Arquivo da tag: valores

ENERGIAS VIRTUOSAS

Falar de energias virtuosas, é falar de valores, de moral, de boas vibrações…Saraceni nos traz a seguinte informação:

Ao abordarmos este tipo de energia, saímos dos padrões estáveis e com dinâmica própria, para adentrarmos no magnífico padrão de E.V.M.L.C. (Energia, Vibratória, Magnética, Luminosa e Colorida) que existe no ser humano, enquanto criação divina.

A ele, é dado autonomia para a maior ou menor emissão desses padrões muito sutis de energias, que são: virtuosas, viciadas, masculina e feminina, espiritual, humana, carnal, mental, racional, emocional e sexual.

Primeiramente vamos às energias virtuosas, pois são elas que nos elevam a esferas luminosas mais sutis, quando as absorvemos por inteiro e fazemos do nosso todo espiritual um meio para sua exteriorização. Embora seja muito pessoal, pode ser transmitida, doada, passada e despertada em nossos semelhantes, desde que bem direcionadas. Podemos identificá-la:

  • Com as sete virtudes (Amor, Conhecimento, Fé, Razão, Lei, Sabedoria e Vida);
  • Com as sete cores do arco-íris divino, que são: branco cristalino, azul cintilante, rosado, verde, dourado cristalino, amarelo cristalino, prateado cintilante;
  • Com os sete símbolos sagrados;
  • Com as sete notas musicais;
  • Com os sete dons originais;
  • Com os sete graus de evolução do espírito no estágio humano;
  • Com as sete esferas ascendentes, ou luminosas.

As energias virtuosas são estados “de” e “do” espírito humano. Elas somente se manifestam, e podem ser sentidas, doadas ou despertadas, se assim o desejarmos, ou se formos induzidos a aceitar tal padrão vibratório. Sem isto, elas continuam à nossa volta sem serem por nós absorvidas. Temos então, um arco-íris invisível aos olhos carnais, mas que é sentido e percebido pelo nosso espírito imortal. Se nos harmonizamos com a energia divina, logo as energias virtuosas começam a inundar-nos com seu poder e sua força. Poder e força, em princípio, pertencem a Deus (energia divina), mas estão à nossa disposição, para que os usemos em benefício de nossos semelhantes, e da humanidade como um todo.

Quando falamos em força e poder das energias virtuosas, relacionamos aos seus opostos nas energias viciadas, que são dor e morte.

Observem bem as duas ordens, pois a força e o poder nos chegam pela energia universal, enquanto a dor e a morte nos chegam pela energia cósmica.

As virtudes somente são energias, quando incorporadas ao nosso todo espiritual. Caso contrário, sua ação construtiva, humanitária, mística e vivificante será imperceptível.

Um ser humano não místico, pode muito bem incorporar algumas cores (vibrações) das energias virtuosas ao seu todo espiritual, assim como um místico pode não incorporá-las ao seu arco-íris mental. Mas com toda certeza, somente um místico poderá incorporar (absorver) as sete faixas vibratórias das energias virtuosas.  Cada cor tem um padrão vibratório, e este revela um dom vivenciado, tanto na carne quanto em espírito, pelo ser humano. Talvez seja difícil compreendê-las descrevendo-as dessa forma, mas vamos tentar ser mais específicos e claros nas ilustrações que se seguem:

Screenshot_3.jpg

screenshot_4

O todo espiritual é composto por todas estas figuras, que são ativadas pela energia branca cintilante, através da qual a energia divina em nosso mental. Essa energia sustenta o mental, que é onde está localizada e protegida a nossa herança genética divina. Trazemos esta herança desde nossa origem, sendo que ela nos acompanhará até nosso fim, quando retornaremos à energia divina pela ação das energias virtuosas do sagrado arco-íris.

Bem, em nosso mental estão gravados os códigos genéticos que permitem nossa adaptação aos vários estágios da evolução humana, assim como os códigos dos estágios anteriores e posteriores.

