aguardavam, há algum tempo, o cuidado por parte dos profissionais de saúde. O local cheirava mal, e a sensação desagradável era aumentada principalmente devido à ação do pensamento das pessoas ali presentes. Agoniadas, exaltando cada uma delas seu próprio mal-estar, procuravam realçar cada detalhe de suas dores. Mais uma vez, Pai João nos intimou a vasculhar os detalhes da cena. Diversos indivíduos que exalavam odores desagradáveis pareciam atrair formas mentais assemelhadas a aranhas, que andavam sobre seus corpos e, em determinado momento, inseriam pequenos ferrões nos corpos de suas vítimas, como se injetassem algum veneno nelas. A visão era de causar arrepios em qualquer um que observasse.

— Quando consideramos as aranhas materializadas na Terra — retomou Pai João —, sabemos que são animais carnívoros que se alimentam principalmente de insetos, como grilos e baratas. Muitas têm hábitos domiciliares e possuem ferrões, utilizados para inoculação de veneno. Em geral, a forma astral mantida pelos parasitas energéticos que assumem o aspecto aracnídeo ataca o ser humano atraída pelo teor energético de pensamentos desleixados e mórbidos, emitidos por quem se entrega ao sofrimento e não zela pela educação íntima de suas emoções. São pessoas que trazem a marca do desespero e têm prazer em ressaltar suas dores, transferindo aos outros a responsabilidade por aquilo que lhes acontece. Os parasitas energéticos que se alimentam desse tipo de fluido mórbido atacam através da aura da saúde, injetando o veneno fluídico em sua vítima por via cutânea. Surgem então as inflamações energéticas características, que acometem a periferia do duplo etérico exatamente nos pontos em que houve picadas. O agravamento desse quadro dá-se com ulceração e posterior rompimento da estrutura da aura das pessoas. A partir daí, as conseqüências são mais drásticas, pois, sem a integridade do duplo, a saúde e o equilíbrio ficam seriamente prejudicados. Notamos, Raul e eu, que as pessoas sugadas e atacadas pelas formas energéticas de aranhas apresentavam suas auras rompidas, como se houvesse um rasgo ou uma ruptura no duplo dessas pessoas. — Através dessa ruptura energética, os nossos amigos encarnados absorvem mais facilmente as correntes mentais infelizes de desencarnados e, ao mesmo tempo, perdem energias vitais preciosas. Vejam que a ação dos parasitas vampiriza os encarnados, baixando-lhes tanto a resistência energética quanto a imunológica. Um indivíduo destacou-se dos demais, pois um número maior de aranhas — ou de criaturas mentais com tal aspecto — sugava-lhe mais intensamente. Estava todo coberto desses parasitas, que lhe penetravam pelo nariz, pela boca, pelos olhos e ouvidos; após exame mais atento, reparamos que a região da genitália também se transformara em uma abertura no seu campo energético. Esses seres arrojavam-se, por todos os orifícios, para o interior do corpo de seu hospedeiro. A visão causava repugnância e, ao mesmo tempo, despertava em nós vontade de auxiliar, impedindo que ocorresse aquele tipo de vampirização energética tão voraz. — Não adianta, por ora, qualquer recurso magnético, Ângelo — interferiu Pai João. — Poderíamos até liberar a aura de nossos irmãos desses parasitas ferozes; no entanto, cada um tem de desenvolver suas próprias defesas psíquicas, através da educação das emoções e dos pensamentos, para que a situação de desequilíbrio não retorne. Nesse momento, nossa ação seria ineficaz, pois esses companheiros nem sequer acordaram para a realidade espiritual e, por isso, não estão preparados mental e emocionalmente para uma reprogramação de suas vidas. Somente com essa reprogramação e as ações dela decorrentes é que poderiam se ver livres definitivamente das criações mentais peçonhentas. “Vejam, meus filhos, como o quadro é complexo. Além do ataque através da aura da saúde, que é efetuado pelos poros da epiderme perispiritual, outras formas parasitárias penetram no interior dos corpos astral e etérico, causando uma resposta imunológica que evolui para anemia, ictericia cutâneomucosa e hemoglobinúria (que é a presença de sangue na urina); entre outros sintomas, a insuficiência renal aguda é a complicação mais nociva ao corpo físico quando a pessoa é atacada por esses seres peçonhentos. “Para agravar ainda mais a contaminação fluídica, na contraparte astral esse tipo de parasita é utilizado por obsessores com regalo, pois sua manutenção não exige deles nenhuma cota de energia mental. Para sustentar o processo de ataque energético e envenenamento vital, bastam as emoções transtornadas de seus próprios alvos. Só lhes cabe canalizar os seres aracnóides para a aura dos encarnados; a partir daí, os próprios homens, com sua invigilância mental, produzem o fluido mórbido que dá forma e alimenta a existência dos parasitas. “No campo físico, o tratamento soroterápico é o indicado para deter o processo das inflamações causadas por animais peçonhentos; na esfera sutil, somente o passe magnético intensivo, acompanhado de um processo de reeducação mental e de descontaminação energética, poderá liberar o indivíduo das formas monstruosas e de sua ação nefasta sobre a saúde de meus filhos. Muitos pais-velhos costumam prescrever o uso de ervas cujo teor energético é anti-inflamatório e anti-infeccioso. Ministradas através de banhos ou beberagens, tais ervas têm seu bioplasma ativado com tamanha intensidade que suas propriedades energéticas e terapêuticas promovem uma limpeza intensa na estrutura do duplo etérico. Ultra sensível, o corpo etérico absorve do elemento curativo das plantas as irradiações benéficas e saneadoras e naturalmente passa a expulsar as comunidades de parasitas mentais que se agregaram em suas linhas de força. O magnetismo administrado através dos passes é recurso muito útil; todavia, em qualquer caso, há que se proceder a uma modificação intensa dos hábitos mentais e das emoções do ser, senão outras comunidades parasitárias fatalmente assumirão o lugar daquelas que foram expurgadas de seus corpos.”