Eis uma ideia aproximada de como as energias virtuosas entram em nosso todo
espiritual:

screenshot_5

screenshot_6

A ilustração mostra como ocorre a entrada das energias virtuosas em nosso todo espiritual, através dos sete canais descritos, mais um oitavo que nos inunda com a corrente contínua de energia negativa, e que desperta a vontade de ação em nosso emocional, ativando nosso racional e nossa consciência. São estas energias que têm tomado a humanidade agradável aos olhos de Deus, pois foi assim que Ele nos quis: seres humanos virtuosos, mas ativos, e não contempladores. Pois bem! Quando ativamos o Amor, o canal coletor deste padrão vibratório na energia divina passa a nos energizar cada vez mais, até alcançarmos o poder total de captação desse padrão. Mas, se esta energia não se multiplicar em nossos semelhantes, através das nossas ações, logo nos tornaremos estéreis nas coisas do Amor, uma vez que a energia acumulada passará a atormentar o emocional. Todo acúmulo sem vazão, seja ela positiva ou negativa, transforma-se num tormento insuportável. Se ativarmos o canal do Conhecimento, este nos inundará com a energia que dá sustentação ao crescimento intelectual. Mas se o conhecimento adquirido não for utilizado, a energia virtuosa irá se dispersar, e um imenso vazio se formará em nosso intelecto após alguns anos. O mesmo ocorre com relação às outras cinco energias virtuosas. Basta que você seja, ou se direcione nos seus sentidos virtuosos, para ser inundado. Elas nada mais são, como se isto já não fosse o bastante, que padrões vibratórios divinos, colocados à disposição do ser humano. Citamos várias vezes os números de 273 a 280 da escala divina,mas apenas sete números tinham correspondência. Revelamos agora, que o número 273 é o número do padrão vibratório da energia cósmica (negativa), que nos chega através do cordão negativo, ou o oitavo canal de irrigação energética do nosso todo espiritual. E ele, como não poderia deixar de ser, é neutralizado apenas pelos canais de energias virtuosas, caso contrário o todo espiritual ficaria tão negativamente energizado, que toda ação seria destrutiva.
Por tudo isso, recomendamos a todos que direcionem seus sentidos carnais e espirituais para estas energias. Somente assim poderemos neutralizar o acúmulo de energias negativas (cósmica) que, por ser uma corrente contínua, nunca cessa sua energização sobre o nosso todo espiritual. Caso não possamos neutralizá-las com ações virtuosas, a insatisfação (ausência de prazer) tomará conta do nosso ser imortal. Portanto, desperte estas energias em seu ser imortal’ Se o Criador dotou de desejo (negativo), foi para que, com a nossa consciência os transformássemos em vontades que nos enriqueçam e nos embelezem aos Seus olhos.

Referência Bibliográfica

Saraceni, Rubens. O livro das energias. 1 Ed. São Paulo. New Transcedentalis. 1993

ENERGIA DESTRUIDORA

Como seres humanos, temos escolhas, logo podemos decidir se usufruímos em parte da energia destruidora ou a cortamos, quebrando a corrente.

Temos exemplos desta energia em nossa vida de forma positiva e negativa. Vamos lá:

Quando os pais precisam dizer NÃO.

Muitos têm a ideia de que não é negativo, assim acham que se precisarem dizer não irão se indispor com outrem, que falharão perante suas expectativas e também as alheias, mas o que realmente importa pra você? Dizer não é simples, mas será que está sendo dito no momento certo. Ou você está apenas se inundando com energia destruidora?

O silencio deixa a mente fervilhando e faz com que seu mental crie seus próprios monstros, assim você chega sempre em um limite, mas qual é o seu limite? As regras não foram feitas para serem quebradas, mas sim para serem RESPEITADAS. Logo se você não souber o seu limite, deixará a sua linha invisível dele expandir, uma pequena expansão faz parte do crescimento da vida, tiramos lição, porém sua expansão intensa não faz de você maleável ou bonzinho. Faz de você um ser DESRESPEITADO. Não basta apenas se impor, tem que fazer valer suas próprias regras, suas normas e sua verdade. Mas não de forma ferrenha ou ditatória. Se você respira respeito, expelirá respeito, não tem como suas ações discordarem do que você realmente é. E se isso está acontecendo com você, é porque primeiro você não se respeita, segundo porque o que você diz ser não condiz com que você realmente é, então se encontre!

Essa linha tênue e sutil do limite faz com que o NÃO se torne algo construtivo, assim a energia destruidora ela entra cumpre seu papel de forma positiva e sai pelo nosso organismo diferenciada e não viciada. Não basta dizer não, é preciso explicar o porquê dele.

O “sim” confirma, concorda, aceita uma condição ou situação que alguém ou algo externo a nós nos propõe, enquanto que o “não” expressa nossa liberdade de não querer ou de não concordar.

Você usando somente o sim, está disposto a arcar com todas as suas consequências, mas quais seriam elas?  Está disposto a se indispor consigo mesmo para não magoar alguém ou desfazer a energia de um ambiente quando ele lhe fere?