[…]

— Existem outros tipos de contaminações energéticas, cujos elementais artificiais envolvidos adquirem outros aspectos, sempre relacionados a “moldes” do plano físico. Algumas criações mentais inferiores, principalmente aquelas desenvolvidas em laboratórios de espíritos especializados no mal, apresentam-se com o aspecto das lacraias. Embora, no mundo físico, o veneno das lacraias não seja considerado muito tóxico para o homem, as formas astrais desses parasitas sintonizam-se geralmente com os elementos do sexo desrespeitoso e vulgar. São criações mentais elaboradas e mantidas com o intuito de sugar especificamente as energias sexuais e estimular o desejo descontrolado pelo sexo fácil e intenso, mas que jamais satisfaz os anseios do indivíduo. Isso ocorre porque as formas energéticas que contaminam o hospedeiro, introduzidas nas regiões genital e anal, alimentam a compulsão pelo sexo. Fisicamente, poderão ser detectados, em alguns casos, dores fortes e inchaço (ou edema) no local onde as formas energéticas são implantadas e se prendem por magnetismo. O alvo ainda está sujeito a apresentar estado febril, calafrios, tremores e sudorese, além de pequenas feridas na região afetada, por onde os parasitas penetram no interior do corpo físico e, por conseguinte, do duplo etérico. É bastante comum também que as formas astrais de lacraias estejam associadas, no corpo físico, ao aparecimento do vírus conhecido como HPV.

“O uso de bebidas alcoólicas aumenta o teor energético dessa espécie de criação mental, que suga do fluido etérico emanado pelo álcool um tipo específico de vitalidade, da qual se utiliza para se fixar internamente nos órgãos do corpo físico ou nos órgãos energéticos, os chacras.” Pai João falava com tanta propriedade que dificilmente conseguíamos apreender todos os detalhes. O pai-velho nos saturava de informações preciosíssimas. — Outra forma energética que é comum observar em processos de contaminação fluídica — continuou — são as criações mentais que assumem o aspecto de formigas. Em geral percebidas apenas em sua ação, causam dores aparentes, inexistentes no corpo físico, mas perfeitamente sentidas por seus hospedeiros. Isso ocorre em virtude de esse tipo de parasita energético se agregar exclusivamente ao duplo etérico das pessoas. Além das dores, que mudam constantemente de lugar, causam uma espécie de coceira, que resiste a toda qualidade de medicamento utilizado pela medicina alopática e, às vezes, também pela homeopática. As formigas do astral agem de tal forma no duplo etérico que promovem a ressonância vibratória, com efeitos palpáveis no corpo físico, de modo mais e mais ágil, conforme perdure a enfermidade energética. Com o decorrer do tempo, sua ação nefasta passa a ser sentida quase que imediatamente. Podem, inclusive, provocar edemas e eritemas no corpo, sem causa aparente ou conhecida e resistentes a tratamentos convencionais. A presença desses parasitas assemelhados a formigas normalmente provoca nos médiuns clarividentes mais sensíveis, quando a percebem, transtornos de origem etérica, como calafrios, sudorese e taquicardia. Depois das explicações de João Cobú, saímos do pronto-socorro, demandando outros ambientes.

Muitos devem se perguntar o que a noticia de Sheen e o livro do Ângelo Inácio tem a ver?! 

Se prestaram atenção no que João Cobú vinha ensinando acima, sabem o quanto há de problemas nos organismo que se entregam ao álcool, drogas e sexo. Não só Sheen é vítima de seus prazeres como há inúmeros anônimos hoje sofrendo pelas mesmas razões, as doenças são variadas mas as causas sempre semelhantes.

Vejamos outro trecho do livro Senhores da Escuridão:

Penetramos no ambiente mantendo um acoplamento áurico, Raul e eu, de modo que pudéssemos nos apoiar um no outro, evitando assédios conscienciais indesejáveis.

Era definitivamente uma espécie de casa noturna. Ao entrar, vimos algo que merecia atenção.
— Raul, repare o comportamento das pessoas ao ingressar neste lugar. Ficamos parados por uns instantes a observar os espíritos que adentravam o ambiente astral. Assim que se identificavam, recebiam cápsulas, que engoliam sofregamente, como se fossem entorpecentes. Fechavam os olhos momentaneamente, talvez dando tempo para ocorrer algum efeito esperado.
Logo depois, dirigiam-se progressivamente ao interior da construção. Impossível não fazer correlação daquelas cenas com as raves, festas tão em voga na dimensão física, geralmente regadas a ecstasy, o narcótico da moda.

Aproximei-me de um dos espíritos para verificar de perto os efeitos da absorção daquela substância astral administrada a cada frequentador. Quando aumentei minha atenção, notei que a tal cápsula, ao ser ingerida, desfazia-se lentamente no interior do psicossoma ou perispírito, na área correspondente ao estômago. Do invólucro saíam milhares de seres microscópicos que, tão logo liberados, migravam para vários departamentos do corpo espiritual, alojando-se nas moléculas astrais. Vorazes, essas entidades microscópicas começavam a sugar energias preciosas acumuladas na estrutura molecular do perispírito. Era mesmo a versão original do ecstasy, ou seja, sua matriz astral. Os seres — que, a essa altura, já se haviam rendido ao poderoso controle mental e aos anseios manipuladores de algum habilidoso magnetizador — agora eliminavam definitivamente qualquer resistência remanescente. Com a ingestão daquela espécie de droga viva, elaborada nos porões do mundo oculto, recebiam o derradeiro empurrão para se colocar inteiramente à disposição de seus novos senhores, que permaneciam invisíveis.
— Ângelo, conte-me o que vê.

— Você nem imagina, meu caro. Por aqui se passa algo muito mais inquietante do que supúnhamos. São vampirizações energéticas operadas na intimidade do corpo astral e patrocinadas pelos dirigentes locais.

— Vampiros comandam este lugar? — Penso que somente os guardiões terão maiores recursos para determinar o que de fato ocorre aqui — respondi.

— Uma coisa é certa, porém. Está em andamento um método de controle de pensamentos e emoções de tamanha força e intensidade como jamais presenciei. As cápsulas distribuídas são, na verdade, colônias de bacilos psíquicos, que acarretam terrível prejuízo para aqueles que as ingerem.

— Como se fosse algum entorpecente ministrado aos espíritos, que vicia gravemente quem o recebe. Muitos acabam por se transformar em dependentes “químicos”…
— Exatamente, Raul. Não poderia me expressar melhor. Após nossas observações, entramos definitivamente na área central, na qual havia música intensa e inquietante. Ensinei a Raul como se preservar das ondas de pensamento que eram difundidas através do som. Assim que o médium utilizou os recursos de autopreservação da integridade psíquica, notamos uma mensagem subliminar inserida nas ondas musicais:
Venha, abandone seus escrúpulos morais. Deixe-se inebriar pelos desejos. Libere as emoções e viva plenamente suas fantasias. Você merece o melhor. Deixe que a sensualidade, a sedução e a libido sejam seu guia, sem culpas ou remorsos…

A mensagem era um estímulo aos excessos de toda natureza; um apelo inequívoco à liberalidade dos sentidos e das sensações.
[..]

Cada espírito, ao entrar, fosse desencarnado ou em desdobramento, recebia uma senha, através da qual era identificado. Numa das salas que visitamos, vimos um ambiente nos moldes de uma boate ou de uma discoteca. Diversos espíritos pareciam competir por espaço em meio às luzes de efeito estroboscópico e ao som de conteúdo hipnótico.

Entre os frequentadores do lugar, havia espíritos que destoavam completamente da multidão.

Portando micro aparelhos, dedicavam-se a fazer medições nos presentes. Seria cômico, se não fosse trágico: indivíduos trajando uniformes modernos, com ar científico e compenetrado, transitando em meio a clubbers que, de tão alucinados, não pareciam notá-los. Realmente destoavam muito, tanto no aspecto exterior quanto na forma de agir. […]

Charlie foi apenas um “personagem” trágico, vítima de todo esquema sombrio que atinge a humanidade, as suas vontades inciais, seus desejos são escolhas, dado o primeiro passo, o resto será manipulação obsessiva.

Fique esperto! Hoje o que se faz colhe-se muito rápido. E aos que pensam que o HIV é normal e que não mata gostaria de deixar registrado o comentário de um anônimo.. Só está livre aquele que vigia seus pensamentos e não cai nas teias de opiniões e ações coletivas, que ao que parecem no ritmo que está o mundo, indo pro buraco. Cuide-se! 

2Comentário extraído de:

http://diariogaucho.clicrbs.com.br em 17/11/2015

Aula Corpos Espirituais – 7° Corpo – Átmico – Espírito

  • Espírito Pleno
  • Transparente – invisível
  • Foge a todo o entendimento humano
  • Transcende a tudo que tem na existência Onipresente absoluto (é a capacidade de estar em todos os lugares ao mesmo tempo)
  • Constitui Essência Divina
  • Onde está guardado todos os “valores” do ser
  • É como a planta: é semeada, brota, se desenvolve, dá seus frutos, e recicla-se, sem deixar sua essência de vegetal.
  • Não tem forma, mais acredita-se que seja um ponto de luz.

No livro Além da Matéria, Gleber nos traz a seguinte descrição:

Essência divina, consciência pura; diretora de idiogênese.

O corpo átmico é a própria partícula da vida, o principio coordenador. Também chamado de eu cósmico, mônada e semente da vida. É o espírito puro. Impossível descrever sua essência divina. Imanamente, transcendente, inexplicável e indescritível – ao menos segundo padrões humanos. Apenas é.

O corpo átmico é o ser principal, criação direta do Todo-Sábio. Tanto quanto seu criador, só pode ser sentido. Parcialmente e palidamente poderá ser analisado, pois faltam bases para que possa ser associado a algo que se conheça. É parte imortal e fonte de toda vida, a causa criada e eterna, que é ao mesmo tempo ator e ato, o espectador e o produtor de grande drama evolutivo. É imortal, consciência pura.

A cada ação do espírito no palco abençoado das encarnações, os corpos vão se adelgaçando, se transubstanciando. À medida que cresce, aprende, aperfeiçoa-se, o ser despe-se dos corpos mais pesados e densos, passando a atuar em níveis e dimensões de consciência cada vez mais sutis. Um dia brilhará puro, independente dos envoltórios que utiliza em sua caminhada rumo ao infinito.