Ah mas a energia destruidora como seu próprio nome já diz ela vai nos corroer, nos destruir por dentro. Aí é que tá! Ela destrói sim, se você desrespeitar seus limites e deixa-la o invadir, com SIM ou com NÃO, ela entrará em seu corpo, invadirá suas entranhas, porém a quantidade e tempo de permanência quem determina é você!

Não conseguir dizer não, acarretará acúmulo de energias diversas, e quanto mais energia destruidora mais “- -“ e isso tem consequências, principalmente físicas, psíquicas e posteriormente psicossomática. Importante não ser egoísta, porque o egoísmo é o excesso de energia destruidora.

Resultado de imagem para PALAVRA  DESTRUIDORAOutro exemplo, é quando você se vê no meio do ciclo de uma fofoca, como você se comporta dentro deste ciclo, o inunda de energia destruidora ou dissipa-a. O ato de interromper uma fofoca mostra coragem, coloca respeito e quebra o ciclo, fazendo com que a energia destruidora se liberte do acumulo viciado e volte para o universo.

E um terceiro exemplo, é alimentação. Em todos os sentidos. Primeiro, quando não respeitamos nosso templo corpóreo. Segundo é uma referência as indústrias alimentícias que sabotam nosso combustível vital. Quantos venenos, agrotóxicos, e alimentos modificados em laboratório possuímos em casa? O índice de câncer na sociedade aumentando, assim como os índices de diabéticos, obesidade desde a infância e o descontrole de toda uma população por simplesmente não pensar e se deixar levar pelo chamado da energia destruidora?

Indo um pouco mais afundo e mexendo nas feridas, quando falamos em não respeitar seu templo, não fixa somente a comida, os vícios entram com tudo nesse ranking. Os vícios mais variados pertencem a uma cadeia de energia destruidora extremamente viciada energeticamente, que passa pelas sociedades como um furacão, levando cada vez mais, jovens aos consumos sem controle. Mas nesse ranking falamos de quais vícios? Todos, tabaco, cevada, entorpecentes, álcool, futebol, religião e política. Sim! Esses três últimos, são atingidos pelo fanatismo, e o que era boa vontade e diversão se torna uma bomba relógio, e o combustível desta bomba é a energia destruidora que leva ao fascínio e acaba com seus valores sem percepção.

O psicoterapeuta Bruno Carrasco nos presenteia com a seguinte frase: “Aprender a usar o “não” de maneira que nos valorize e que não desrespeite o outro é um grande desafio para nosso desenvolvimento”.

Vejamos o capítulo de Energia Destruidora do Livro das Energias de Rubens Saraceni:

Eis aí um tipo de energia muito especial. Onde se formar uma condensação muito grande dessa energia, algo de ruim acontecerá. Vejam que “próton” é sinônimo de estabilidade, ou positivismo, e, “elétron”, de instabilidade, ou negativismo. Estes são os dois polos energéticos do homem, da natureza, do planeta e de todo o Universo. Mas quando, numa pessoa, a combinação “- +” (princípio ativo e fim estável) se altera para “- -” (princípio ativo e fim ativo), a ação será constante, e essa situação irá perdurar enquanto a combinação não se esgotar, uma vez que são combinações negativas e altamente destruidoras.

O fenômeno se repete na atmosfera, provocando tufões, ciclones, furacões, vendavais, etc. Eles surgem da combinação de fogo e ar (“- -“). O calor (fogo) aquece o ar, e libera a água contida nos seus átomos. Estes se tornam mais leves (negativos), pois os elétrons são ativos (circulantes) e precipitam-se a grandes velocidades, criando as correntes aéreas de ordem totalmente negativas (“- -“), que são as ventanias.

Esse fenômeno se repete no interior do planeta, e causa terremotos e outras atividades de ordem sísmica. O calor interno alcança um veio de água, ou uma infiltração de água alcança o centro do planeta. O calor ataca a água, e libera uma onda energética de ordem negativa que irá evaporar (liberar) o polo negativo da condensação positiva água. Nesse polo, estão os elétrons dos átomos da água, portanto negativos.

Com isso, temos o aumento da pressão interna, e o aumento da temperatura, oriundo do aumento do número de elétrons liberados dos átomos da água. Os elétrons do fogo, somados aos elétrons da água, resultarão numa combinação formada por duas cargas eletrônicas de ordem negativa e altamente ativas (- -). Isso irá provocar um desequilíbrio no magnetismo do planeta, e um abalo sísmico será sentido na crosta terrestre (terremoto), ou na crosta marinha (maremotos), dando também início a vendavais, provocados pelo aquecimento do ar através da liberação do calor interno da massa terrestre.