Bibliografia de todo material sobre corpos publicado:

Aula Corpos Espirituais – 5° Corpo – Mental Superior

55° Corpo – Mental Superior

  • Também faz parte do veículo que se utiliza o EU cósmico para se manifestar como intelecto, porém é abstrato
  • Ajuda no processo de criação de pensamentos, dando vida a eles, ou seja Pensamento-Forma* (próximo post explicaremos sobre)
  • Pertence à ordem superior dos corpos, estando dentro do Ternário Superior. Aqui cabe um adendo onde há uma separação entre os sete corpo, tendo uma divisão classificada em quartenário inferior, composta pelos corpos mais grosseiros em energia: físico, duplo etérico, astral e mental inferior; E o ternário superior, composto pelos três corpos de energia superior, conforme mostra a imagem abaixo:

6Essa divisão mostra onde a energia e pensamentos interferem a ponto de acrescentar e mudar nossa essência e onde encontram barreiras, porém essa barreiras não negativas apenas demarcam parte da essência que não sofre mutação devido a pureza da criação e continuação das missões e evolução advindas da criação de cada indivíduo.

  • Neste corpo, trata-se de percepções mais avançadas, como a lógica, por exemplo.
  • Natureza magnética também
  • Tempo e espaço na dimensão desse corpo não existe
  • Sede dos fenômenos medianímicos: clarividência, telepatia e premonições, etc.
  • Cria as noures “correntes” de pensamento
  • O quarto corpo ainda constitui um invólucro inferior, Pois padece do fenômeno do intelecto
  • Corpo que permite a regressão (onde acessará informações do sexto)
  • Enquanto o mental inferior decifra o gosto, cheiro, cor dos objetos, o mental superior elabora e estrutura princípios e ideias abstratas, buscando síntese ou conclusões que, por sua vez, são geradas de novas ideias.
  • Avalia então, o volume, a área, o peso, propriedades, relacionando símbolos e leis.
  • Sua forma parece um botão de flor, e conforme há evolução ele vai desabrochando e quando há contaminação emocional de baixa vibração as cores se modificam, abaixo imagens ilustrativas:

Na próxima imagem nos dá uma ideia de fluxo energético, pois ele atua em todos os corpos para gerar evolução e e resposta:Aqui podemos perceber onde a obsessão interage em sua anatomia fluídica:

Extraído de:  Círculo Eclético da Luz (C.E.L.)

Memória criativa pode ser percebido pela vidência. Este corpo é o segundo grande banco de dados de que dispõe o ser. Ele elabora e estrutura princípios e ideias abstratas, buscando sínteses ou conclusões que por sua vez são geradoras de novas ideias e assim por diante, infinitamente. Quando ligado às coisas superiores, ocupa-se de estudos e pesquisas visando o aprimoramento do ser. Quando apegado às vivências inferiores em conexão com seus atributos de poder, mando e domínio do meio, cria sérias dificuldades à personalidade encarnada, pois costuma fragmentar-se em sub níveis, liderando linhas de perturbação com os demais, que se ausentam, ignorando a realidade da personalidade encarnada.

Tem forma de uma rosácea com nove pétalas; quando harmônico e saudável possui tom cromático de chamas amareladas ou laranja com várias outras nuances de cores, e cada pétala tem um significado por estar ligada ou retratar as vibrações de cada um dos sete níveis, (sendo que o Átma, o Astral e Duplo Etérico são representados por duas pétalas cada, O Búdico está representado pela pétala superior em forma de cálice contendo dentro três pétalas menores representando as três almas, Moral, Intuitiva e Consciencial).

Por ser o equipo do raciocínio criativo, é nele que acontece a elaboração do processo responsável pelo avanço científico e tecnológico, além de todo nosso embasamento filosófico. É o corpo que faz avaliações, formula teorias, relaciona símbolos e leis. Trata do subjetivo, da imaginação, está mais relacionado com o Eu Superior ou Crístico, com a Individualidade. É o Corpo Causal, é causa, detentor da vontade e imaginação, é normalmente o gerenciador dos programas e ações do ser. Apega-se facilmente ao mando e poder, é o nível que tem o atributo do domínio do meio onde o ser vive, podendo por alguma contrariedade reagir negativamente a esse meio. 

E também conhecido como corpo causal. Elabora princípios e ideias abstratas, realiza análise, sínteses e conclusões. É sede das virtudes e de graves defeitos. O Dr. LACERDA sugere que o corpo mental seja de natureza magnética, com frequência muito superior a do corpo astral. Considerando que a energia de um campo radiante, de qualquer comprimento da onda, é igual a constante de Plack multiplicada pela frequência da onda, isto é, W = h.n onde W = energia, h = constante de Planck (6,6128273 x 10-27 erg/s) e n = frequência, conclui-se que o corpo mental deve necessariamente ter muito maior energia de propagação do que os campos mais densos como o físico, etérico e astral, cujas frequências vibratórias são muito menores.

Importância deste fato: A força da mente é poderosa e pode fazer o bem ou o mal, consoante, a intenção com que é projetada. Alguém já disse que todo pensamento bom é uma oração é todo o pensamento mau é um feitiço. Por outro lado quem vibra em amor, constrói ao redor de si um campo energético protetor contra a ação de mentes negativas (mau olhado, feitiço, magia negra, etc). Do mesmo modo, afins se atraem.

Outra descrição memorável vem por parte da literatura de Robson Pinheiro que nos traz em um de seus livros (Além da Matéria) psicografados por Joseph Gleber, importante salientar também que  a conjuminação dos corpos mental inferior e mental superior formam uma vibração singular o qual denomina-se apenas corpo mental, ambos possuem força mista a qual se designa ao raciocínio e compreensão das coisas na matéria, segue descrição:

esquema

Definição: é um corpo energético de dimensão superior ao psicossoma, sem forma apreciável. Ao contrário do psicossoma, não possui órgãos internos que se assemelhem aos do corpo físico. É o idealizador e o mantenedor das formas e do funcionamento dos corpos que lhe são inferiores.

  • Sinonímia: Paracorpo, corpo superior, corpo puro, corpo do espírito, corpo sem forma.
  • Subdivisões: Mental inferior e mental superior
  • Chacras correspondentes: Laríngeo e frontal.

     O corpo mental caracteriza-se por ser disforme, ou seja, não mantém a forma do corpo humano, como o psicossoma. Geralmente, no plano mental, apresenta-se como um corpo ovalado, nebuloso e extremamente luminoso. Também conhecido como mentalsoma, pode se apresentar em variações cromáticas entre o branco, o azul e o dourado. Manifesta-se no plano ou dimensão mental, acima do alcance dos sentidos humanos. É imperceptível aos sentidos humanos porque transcende a forma e o espaço conforme são percebidos pelo ser humano.

     Sede da consciência cósmica, do pensamento contínuo e da memória integral, o corpo mental encontra-se no psicossoma, e não no cérebro humano. Isto é, localiza-se na região do perispírito que corresponde à cabeça –  e não no encéfalo. Enquanto o psicossoma faculta à consciência liberta definitiva ou momentaneamente a articulação extra-física da fala, em forma de diálogo mental ou trans-mental, o corpo mental só se manifesta através da telepatia, sem articulação que se assemelhe a palavras.

     No ser encarnado, os atributos do corpo mental somente são sentidos intensamente após o ser humano já haver superado o domínio do corpo emocional ou psicossoma. Isso se dá após  o amadurecimento do ser, quando superar os impulsos animais.

     Tanto o duplo etérico quanto o psicossoma, embora sejam importantes para o momento evolutivo do ser na Terra, ofuscam-lhe a visão mental, pois tais corpos inferiores estão imersos em impulsos emotivos, enquanto o corpo mental está livre das manifestações próprias da emotividade. A conquista dos atributos da mente somente será realizada após o ser viver plenamente as etapas coordenadas pelo corpo emocional e amadurecer, transcendendo esse estágio.

     Quando o homem viver plenamente suas experiências físicas e sociais e conquistar a serenidade relativa que produz o amadurecimento da emoções, então poderá adentrar no domínio do campo mental. Livre das preocupações da matéria, terá maior tempo a sua disposição para se dedicar às realizações da mente e do espírito.

     O hábito de realizações espirituais e de estudos elevados pode ser um dos fatores importantes no desenvolvimento do corpo mental.

     Dentre as formas de manifestação da parapsicofisiologia do corpo mental, indicamos alguns de seus atributos:

  • Transmissor de imagens mentais
  • Criador de formas-pensamento
  • Mediador entre os planos ou dimensões mental e astral
  • Coordenador da projeção de sentimentos racionalizados

     O corpo mental favorece o livre curso das ideias após transformar os circuitos intelectivos do ser, absorvendo elementos superiores que nutrem o intelecto. Podemos dizer que o corpo mental possui, à semelhança do cérebro físico, dois hemisférios, embora diferentemente da estrutura física do cérebro humano. Não possui forma, e cada hemisfério – assim denominado para efeito de aprendizado – representa polaridade negativa ou positiva. As experiências vividas pelo ser são arquivadas definitivamente no plano mental, através do corpo mental, ficando aí registradas como experiências necessárias (positivas) ou momentaneamente desnecessárias (nocivas).

     O corpo mental não atua diretamente sobre a matéria, mas atua intimamente ligado ao psicossoma. É somente através do psicossoma, quando o espírito está encarnado, que o corpo mental tem as percepções de espaço, forma, tempo e todas as demais que são próprias da vida material.

     O corpo mental tende a brilhar, crescer e se expandir à medida que o espírito evolui. Assim como o psicossoma é o responsável pela manifestação das emoções, o corpo mental é o responsável pelos pensamentos e sentimentos elevados. Portanto, melhorar os sentimentos e trabalhar o pensamento, expandindo a capacidade de raciocinar, é significativo para o desenvolvimento do corpo mental.

     Os estados mórbidos ou parapsicopatológicos associados ao corpo mental são perfeitamente observáveis nos espíritos errantes, principalmente logo após o processo de morte biológica.Quando o  ser retorna à dimensão extra-física sem a consciência do impacto desencarnatório, apresenta uma parapsicopatologia que é possível trabalhar através da terapia empregada nas reuniões de evocação ou desobsessão. A parapsicose apresentada por espíritos recém-desencarnados, ou consciências extrafísicas, com monoideísmo reflete distúrbios próprios do corpo mental.

     Entidades extrafísicas carentes de energia mental vigorosa apresentam-se como vampiros, sugando as reservas energéticas de encarnados e desencarnados, provocando diversos prejuízos. Nesses casos tão comuns, ocorre um aparente déficit na atividade mental do indivíduo, pois tais entidades ajustam-se vibratoriamente às auras dos encarnados. Procuram suas vítimas em ambientes que favoreçam emoções fortes. Como a carência energética desses seres reside no corpo mental, os hospedeiros dessas almas desajustadas passam a abrigar formas-pensamento ou ideias desequilibradas e impróprias aos seus ideais. O distúrbio nesses casos é mental, embora persistam os sintomas no corpo emocional (psicossoma), mesmo durante algum tempo após o indivíduo se liberar da energia mórbida. É o que chamamos de repercussão vibratória.

     No plano espiritual, é muito comum as entidades com disfunções no corpo mental serem tratadas através de terapias coletivas, pela mentalização terapêutica realizada por equipes de espíritos especializados. Em casos assim, destaca-se o papel das artes realizadas pelos espíritos: criações mentais através da música, pintura de telas nos próprios fluidos do mundo espiritual e outras manifestações artísticas servem de estímulo para o reajuste do corpo mental enfermo.