Se observarmos bem, veremos que todos os dias são sentidos abalos sísmicos de baixas intensidades em algumas regiões. Eles se devem ao fenômeno de infiltração de água até o magma, ou à elevação deste até a crosta, e a consequente liberação de pressão do interior do planeta (calor = elétrons). Temos assim, a energia chamada de destruidora, ou “- -” (princípio ativo e fim ativo). Portanto, cuidado com seu equilíbrio energético! Não deixem que ondas de energias negativas Invadam seu todo energético e criem a combinação “- -“, que irá transformá-los em seres destruidores. Seres destruidores liberam energias destruidoras, expressas pelas ondas negativas da: Paixão, Inveja, Ódio, Cobiça, Revolta, Remorso, Volúpia, Desejos, Etc. Portanto, cuidado com essas ondas, porque depois de formada uma combinação “- -“, o resto do processo energético é todo negativo.

Fonte auxiliar:

http://www.tautonomia.com/2015/10/importancia-do-nao.html
Referência Bibliográfica:

Saraceni, Rubens. O livro das energias. 1 Ed. São Paulo. New Transcedentalis. 1993

Estados de Consciência – Estágios de Empoderamento

Através de um blog que seguimos (https://apenastrescoisas.wordpress.com/2014/05/21/garrafa-472-hierarquia-nao-e-palavrao/), traremos alguns pontos fundamentais por ele levantado, adequando nosso estudo a ensinamentos regimentados por psicólogos, filósofos e estudiosos.

Hierarquias de Dominação X Hierarquias de Crescimento

Primeiro ponto é identificarmos onde estamos nessas duas categorias, as hierarquia de dominação como o próprio nome diz, são meios de crenças e um conjunto de mentes onde há domínios, opressão e autoritarismo. Quando trabalhado em cima de crenças existe um acordo mental em comum dogmático onde interagem através dele.

 Exemplo disso: sistema de castas, com a divisão da sociedade indiana em grupos sociais rígidos, com raízes na sua história milenar e que ordenou a vida dos indianos por milênios, tendo sido abolido em sua ultima Constituição, mas não dos corações e mentes de muitas pessoas.

Por outro lado temos a hierarquia de crescimento, que vem a ser exatamente os nosso estudo sobre o desenvolvimento dos níveis e estágios de consciência. Aqui não há cobranças, cada um a seu tempo dentro do seu estado evolutivo, onde quem já despertou auxilia os que ainda estão galgando níveis superiores.

Os quadrantes que já estudamos a algum tempo (https://cendee.wordpress.com/2015/07/25/quadrantes-mentais/) nos dá uma ideia clara de como a hierarquia de crescimento funciona.

Através disto fica mais claro compreendermos o segundo passo que é como podemos fazer parte da escala de hierarquia de crescimento, vejamos:

Um grupo chamado MOPORÃ trouxe um trabalho inicial explicando a importância de se desligar das velhas crenças que te atrasam e não deixam você evoluir e concluir seus objetivos, nosso cérebro enxerga como podas ao longo do caminho e sua mente não compreende que precisa crescer em vez de brotar ele acaba “secando”, prendendo-se a velhas crenças.

Em um material interessante traz os estágios de empoderamento que são:

  1. Liberação do medos/crenças
  2. Reconexão com a essência
  3. Expressão da essência
  4. Inspiração

Em liberação dos medos e crenças temos que primeiro reconhecer quais são as crenças limitantes que trazemos conosco desde a infância e que ficam intrínsecas na consciência física. Levando como princípios para vida adulta, como regras mentais e morais para uma vida “saudável”. Mas com a atualização do mundo estamos também atualizando esses princípios? O importante é não ficar parado no tempo. Abaixo algumas crenças:

20151021124044

Quantas vezes nos prendemos a crendices e coisas pequenas que em uma hora importante pode nos colocar em enrascadas? Nos colocar contra a parede, perder amigos, empregos, ciclos sociais???

Abrir a mente é o primeiro passo, permitir adequar o que acredita as mudanças do mundo…Assim começamos uma jornada juntos.

No segundo passo temos a reconexão com a essência, onde os valores da alma precisam estar de fato conectados com o presente, estar ligados com nosso interior, com a nossa verdadeira crença interna, nosso Deus, divindade, força maior, EU, espiritualidade, da forma como acreditar.