     Tanto nos desencarnados quanto nos encarnados verificam-se, muitas vezes, certas emoções incontidas ou descontroladas gerando processos parapsicopatológicos como deficiência mental, desenvolvimento retardado, dificuldade de concentração e falta de senso crítico, resultantes de distúrbios do organismo mental.

    Como causas desses distúrbios próprios do corpo mental, observamos alguns fatores que favorecem o aparecimento dessas disfunções, tais como: intoxicações energéticas, processos de simbiose mental entre desencarnados e encarnados, processos de dependência emocional prolongada entre seres que se esgotam mutuamente.

     e ainda traz um adendo específico sobre o mental superior:

O CORPO MENTAL SUPERIOR ou dimensão espiritual elabora e estrutura as ideias e está ligado ao Chacra frontal de uma forma especial. Esse conteúdo espiritual é denominado corpo mental superior ou abstrato porque elabora e estrutura  princípios e ideias abstratas, buscando a síntese e conclusões que definirão as ações do indivíduo. A mente espiritual é a responsável pelo raciocínio criativo, e em sua intimidade são elaboradas as intuições para o progresso científico da humanidade. Sua estrutura superior capacita o corpo mental para a elaboração de teorias e de avaliações.

     Quando o mental superior está viciado e através dele o homem entra em conexão com os conceitos de poder temporal, domínio de consciências, mando desmedido e tirania, esse corpo fragmenta-se, adoece e perturba profundamente a personalidade.

     É conhecido como super-consciente nos registros espíritas e é a fonte dos mais sublimes desejos, pensamentos e inspirações nobres e elevadas; representa a intuição pura.

     Assim como o conteúdo instintivo representa uma fase animal, emocional e os arquivos das experiências milenares, o corpo mental superior corresponde ao porvir, à inspiração. Em profunda conexão com o chacra frontal, produz o elo de ligação com as forças que engendram o progresso do mundo. É dessa dimensão cósmica que o ser vivo banha-se na fonte sublime da própria vida, traçando suas metas quanto ao futuro. Quanto mais predomina o corpo mental superior, menos força e influência exercem o conteúdo instintivo do corpo emocional e a ação intelectiva do mental inferior. A atuação desse elemento divino representado pela super-consciência supera os domínios do intelecto.

     De um lado, a força instintiva instiga o homem ao retorno às práticas inferiores, aos desejos e aos comportamentos antigos. De outro, a ação mais espiritual do corpo mental inspira-o a prosseguir desligando-se das emoções , da matéria e elevando-se cada vez mais à manifestação plena do ser. O homem fica dividido entre os dois apelos, e a pressão exercida por essas forças e pelas influências do contexto reencarnatório e do mundo extra-físico é que forja seu caráter, sua identidade espiritual.

Fontes – Literatura:

  • Além da Matéria – Uma ponte entre ciência e espiritualidade- espírito Joseph Gleber – Robinson Pinheiro.
  • Manual de Reflexologia e Cromoterapia – Pauline Wills

Imagens (inclusive a complementação sobre as doenças descritas nestes blogs e sites são muito interessantes, segue como material complementar também):

Aula Corpos Espirituais – 3° Corpo – Astral

3Apesar de muitas vezes acharmos que não possuímos contato com este corpo, este é mais imprescindível do que imaginamos, e nosso maior veículo! Sim, o terceiro corpo é o corpo de manifestações dos espíritos.

  • Então se um vidente visualizar um espírito ele está em contato visual com terceiro corpo do ser!
  • O Astral é o nosso corpo de manifestações em sonhos, assim como todos os seres que encontramos neles também o vestem.
  • Essa vestimenta astral é uma replica do corpo físico, ou melhor dizer, nosso corpo físico é uma réplica perfeita do corpo astral!
  • Forma humana deste corpo se deve a lei astral planetária, essa lei regimenta desde o terceiro até o primeiro, onde as formas se replicam em estrutura como a imagem de capa nos mostra.

Muitas teorias antigas já mostravam a existência deste corpo. vejamos:

  • Orígenes, filósofo da escola Neo – Platônica, no Séc. II d. C., ensinava que o espírito tem um corpo vaporoso, a “aura”. (Hoje sabemos que aura e o terceiro corpo são coisas distintas, mas falaremos em outro post sobre isso)
  • No Séc. IV, São Cirilo de Jerusalém disse: “As almas dos defuntos têm corpos mais sutis que os corpos terrestres.
  • Ainda no Séc. IV, Santo Hilário de Poitiers afirma: “não há coisa alguma na natureza e na criação […], que não seja corporal. Mesmo as almas, seja durante a vida, seja depois da morte, conservam alguma substância corporal […]”.
  • Paulo de Tarso definiu: Espírito = pneuma, Alma = psiquê e o corpo físico = soma.
  • Kardec – alma = perispírito.
  • Lacerda – perispírto = duplo-etérico; (essas duas colocações de Lacerda e Kardec estão na descrição do terceiro apenas para desmistificar a confusão que muitos fazem referente as diferenças de alma, duplo, perispírito, etc.)
  • Todo corpo possui um peso específico, que em física, é resultado da massa de um corpo dividida por seu volume: Pe = M / v. Este estado de maior ou menor densidade é que diferencia os espíritos dos encarnados.
  • Denomina-se Espírito tudo o que não tem corpo espesso e pesado.

Importância e densidade

☺ Corpo Astral = invólucro espiritual mais próximo à matéria.

☺ Todo espírito (na escala evolutiva) possui corpo astral.

☺ O corpo Astral é necessário para a manifestação do espírito.