Estar ligado ao seu lado religioso é de suma importância para compreender questionamentos de identidade, veremos isso mais a frente.

Em um terceiro momento temos expressão da essência: aqui entra dois pontos conflitantes, primeiro temos que ser nós mesmos sempre, expor o que pensamos, nosso valor e nossas crenças pra fora, não deixar guardado o sufocando internamente, mascarando princípios. No segundo não conseguimos nos expressar da forma correta, por que? pelo ambiante que estamos, sociedade, grupos, trabalho, parceiro(a). Para cada ambiente que estamos precisamos nos adequar a ele, nos adaptar as pessoas que nele convivem devido as mais variadas formas de pensar e crer de cada um, devido as inúmeras verdades que cada um possui, sendo assim a sociedade cria meios de adaptação com regras de convívio e respeito. Para isso faça algumas perguntas mentais a você:

  1. Ambiente: O onde e o quando – no ambiente você priva e escolhe o que pode ou não incluir de ações e pensamentos que por vezes geram expressões corporais e faciais. Estou conseguindo ser eu mesmo em todos lugares que frequento?
  2. Comportamento: O o quê – é o que fazemos, inclui pensamentos além das ações, por vezes mudar o comportamento é difícil de mudar devido ao que outros pensam ou fazem diante de vós. Os comportamentos aqui descritos são aqueles impulsivos e automáticos, ações que demonstramos sem pensar, que somos porque somos. Você está conseguindo expor e expressar suas ações de acordo com o que pensa ou está se privando e escolhendo o quê falar?
  3. Capacidade: O como – são suas capacidades e habilidades, aqui cabe estratégias de pensamento e habilidades físicas, coisas do cotidiano que aprendemos e manifestamos. A capacidade só é visível no comportamento resultante porque reside em vós. Estou demonstrando minhas capacidades através de meu comportamento de acordo com o que penso, tenho liberdade nas ações?
  4. Crenças e valores: O por quê – as crenças são os princípios que guiam as ações, rege por vezes os pensamentos e nos condenam mentalmente quando deslizamos e vamos ao contrário do que nos ensinaram. Já parou pra pensar que o que aprendeu pode estar errado ou parado no tempo? Não seja ranzinza se permita mudar, a mudança trará os verdadeiros valores, aqueles que perpetuarão com você e que os outros verão e tirarão as conclusões pois valores te definem. Está criando bons valores?
  5. Identidade: O quem – identidade é o senso de si, crenças e valores que definem você e sua missão de vida. Aqui não cabe bem o que os outros pensam de você mas o que você é para você mesmo. Muitos conflitos de identidade surgem aqui pela falta de adaptação do ego as diversas situações a ele imposto. Somos mais do que todos os fatores inumerados acima, o que somos de fato? já se questionou? Quantas mascaras veste por dia para se adaptar a ambiente, grupos, emprego, família? Quantas vezes se expressou da forma como o qual é verdadeiramente por dentro? E a sociedade de forma equivocada traz sensos fortes onde quem não se adapta gera conflitos de personalidade e com isso é excluído, aqui cabe nomear duas crises claras: bipolaridade e borderline. Está desempenhando seu senso critico através destes questionamentos, está conseguindo ver quem é e se está se expressando ao mundo da forma como é? Quem és?
  6. Além da identidade: Conexão – aqui entra seu lado religioso, sua conexão com a espiritualidade, seu lugar no mundo. Como anda sua evolução com ser humano? Desenvolveu senso altruístico? Auxilia quem precisa? O que faz por você e pelo próximo? Como anda sua fé?

Compreende o conflito gerado por ter que se reconectar com sua divindade interior e o próximo passo expressa-la?

E o ultimo momento dos estágio de empoderamento: Inspiração – quando suas ações condizem com seu eu e não gera conflitos, você se torna um exemplo e as pessoas percebendo isso querem a receita do sucesso, da sua felicidade e de seus comportamentos, assim você passa a ser inspiração de outrem. Quantos de nós conseguimos chegar a este estágio? E quem estamos tendo como inspiração? Esse condiz com quem somos de fato?

Estamos sendo nós mesmos assim entrando na hierarquia de crescimento ou estamos seguindo comportamentos que não condizem com nossa personalidade assim sendo vaquinhas de presépio e atuando conscientes ou não da hierarquia de dominação eminente na sociedade que vivemos?