☺ É o corpo no qual o espírito vive no plano astral.

☺ Espíritos que já não o possui, comunicam-se mentalmente com outros espíritos ou encarnados.

☺ Cada ser tem densidade do 3° corpo diferente uns dos outros.

Erraticidade

☻ Os espíritos muitos materializados vivem na erraticidade, junto as criaturas encarnadas.

☻ Erraticidade = estado de consciência sem finalidade útil (desencarnados).

☻ Causa principal – desconhecimento da evolução, ou apegos materiais.

☻ Se o espírito errante não for perverso, será encaminhado e orientado com segurança pelos médiuns astrais à hospitais astrais.

☻ Errantes sofrem e revivem sua morte por anos à fio. Mas mudam do padrão quando são ajudados, trocando suas roupas, curando as feridas, são bem tratados pelos médiuns astrais. Assim aceitam a evolução.

Purgatório

  • Zonas do Astral inferior.
  • Onde os espíritos inferiores esgotam as densas massas de magnetismo inferior (baixa frequência vibratória).
  • Muitos desencarnados carregam massas magnéticas alheias, consequências de ferimentos físicos infligidos à suas vítimas. (sofrem pelo que fizeram).
  • Nosso sangue impregnado de magnetismo animal – obsessões.

Passagem do livro Iniciação Viagem Astral:

Trecho do livro Iniciação – Viagem Astral, Autor: João Nunes Maia, pelo espírito Lancellin

[…] Daí a poucos demos entrada em um matadouro de gado bovino, ambiente turvado de magnetismo deprimente […]

[…] Caso um de vós altere as emoções, tornar-se-á visível a determinados Espíritos vaporizadores, o que irá dificultar os nossos trabalhos.

[…] Penetramos em um lugar assustador, estavam em círculo vinte vampiros, cuja descrição preferimos omitir. Com o chefe, formavam um magote de vinte e um. O que estava chefiando, vestia-se de vermelho encarnado, com uma espécie de capuz bipartido atrás e tendo nas pontas duas bolas pretas, no alto da cabeça, duas saliências o destacavam dos outros. Os bois estavam em filas obrigatórias, devido às cercas laterais que os prendiam, sem que eles pudessem ao menos se mexer. Ao passarem determinado ponto, caiam em suas nucas uma lâmina mortal. Logo a diante, um homem carrancudo fazia escorrer o sangue do animal já ajoelhado e exteriorizando suas dores.

Eu sentia reação profunda, sem que as deixasse passar para as emoções. Confesso, estava encontrando dificuldades para me manter em equilíbrio. […]

[…] Parece que o Miramez deixou que os vampiros iniciassem sua ação, para que pudéssemos ter uma ideia de como as coisas acontecem nos frigoríficos. Quando o magarefe enterrou a lâmina no pescoço do animal, cortando-lhe as veias, o vampiro–chefe avançou em primeiro lugar, e sorveu, de mais ou menos uma distancia de 30 cm, o fluído do plasma sanguíneo com uma habilidade espetacular. O plasma etérico se dividia, pela vontade dele, em dois jatos de energia que entravam pelas narinas e por sua boca, posicionada em forma de bico. Era grande a sua satisfação. Depois que sugou de uns três animais, até a inquietação dos outros, ele deu um sinal para o primeiro. Esse veio e fez o mesmo, sugando as energias vitais do animal. Quando chegou a vez do quinto espírito, senti que para mim era um sacrifício amputando aos meus sentimentos. Era demais! Então, pude observar que vampiros e magarefe eram uma coisa só. Miramez segredou-me, mesmo estando eu com a emoção um pouco alterada:

– Vê, Lancellin! A mediunidade se processa em toda parte. Este irmão está servindo de instrumento para os espíritos da sua mesma faixa se alimentarem com a energia do animal. E o pior é que essa classe de espíritos recebem o mesmo magnetismo inferior do animal, fortalecendo seus instintos mais baixos, e transmitem para o mesmo animal, ou seja, para a sua carne e ossos, outro tipo de fluídos pesados na mesma frequência, com os quais os homens, depois vão inundar seus organismos. É por isso que os comedores de carnes dos animais, mostram de vez em quando, no cotidiano, algo que lembra esses espíritos. Os espíritas se livram desse magnetismo inferior com os recursos dos passes, da água fluidificada e, por vezes, de prolongadas leituras espirituais; […] mais sempre sobram alguma coisa para transformar em doenças perigosas.

[…] Reunimo-nos todos, […] Miramez fez algumas articulações com as suas mãos, cortando as suas atividades, a contra gosto deles, e passou a orar […]

Os animais, depois da oração de Miramez, enfrentaram o corredor da morte com serenidade entregavam-se aos rudes processos de evolução […]

Médiuns Astrais

  • Todas as entidades que possuem o terceiro corpo.

Fenômenos do Desdobramento:

  • É quando o corpo astral separa-se do corpo físico. Levando com ele os outros envoltórios, e o próprio espírito.
  • O comum é o corpo se desdobrar durante o sono, viagem astral.
  • Durante o desdobramento o comum é não ter consciência do processo. As funções vitais são reduzidas ao mínimo (pressão arterial e temperatura corpórea), exceto para médiuns desenvolvidos que conseguem ter consciência deste processo para trabalhos no astral.
  • O desdobramento pode ocorrer também em situações como: choque emotivo forte, enfraquecimento por moléstias prolongadas (COMA), hemorragias volumosas, choques cirúrgicos, e outros estados anômalos.

Cordão de Prata

Já falamos um pouco deste cordão no segundo corpo, visto que é um “órgão vital” do mesmo, como ele interage até o quarto corpo, abaixo segue algumas informações da importância do dele para com o terceiro.

Seja qual for a distancia a que estiver do corpo, o espírito se mantêm ligado a ele por esse cordão de que falam iniciados de todas as épocas e até mesmo a bíblia.

  • “Antes que se rompa o cordão de prata, que se despedace a lâmpada de ouro, antes que se quebre a bílha na fonte, e que se fenda a roldana sobre a cisterna…” Eclesiastes, 12:6
  • Se se rompe, porém, a morte chega. Irreversível. Segundo relato de espíritos, quando entidades superiores rompem esse cordão por ocasião da morte, produz-se relâmpago de luz intensa, pela liberação de energia.
  • Construído por alguma forma de energia de alta intensidade, este fio luminoso e brilhante se liga ao corpo físico através do duplo etérico, no qual se enraíza através da cabeça e de miríades de conexões filiformes que abrangem toda estrutura etérica junto ao cérebro humano.
  • Assemelha-se a um cabo de alta tensão, mais dentro dos padrões sutis.
  • O espírito encarnado, durante a viagem astral, possui o cordão de prata numa espessura mínima, o que permite o deslocamento a grandes distancias.

Desdobramento em trabalhos espirituais:

  • Médiuns desdobrados – adquirem consciência de suas potencialidades e limitações que se deslocam nessa dimensão como se estivessem no plano físico. Vão a outros locais, às vezes longínquos, trabalham, auxiliam, tratam de enfermos espirituais encarnados e desencarnados lado a lado com espíritos desencarnados socorristas, aos quais prestam inestimável auxílio.
  • Consulentes desdobrados – O coordenador da equipe auxilia, junto da equipe espiritual no qual recebe as informações, no desdobramento do consulente. O desdobramento ocorre de através pulsos magnéticos quânticos, realizados dentro do segundo do relógio material. Após estar desdobrado, a equipe passa a interagir com a ajuda do coordenador no tratamento de enfermidades físicas e emocionais, após o trabalho se encerrar, “fecha-se” os pulsos nas mesma contagens do inicio. Para um perfeito trabalho, é necessário conhecimento da equipe e adestramento do coordenador.

Propriedades e Funções do 3° corpo

  • Imaterial – veículo do espírito
  • Natureza magnética – energia muito sutil comparado aos impulsos elétricos e captados pelo denso corpo físico.
  • Não tem constituição fluídica.
  • Modelado por força mental –  energia superior, trabalhado por grandes equipes do cosmo, assim como nossa própria mente através do psicossoma pode vir a interagir com ele durante o processo de vida.
  • Cópia do físico em questões de forma estrutural e órgãos
  • Possui estado fisiológico sadio – emocional responsável pelas quedas da saúde como vimos no primeiro corpo.
  • Sensível – sensibilidade – percepções, intuições, sexto sentido, déjà vu, todos são mecanismos do terceiro corpo.
  • Corpo onde guarda-se os vícios e paixões – por isso muitos seres ao desencarnar entram em processo de erraticidade.
  • Corpo dos sentimentos e desejos – receptor de sentimento, onde captamos todas as energias primeiramente, após assimilações das mesmas o segundo se encarrega de guarda-las e solta-las no físico para manifestações. Esta aí uma das explicações do terceiro chákra (plexo solar) ser de tamanho maior comparado aos demais principais.

Alimento e “morte” do corpo Astral

Esse corpo perde energia constante, e necessita de suprimentos energéticos para a sua sustentação, assim como o físico.

  • Mais a natureza deste alimento varia muito, vai dos caldos proteicos (necessários aos espíritos muito materializado, fornecido pelas casas de socorro no astral) até as quintessenciadas energias que alimentam os espíritos superiores, colhidas (através da prece) diretamente do infinito reservatório de energia cósmica.
  • Em alguns livros do Robson Pinheiro psicografados pelo espírito Angelo Inácio relata algumas passagens onde fala das alimentações…
  • Espíritos habitantes do astral inferior, ainda bastante animalizados, costumam comer até mesmo alimentos humanos (sugando e vampirizando alimentos e bebidas – onde se desencadeiam alguns tipos de obsessões por simpatia emocional, mental e também de vícios).
  • Se houver perda de energia sem a necessária reposição, o espírito pode perder o corpo astral, onde é reduzido a ovoide inativo. (involução); Segundo o espírito André Luiz.
  • Referente aos ovoides, alguns espíritos em sofrimento na erraticidade também perdem suas energias e seu corpo astral através da magia. para entender melhor leia as trilogias de Robson Pinheiro que traz o assunto bem atualizado.
  • A “morte” por assim dizer deste corpo ocorre pela evolução do espírito onde atingindo dimensões elevadas não necessitará mais das energias dele, compensando a perda deste com o ganho de novo corpo espiritual elevado no fim da escala.
  • Ainda falando em espíritos na erraticidade, o corpo astral ele pode se deformar, ou transformar, onde há relatos de seres que tem seus corpos mesclados com formas animais ou até mesmo já perderam a forma humana.
  • Aqui também vale lembrar a dimensão onde ele está vibrando, por exemplo seres marinhos que habitam as diversas dimensões aquáticas, seus terceiros corpos assumem as variadas formas da dimensão habitante. Exemplos disso foi dado no livro Aglon e os espíritos do Mar (pelos espíritos Julio Verne e André Luiz) e também no filme Piratas do Caribe – Pérola Negra, onde o cinema nos traz uma visão clara de como a energia é trabalhada nas mais variadas situações. Se o autor teve intenção ou conhecimento não sabemos, mas com certeza sofreu influencias astrais nas criações.

4