Fontes:

Aula Corpos Espirituais – 7° Corpo – Átmico – Espírito

  • Espírito Pleno
  • Transparente – invisível
  • Foge a todo o entendimento humano
  • Transcende a tudo que tem na existência Onipresente absoluto (é a capacidade de estar em todos os lugares ao mesmo tempo)
  • Constitui Essência Divina
  • Onde está guardado todos os “valores” do ser
  • É como a planta: é semeada, brota, se desenvolve, dá seus frutos, e recicla-se, sem deixar sua essência de vegetal.
  • Não tem forma, mais acredita-se que seja um ponto de luz.

No livro Além da Matéria, Gleber nos traz a seguinte descrição:

Essência divina, consciência pura; diretora de idiogênese.

O corpo átmico é a própria partícula da vida, o principio coordenador. Também chamado de eu cósmico, mônada e semente da vida. É o espírito puro. Impossível descrever sua essência divina. Imanamente, transcendente, inexplicável e indescritível – ao menos segundo padrões humanos. Apenas é.

O corpo átmico é o ser principal, criação direta do Todo-Sábio. Tanto quanto seu criador, só pode ser sentido. Parcialmente e palidamente poderá ser analisado, pois faltam bases para que possa ser associado a algo que se conheça. É parte imortal e fonte de toda vida, a causa criada e eterna, que é ao mesmo tempo ator e ato, o espectador e o produtor de grande drama evolutivo. É imortal, consciência pura.

A cada ação do espírito no palco abençoado das encarnações, os corpos vão se adelgaçando, se transubstanciando. À medida que cresce, aprende, aperfeiçoa-se, o ser despe-se dos corpos mais pesados e densos, passando a atuar em níveis e dimensões de consciência cada vez mais sutis. Um dia brilhará puro, independente dos envoltórios que utiliza em sua caminhada rumo ao infinito.

Bibliografia de todo material sobre corpos publicado:

SUPEREGO (Estudo Espiritual)

Chegamos a um elemento do nosso estado de consciência chamado SUPEREGO, uma ferramenta responsável por nos melhorar durante a evolução, estando equilibrado se junta ao ID para formar um EGO perfeito.

No plano físico existe a teoria freudiana onde o superego é o elemento anjo e com características semelhantes ao ID astral. Mas no estudo espiritualizado, quando este elemento se desequilibra ele se nos conduz ao nosso lado “negro”, interagimos com nosso DEMON. Em equilíbrio nos conduz a perfeição – em gestos, pensamentos e palavras (ego ideal), atua com as máximas de Mestre Porteira: “Pautar pensamentos, palavras e ações”, pois com estes três gestos não projetamos novos karmas, resgatamos energias e nos equilibramos.

SUPEREGO se torna o juiz da nossa vida. A teoria de Freud e o estudo astral concordam um ponto: que o superego forma-se após o ego, durante o esforço da criança de introjetar os valores recebidos dos pais e da sociedade a fim de receber amor e afeição.

Importante entender que se superego está bem, todo o resto de nossa personalidade estará bem, ele nos auxilia o tempo todo, nos ajuda a ter discernimento para que o ego tome decisões coerentes. Ativando nosso senso de auto critica e critica construtiva, questionador a fim de evoluir, de aprender mais. Do contrário se ele desestabilizar, nos tornamos amargos, ranzinzas, críticos destrutivos, argumentadores para finalidades destrutivas, prepotentes, autoritários, intransigentes, preconceituosos, intimidadores entre outros; Neste estágio o superego acaba por manchar nossa imagem perante o todo.

Vai uma dica para manter os três estados iniciais de consciência sempre harmônicos:

1 – Ter informação: com ela o preconceito não se formula e passamos a ter mais amplitude consigo e com a sociedade.

2 – Conhecimento: saber o que defende, as causas, conhecer a fundo seus argumentos e respeitar opiniões alheias, permitindo que os outros também se expressem e você aprenda mais.

3 – Consciência: de seus atos, de suas atitudes, de seus pensamentos, de sua missão  e sua jornada com o todo. Após descobrir como se comportar bem com estes estágios da consciência, a evolução avança a passos largos e você com espírito altruístico ajuda os seres mais próximos com exemplos sendo espelho para que aprendam a se entender também.

4 – Ação: (requer decisão) comece agora, com uma regra de ouro, faça com os outros o que gostariam que fizessem com você, gentileza gera gentileza, lei da ação e reação, cabe a você começar a mudar a partir deste minuto, é com você aí…